Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Status Sanitário

Alesc celebra os 15 anos de SC como área livre de febre aftosa sem vacinação e presta homenagens

Na ocasião, foram homenageados os órgãos públicos, instituições, e personalidades que atuaram ativamente para que Santa Catarina obtivesse o referido status sanitário

Redação, com informações ACCS
27-Mai-2022 09:27

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina promoveu, na noite de quarta-feira (25), uma sessão especial em comemoração aos 15 anos da emissão, para Santa Catarina, da certificação de  zona livre de febre aftosa sem vacinação.
 
A solenidade foi proposta pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Moacir Sopelsa (MDB), e contou com a participação do governador do Estado, Carlos Moisés (Republicanos); do secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo Miotto Ternus; e de diversas outras lideranças políticas e de integrantes de associações e entidades ligadas à produção animal.
 
Na ocasião, foram homenageados os órgãos públicos, instituições, e personalidades que atuaram ativamente para que Santa Catarina obtivesse o referido status sanitário, que foi concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) no dia 25 de maio de 2007 e contribuiu para tornar o estado referência no país em sanidade animal e potencializou o desenvolvimento de toda uma cadeia econômica.
 
Em uma mensagem gravada, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes, qualificou a data como digna de comemoração, afirmando ainda que o trabalho realizado em Santa Catarina abriu as portas para que outros estados também buscassem a mesma condição sanitária. “Cabe a mim hoje parabenizar, agradecer ao governo do Estado, aos seus técnicos e produtores, e também à equipe do Ministério da Agricultura, que trabalharam tanto para que Santa Catarina obtivesse esse resultado. O governo federal agora trabalha para que o mesmo seja alcançado por outros estados. Parabéns a Santa Catarina pelo exemplo que deu ao país.”
 
Em seu pronunciamento, o deputado Moacir Sopelsa, que é agropecuarista e já atuou como secretário da agricultura do município de Concórdia e também do governo do Estado, fez um relato do processo de vários anos que culminou com a obtenção da certificação da OIE.
 
O trabalho, disse, envolveu etapas como viagens à Brasília e Itália para consulta técnica, a necessidade de criação  do Icasa (Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária), coma contratação de mais de 100 médicos-veterinários, e decisões corajosas de seguir adiante com a suspensão da vacinação do rebanho catarinense ante o surgimento de focos de aftosa nos estados vizinhos. “Assim foi feito e nós chegamos onde estamos hoje. E estou feliz pelo que foi feito, pois nos permitiu passar de 300 milhões exportados para 5 bilhões [de dólares, ao ano]. Que a gente possa manter esse status, para que os nossos produtores possam continuar a exportar e Santa Catarina sendo exemplo e conquistando mercados cada vez mais importantes.”
 
Durante a sessão, outros deputados também se pronunciaram em favor do agronegócio catarinense. “Esse status é o principal motivo das conquistas que nós temos nos mercados mais exigentes do mundo. Que as futuras gerações possam estar aqui comemorando essa grande conquista, que é o alicerce da economia de Santa Catarina. Nós vivemos o agro, nós somos o agro”, disse Altair Silva (PP), que até março deste ano atuava como secretário de Estado da Agricultura.
 
Já Coronel Mocellin (Republicanos), destacou a atuação dos profissionais da Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) para  a manutenção do status sanitário catarinense, com a realização de procedimentos como a brincagem dos rebanhos e a fiscalização dos animais que chegam de outros estados.
 
Conforme disse, este trabalho mostra-se especialmente importante diante da falta de informações sobre as ações que estão sendo adotadas em outras regiões do país. “Os outros estados que estão livres [de vacinação], será que  estão tendo o mesmo cuidado que Santa Catarina está tendo? Esta é uma preocupação que precisamos ter e também começar a cobrar dos estados vizinhos que tenham o mesmo rigor que os nossos produtores têm aqui.”
 
O presidente do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Estado de Santa Catarina (Sindicarne), José Antônio Ribas, que falou em nome dos homenageados, revelou que atualmente os produtos catarinenses possuem uma boa imagem no exterior, com a pauta de exportação baseada em proteína animal alcançando mais de 160 países. Ele conclamou o Poder Público, a seguir investindo, por meio de seus órgãos de governo, para que o setor agropecuário do estado possa assegurar estes mercados. “Nós temos um compromisso muito grande em dar continuidade a isso, então peço a todas as lideranças que a gente continue investindo muito forte no nosso serviço oficial, na Cidasc, que a gente tenha no Ministério da Agricultura uma grande parceria. E que a gente tenha em todas as nossas instituições como Icasa, Faesc (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina), e Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), investindo e desenvolvendo, porque hoje o agronegócio de Santa Catarina nos dá o maior orgulho.”
 
Manutenção do grau de sanidade
 
Em seu pronunciamento, o governador Carlos Moisés afirmou que o setor do agronegócio responde atualmente por cerca de 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado e que a sua gestão está comprometida em dar sequência ao trabalho de manutenção do status sanitário de área livre de febre aftosa sem vacinação. Como exemplo, ele citou a recente edição de uma série de atos normativos visando aprimorar a rastreabilidade de animais no território catarinense.
 
“Nós precisamos controlar severamente os animais que entram e que saem do nosso estado para que a gente não tenha prejuízo nesse status internacional que fez Santa Catarina equilibrar sua balança comercial e o agronegócio ser forte como ele é na produção de proteína animal, exportando para todos os estados brasileiros e para o mundo também em grande quantidade. Isso foi feito a partir da confiança que o consumidor tem com o alimento saudável produzido em Santa Catarina.”
 
Na mesma linha, o secretário de Estado Agricultura, Ricardo Miotto Ternus, acrescentou que o governo enxerga a importância do setor de produção animal também sob um viés social, para a manutenção do homem no campo.  “É  necessário que a gente mantenha essa condição sanitária de área livre de aftosa sem vacinação, da qual hoje comemoramos 15 anos, e também de todo um conjunto políticas públicas e de estruturas que mantém o agronegócio como carro chefe da economia do nosso estado e que exerce papel não só econômico, mas também social, porque ajuda a gerar renda e fixar as 184 mil famílias que temos hoje vivendo no campo.”
 
Homenageados
 
- Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de Santa Catarina, representada pelo secretário, Ricardo Miotto Ternus;
 
- Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), representado pelo seu superintendente, Túlio Tavares Santos;

- Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), representada pelo seu presidente, Júnior Kunz;
 
- Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (Icasa), representado pelo seu conselheiro executivo, Osvaldo Miotto Junior;
 
- Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne), representado pelo seu presidente, José Antônio Ribas Júnior;
 
- Polícia Militar do Estado de Santa Catarina, representada pelo comandante geral da instituição, Coronel Marcelo Pontes;
 
- Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), representada pelo chefe-adjunto de
 
- Transferência de Tecnologia da Embrapa Suínos e Aves, Franco Muller Martins;
 
- Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), representada pelo seu presidente, Giovani Canola Teixeira;
 
- Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), representado pelo seu presidente, Marcos
 
- Vinícius de Oliveira Neves;
 
- Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), representado pelo seu diretor superintendente, Neivo Luiz Panho;
 
- Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Santa Catarina (Fetaesc), representada pelo seu presidente, José Walter Dresch;
 
- Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), representada pelo seu vice-presidente, Enori Barbieri;
 
- Federação das Cooperativas Agropecuárias de Santa Catarina (Fecoagro), representada pelo seu presidente, Arno Pandolfo;

- Associação da Indústria de Carnes e Derivados de Santa Catarina (Aincadesc), representada pela sua presidente, Irani Pamplona Peters;
 
- Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), representada pelo seu presidente, Losivânio Luiz de Lorenzi;
 
- Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), representada pelo seu superintendente, Gilmar Antônio Zanluchi;
 
- Odacir Zonta, secretário de Agricultura do Estado de Santa Catarina entre 1985 a 1987 e 1999 a 2002;
 
- Antônio Ceron, secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina entre 2007 e 2010.

Assuntos do Momento

23 de Junho de 2022
Mercado Interno

Mesmo com entrada de 2ª quinzena, preços no mercado de suínos sobem

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do animal vivo, esse movimento de reação é influenciado pela baixa disponibilidade de suíno em peso ideal para abate, pelo clima ameno e por eventos festivos que favorecem o consumo

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão
23 de Junho de 2022
Seguro Rural

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão

Segundo nota da entidade, o crédito extra é necessário para garantir a cobertura do plantio da próxima safra de verão 2022/23 

21 de Junho de 2022
Exportações

Exportações de carne suína diminuem, mas mercado interno dá sinais de ajuste de oferta

Veja o panorama completo do mercado interno e externo de suínos durante o mês de junho

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF
23 de Junho de 2022
Mercado

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF

Após a redução no rebanho que vinha ocorrendo em função da diminuição da margem de carne suína na China, maio foi o primeiro mês de aumento do rebanho em 2022

Produção global de carne suína em 2022
22 de Junho de 2022
Comentário Suíno

Produção global de carne suína em 2022

Por Osler Desouzart, CEO da ODConsulting

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina
23 de Junho de 2022
Argentina

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina

“No total mais ou menos nós argentinos consumimos 110 kg de carne por ano e agora caiu para 47 kg, segundo os últimos dados que são de 2021”, disse Mariela Bernardi, administradora do Mercado Concentrado Posadas.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade