Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Gigantes do Agro

Abilio deixa a BRF depois de nove anos - com prejuízo

Empresário vendeu sua posição de 3,8% para a Marfrig por quase R$ 900 milhões, mas amarrou earn-out

Redação com informações de Valor Econômico
28-Out-2021 08:30

Depois de quase nove anos, Abilio Diniz não é mais acionista da BRF. O empresário também vendeu sua fatia de 3,8% à Marfrig, mas o acordo de R$ 898,9 milhões só veio a público esta semana, num documento enviado à SEC.

A saída de Abilio encerra uma trajetória que começou promissora, mas acabou melancólica. Além dos problemas financeiros na BRF, o empresário perdeu dinheiro.

Quando montou a posição na BRF, entre o fim de 2012 e o início de 2013, as ações da companhia valiam perto de R$ 40. Na época, os fundos da Península investiram mais de R$ 1 bilhão na dona da Sadia. A Marfrig pagou R$ 28,75 pelos papéis de Abilio.

A venda das ações de Abilio para Marfrig foi acertada em 19 de maio, quando Marcos Molina deflagrou o movimento de compras que culminou com uma posição de 31,66% na BRF. A transação, no entanto, só se efetivou em agosto, após a aprovação do negócio no Cade — a SEC determina que negócios do gênero devem ser divulgados dentro de 30 dias, o que ocorreu agora.

Abilio ainda pode amenizar as perdas com o investimento em BRF. No contrato entre Marfrig e Aspen — um dos fundos do empresário —, há previsão de um pagamento de earn-out. A informação chamou a atenção de Leandro Fontanesi, analista do Bradesco BBI que publicou um relatório sobre o assunto.

Num sinal de que Abilio talvez aposte na fusão entre BRF e Marfrig no curto prazo — o que parece mais distante após as últimas declarações de Molina —, o contrato prevê que o empresário terá direito a 50% do que exceder os R$ 28,75. Hoje, as ações da BRF valem R$ 21,35.

Curiosamente, o earn-out será calculado considerando a média das ações no período de 90 dias que circunda a próxima assembleia de acionistas da BRF, em abril — o prazo considera os 60 dias anteriores à AGO e os 30 dias posteriores. Um evento societário antes disso também precipitaria o exercício do pagamento adicional.

Na assembleia, lembra o analista do Bradesco BBI, a BRF elegerá um novo conselho, o que poderia marcar a entrada de Molina ou de nomes próximos ao empresário no board. Depois desse prazo, o direito ao earn-out expira.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade