Curso Cortes de Suínos
03-Fev-2017 15:03
Comentário

A importância do adequado processamento térmico da Soja para o melhor desempenho dos suínos - por Diego Duran

2017, releases empresas, fotos atualizadas ,
2017
A fonte proteica mais utilizada em dietas para suínos no nosso país é a soja, cuja qualidade tem influência direta no consumo e desempenho dos animais. Dessa forma, processamentos térmicos devem ser aplicados visando inativar fatores antinutricionais presentes nessa matéria-prima. Os principais fatores termolábeis que podemos citar na soja “in natura” são: inibidores de tripsina, hemaglutininas (lectinas), fatores bociogênicos, antivitamínicos e antiminerais (fitato).

Em virtude de custo e praticidade analítica, atualmente, duas análises são comumente utilizadas para avaliar a qualidade do processamento térmico da soja, são elas: solubilidade proteica e índice de atividade ureática. A partir dos  resultados dessas análises é possível avaliar se o processamento está adequado ou se ocorreu um sub ou superprocessamento térmico, esse último é indicado principalmente pelo resultado de solubilidade proteica.

Caso os resultados analíticos demonstrem que ocorreu um subprocessamento térmico da matéria-prima, teremos indícios de que os fatores antinutricionais ainda estão presentes na soja e, com isso, os animais estarão suscetíveis a transtornos digestivos. Quando os resultados evidenciam um superprocessamento térmico, podemos deduzir que a digestibilidade de alguns aminoácidos foi afetada, principalmente a lisina, primeiro aminoácido limitante para suínos, cuja principal fonte em uma dieta para esses animais é o farelo de soja.

O quadro abaixo destaca os valores habitualmente utilizados para avaliar o processamento térmico da soja.

Quadro 1. Valores utilizados para avaliar processamento térmico da soja.

,
GRAFICO

Como relatado anteriormente, uma soja subprocessada poderá conter fatores antinutricionais, que reduzirão o aproveitamento dos nutrientes dessa matéria-prima, acarretando em queda de desempenho dos animais.

 Estudos demonstram que um superaquecimento do farelo de soja piora a conversão alimentar do rebanho e, a cada 5 pontos percentuais de queda na solubilidade abaixo de 80%, os animais gastarão, aproximadamente, 4,5 kg a mais de ração para atingir 100 kg de peso vivo.

,
GRAFICO

O correto processamento térmico da soja refletirá diretamente nos índices zootécnicos da granja, assim, contar com um bom fornecedor dessa matéria-prima e/ou estar com o processo de produção adequado e padronizado são fatores fundamentais para que a dieta formulada gere os resultados esperados no campo.

Suinocultura Industrial

Diego Duran

Diego Duran Araujo é Zootecnista (UNESP, Botucatu-SP) e Analista Nutrição Júnior Suínos da Vaccinar

Deixe seu Recado