Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Insumos

Agroindústria catarinense empenhada na solução para escassez de milho

A crise de escassez desse insumo ameaça as agroindústrias e milhares de criadores de aves e suínos do sistema integrado de produção

Redação
12-Jul-2021 08:50

O suprimento de milho para as cadeias produtivas da avicultura e da suinocultura industrial, em Santa Catarina, está se tornando um problema cada vez mais complexo. O déficit desse grão foi perigosamente agravado neste ano por fatores climáticos, sanitários e mercadológicos.

O Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne) e a Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) estão participando – ao lado da Associação Brasileira da Proteína Animal (ABPA) – dos esforços para a busca de uma solução. A crise de escassez desse insumo ameaça as agroindústrias e milhares de criadores de aves e suínos do sistema integrado de produção.

Inicialmente a seca, depois as geadas destruíram parte das lavouras. A praga da cigarrinha dizimou parte do plantio. As exportações maciças de milho enxugaram o mercado interno. A conjugação desses três fatores tornou o milho escasso e extremamente caro: mais de R$ 100 a saca de 60 kg.

O problema é comum ao extremo sul: Santa Catarina tem um déficit anual de quase 5 milhões de toneladas de milho e, o Rio Grande do Sul, igualmente, importa 4 milhões de toneladas/ano, o que representa uma demanda de 9 milhões de toneladas que os dois estados sulinos precisam buscar em outros mercados, do País ou do exterior.

Os presidentes do Sindicarne, José Antônio Ribas Júnior e da ACAV, Ricardo Castellar de Faria apontam que a redução dessa dependência e a queda de custos de produção de aves, suínos e gado leiteiro estão entre as prioridades dos criadores e das agroindústrias de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Entre as soluções em curso estão as novas cultivares de cereais de inverno no Sul do País, com incentivo os produtores rurais a investirem no plantio de trigo, triticale, centeio, aveia e cevada.

Engajados nesse esforço estão Sindicarne, ACAV, FAESC, FARSUL, Secretaria da Agricultura e a Embrapa das Unidades de Concórdia (SC) e Passo Fundo (RS). Enquanto a Embrapa Trigo trabalha no desenvolvimento das cultivares de cereais de inverno, a Embrapa Suínos e Aves analisa o uso desse material na alimentação de suínos e aves. O objetivo é seguir o exemplo de outros países e encontrar o sucessor deste grão, como a Inglaterra, que tem uma variedade de trigo especialmente para rações de animais.

As entidades acreditam que o projeto envolvendo os dois estados será a solução para esse grave problema. Santa Catarina tem limites territoriais, mas o Rio Grande do Sul tem imensa potencialidade territorial. O RS planta 6 milhões de hectares de soja, mas no inverno semeia apenas 1,1 milhão de hectares de trigo, que é o cereal de inverno. O produtor gaúcho, com o apoio de tecnologias oferecidas pela Embrapa, poderá cultivar mais 5 milhões de hectares com culturas de inverno e, assim, suprir as demandas dos dois estados do extremo sul brasileiro.

Ribas e Faria mostram que a logística do grão impacta no crescimento. O Paraná – que tem milho em abundância – praticamente dobrou a sua suinocultura e avicultura nos últimos anos, enquanto RS e SC não avançaram por falta do insumo. A solução é otimizar o cultivo das terras férteis gaúchas. Com engajamento das lideranças do agro dos dois estados e com a participação da agroindústria nacional, que é parceira desse programa, teremos em médio prazo uma solução.

Em SC foi criado o Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno Destinados à Produção de Grãos, que subvenciona 50% do valor das sementes de cereais de inverno destinadas à fabricação de ração. A Secretaria da Agricultura está investindo R$ 5 milhões para incentivar o cultivo de cereais de inverno. Com o projeto, os produtores receberão uma subvenção de R$ 250 por hectare efetivamente plantado com trigo, triticale, centeio, aveia e cevada, em um limite de 10 hectares por agricultor. A intenção é ampliar em 20 mil hectares a área cultivada em todo o estado na safra 2020/2021.

SOLUÇÕES

Em consistente documento encaminhado ao Governo Federal, as entidades do agronegócio apresentaram sete propostas de medidas emergenciais e de curto prazo para evitar que a indústria de processamento de carnes do Brasil entre em colapso.

O conjunto de medidas inclui a viabilização emergencial das importações de milho e de soja estritamente para uso em ração animal; a suspensão do imposto Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) sobre a importação destes insumos de países não-integrantes do Mercosul; e a suspensão temporária de cobrança de PIS e COFINS para importações provenientes de países extra-Mercosul, para empresas que não conseguem realizar Drawback. Igualmente, a suspensão temporária de cobrança de PIS e COFINS sobre os fretes realizados no mercado interno.

Outras propostas são a criação de sistema oficial de informação antecipada sobre exportações futuras de grãos, para dar mais transparência ao mercado de insumos; financiamento para construção de armazéns e realização de armazenagem para os produtos, dando mais estabilidade ao mercado; e a adoção de políticas de incentivo de plantio de milho e de cereais de inverno no Brasil.

Sindicarne e ACAV entendem que todas as medidas são necessárias e fundamentais, lembrando que, apesar da pandemia e das incertezas políticas e fiscais, a economia brasileira deve crescer  mais de 5% este ano, de acordo com projeções de várias consultorias e instituições. Mais uma vez, a agricultura e o agronegócio – em razão da combinação de alta dos preços de commodities e de expansão do comércio mundial – darão uma sustentação mínima à atividade econômica no Brasil em 2021.

Assuntos do Momento

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas
21 de Setembro de 2021
Ocorrência Sanitária

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas

A ocorrência foi confirmada ontem (20/09) pela OIE; é o segundo caso da enfermidade na América Latina, o que acende um alerta ainda maior em toda a suinocultura da região

Preço do suíno vivo sobe em vários estados
20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do suíno vivo sobe em vários estados

Após um começo de mês nada animador para o segmento, a última semana registrou novos aumentos em várias praças. Valor poderia ser maior, mas baixo poder aquisitivo da população segue impedindo.

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo
16 de Setembro de 2021
Custos

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo

Quadro afeta especialmente os produtores independentes, que têm menos poder de fogo nas negociações de grãos para ração

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

20 de Setembro de 2021
EUA

Nos EUA, deputados democratas pedem recursos para prevenir peste suína africana

Grupo de deputados pediu US$ 75 milhões em recursos para que autoridades de saúde animal previnam e se preparem para um possível surto de PSA no país

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos
17 de Setembro de 2021
Mercado

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos

Levantamento do Cepea mostra que, na média deste mês (até o dia 15), a diferença entre a carcaça especial suína, também comercializada na Grande São Paulo, e o frango inteiro é de apenas 1,19 Reais/kg

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade