AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Bolívia

A demanda por carne suína aumenta 35% e La Llajta abastece toda a região oeste

Por meio de nota, a Associação Departamental dos Criadores de Suínos e a Câmara Agropecuária de Cochabamba também garantiram o fornecimento dessa carne para as festas de final de ano

Diario Opinión
10-Dez-2021 09:09

A demanda por carne suína cresceu 35% nas últimas semanas.

A maioria dos pratos principais servidos nos eventos sociais de final de ano tem esta carne como ingrediente principal. Por isso a demanda é maior, explicou a administradora da Associação dos Criadores de Suínos com Cadastro Sanitário (Adepor-CO-RS), Lourdes Guarachi.

Ele estimou que nos últimos dias haja pelo menos 35% mais venda de carne suína. No entanto, o abastecimento interno é garantido.

Por meio de nota, a Associação Departamental dos Criadores de Suínos e a Câmara Agropecuária de Cochabamba também garantiram o fornecimento dessa carne para as festas de final de ano.

Guarachi disse que o mais provável é que a demanda continue crescendo e não descartou aumento no preço do quilo.

Atualmente, o quilo dessa carne oscila entre 21 e 23 bolivianos nos centros de abastecimento de Cochabamba, mas nas próximas semanas pode subir para 27, segundo Guarachi.

Esclareceu que a sua associação vai continuar a vender o “quilo em pé” de carne suína a 13,50 bolivianos e que está nas mãos dos revendedores a manutenção dos custos.

FIGURAS

A Adepor-CO-RS produz pelo menos 800 toneladas dessa carne por mês, enquanto a produção da Associação Departamental dos Criadores de Suínos gira em torno de mil toneladas, no mesmo período.

Em suma, a suinocultura de Cochabamba gera cerca de duas mil toneladas de carne por mês.

Segundo Guarachi, a maior parte desse produto abastece o mercado ocidental da Bolívia. Adepor-CO-RS mantém relações comerciais com La Paz, Potosí e Oruro.

A Associação Departamental de Criadores de Suínos também vende sua produção para duas cidades do oeste da Bolívia (La Paz e Oruro), mas apenas 35% vão para lá, porque sua prioridade é atender o mercado interno.

QUALIDADE

Guarachi informou que, para ganhar espaço no mercado nacional, os suinocultores estão se aventurando na genética.

Ele explicou que criam animais com alto percentual de músculo e baixo teor de gordura, de forma que essa carne "não é prejudicial nem gordurosa".

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade