Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

A importância do processo de resfriamento de pellets - por Fernando Raizer

Publicação Exclusiva: AI / SI
26-Mai-2014 11:37 - Atualizado em 20/04/2016 14:53

O processo de resfriamento representa cerca de 15% do total de fatores necessários para se produzir bons pellets - mas se não for bem feito, todo o trabalho que você teve para moer adequadamente o produto, condiciona-lo e passa-lo por uma matriz corretamente dimensionada poderá ficar totalmente prejudicado.

Os pellets ganham até 4,5% de umidade através de adição de vapor no condicionador.

O pellet final deve estar em uma faixa adequada de umidade. Umidade baixa demais resulta em:

(1-) Problemas de palatabilidade
(2-) Redução de durabilidade do pellet
(3-) Quebras/ perdas

Umidade excessiva provocará:

(1-) Surgimento de mofo rapidamente
(2-) Redução da durabilidade do pellet (PDI)
(3-) Formação de barreira no silo de pellets
Os pellets recebem calor no processo de condicionamento e também no processo de peletização

O calor é adicionado aos pellets de duas formas: a primeira é causada pelo vapor adicionado no condicionador, que provoca um aumento de temperatura da massa entre 16°C e 67°C.
A segunda forma de adição de calor é o atrito que ocorre quando os pellets são forçados através dos furos da matriz. Isso pode provocar um aumento entre 1°C até 22 °C.

De uma forma geral, os pellets saem da matriz da peletizadora em temperaturas geralmente entre 57°C e 93°C, dependendo da fórmula/ Grupo de produtos que estaremos peletizando.
Em determinados produtos com alta inclusão de açúcar ou ingredientes lácteos, temperaturas acima de 60°C causam caramelização, e um dos efeitos imediatos é o entupimento da matriz.

O objetivo é resfriar os pellets para que a temperatura deles fique numa faixa de 2,7 a 8,3°C acima da temperatura ambiente – o ideal é 6° C no máximo. - a temperatura ambiente é a temperatura do ar no ponto em que o ar é puxado para dentro do resfriador.

No processo de transferência de calor do pellet para o fluxo de ar, ocorre simultaneamente o processo de secagem.

O primeiro ponto crítico é o projeto do sistema de resfriamento. É necessário ter uma vazão de ar adequada passando através do resfriador para que a saída dos pellets ocorra com a temperatura e a umidade desejadas. 
Também é necessário ter um tempo de retenção adequado no resfriador para que o ar resfrie e seque suficientemente os pellets.

Os resfriadores mais eficientes são os de contra fluxo, e geralmente necessitam 1495 m3 de ar/hora para cada tonelada de ração produzida.

O fluxo de ar do resfriador é determinado pelo tamanho do ventilador, e assim, usamos uma razão de “vazão de ar / vazão de pellets”. Essa razão é simplesmente a quantidade da massa de ar, dividida pela massa, ou fluxo dos pellets.

Um exemplo:

Uma peletizadora produz 18 tons/ hora de pellets, e o projeto do secador de contra fluxo fornece 453 m3 de ar por minuto, ou seja, aproximadamente 555 kg/ minuto.

A ISA (Atmosfera Padrão Internacional) considera que ao nível do mar e a 15 °C o ar tem uma densidade de cerca de 1,225 kg/m3.

A vazão da peletizadora é 18000/ 60= 300kg/ minuto

Portanto, a razão do fluxo de ar versus pellet é 555kg ar/ 300 kg de ração = 1,84.

Um resfriador de contra fluxo tem no mínimo dois sensores de nível.

O mais alto é o de segurança, e o mais baixo pode e deve ser ajustado para regular a profundidade da camada de pellets. Quando esse indicador de nível estiver livre, a descarga se interrompe.

Um segundo ponto chave de controle do resfriador de contra fluxo é o ajuste adequado das grades de descarga. Procura-se fazer com que a grade descarregue menores quantidades de produto, porem mais vezes por intervalo de tempo.
     Se o ajuste de frequência e amplitude de abertura das grades for incorreto, haverá entupimento do equipamento imediatamente posterior, no caso os rolos desintegram dores, quando então acontece sobrecarga do motor ou queima das correias. O outro equipamento que pode desarmar por sobre carga é o drag que leva até o elevador de pellets.

Existe ainda um dumper de controle de fluxo de ar na tubulação que vai até o ciclone.

Todos esses recursos tem um só objetivo: produzir pellets íntegros, de preferencia no máximo 6°C acima da temperatura ambiente, e na umidade que corresponda a uma atividade de agua (A) entre 0,6 e 0,65.

O controle da perda (Shrink) é de extrema importância.

Se houver (por exemplo) secagem de 0,5% além da conta, isso significa 5 kg por tonelada.

Uma peletizadora de 200 Hps produzindo algo em torno de 175 tons/ dia, semana de cinco dias, gera cerca de 228 tons de perdas por ano!

Se considerarmos que uma tonelada de ração pode custar (por exemplo) R$600,00, o valor da perda anual é de aproximadamente R$ 137 mil...

Portanto, em se tratando de peletização, o ciclo de ações AJUSTAR/MEDIR/AJUSTAR é fundamental para o controle de perdas de processo.

Abraço, e SUCESSO!

Assuntos do Momento

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas
21 de Setembro de 2021
Ocorrência Sanitária

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas

A ocorrência foi confirmada ontem (20/09) pela OIE; é o segundo caso da enfermidade na América Latina, o que acende um alerta ainda maior em toda a suinocultura da região

Preço do suíno vivo sobe em vários estados
20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do suíno vivo sobe em vários estados

Após um começo de mês nada animador para o segmento, a última semana registrou novos aumentos em várias praças. Valor poderia ser maior, mas baixo poder aquisitivo da população segue impedindo.

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo
16 de Setembro de 2021
Custos

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo

Quadro afeta especialmente os produtores independentes, que têm menos poder de fogo nas negociações de grãos para ração

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

20 de Setembro de 2021
EUA

Nos EUA, deputados democratas pedem recursos para prevenir peste suína africana

Grupo de deputados pediu US$ 75 milhões em recursos para que autoridades de saúde animal previnam e se preparem para um possível surto de PSA no país

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos
17 de Setembro de 2021
Mercado

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos

Levantamento do Cepea mostra que, na média deste mês (até o dia 15), a diferença entre a carcaça especial suína, também comercializada na Grande São Paulo, e o frango inteiro é de apenas 1,19 Reais/kg

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade