Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado

Análises de equipamentos multiusuários do Ital possibilitam melhoria de qualidade de alimentos e embalagens

Órgão da Secretaria de Agricultura de SP, localizado em Campinas, destaca a disponibilidade dos EMUs para comunidade técnico-científica 

Redação
10-Mai-2021 17:12

Nove dos 84 equipamentos multiusuários (EMU) financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) em Campinas estão no Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado, para viabilizar projetos de PD&I na área de alimentos, bebidas, ingredientes e embalagem ligados ou não à instituição. Mediante seleção, o órgão de pesquisa disponibiliza o uso por profissionais ligados à pesquisa ou docentes e seus alunos de iniciação científica, graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado. 

Atualmente, o programa de EMU da Fapesp conta com 445 equipamentos distribuídos em 374 unidades de pesquisa, ensino e saúde situadas em 23 cidades paulistas. No Ital, os EMUs estão vinculados ao Plano de Desenvolvimento Institucional em Pesquisa (PDIP) e podem ser requisitados através do site da instituição, que está ligada à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta). Os selecionados se tornam corresponsáveis e devem colaborar com o custeio operacional durante o período de uso. 

“A autorização de uso externo depende do resumo do projeto de pesquisa apresentado, da justificativa da necessidade do equipamento, das informações sobre amostras e da definição das condições de análise”, ressalta Carla Léa Vianna Cruz, diretora do Centro de Tecnologia de Cereais e Chocolate (Cereal Chocotec), que possui três EMUs ativos. Com duas décadas de experiência em pesquisa e assistência tecnológica em aplicações de cereais em produtos de panificação e massas, a unidade técnica adquiriu os equipamentos para o Laboratório de Controle de Qualidade de Farinhas e Amidos com o objetivo de estudar a reologia de amidos, farinhas e derivados e avaliar a qualidade da massa formada. 

O alveógrafo Alveolab analisa características viscoelásticas como tenacidade, extensibilidade e elasticidade. Já o farinógrafo mede a resistência durante sucessivos estágios de formação da rede de glúten, trazendo informações importantes como parâmetros de absorção de água, tempo de desenvolvimento, estabilidade e índice de tolerância a mistura. Enquanto o extensógrafo atua de maneira complementar, medindo extensibilidade, resistência à extensão e energia necessária para ruptura dessas massas. 

O Centro de Ciência e Qualidade dos Alimentos (CCQA) conta com um EMU no Laboratório de Estudos de Voláteis na área de Análise Sensorial. Trata-se de um cromatógrafo a gás acoplado a um espectrômetro de massas triplo quadrupolo com olfatômetro, que permite a identificação química e a descrição sensorial dos compostos por avaliadores, simultaneamente. Além disso, o sistema GC-MSMS pode ser utilizado para avaliação de contaminantes orgânicos voláteis em baixíssimas concentrações (µg/kg) como furanos, ésteres de 3-MCPD e de glicidol e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos. 

Outra unidade técnica com EMU é o Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea), que possui sistemas para medição de taxa de permeabilidade ao vapor d’água (Permatran) e ao oxigênio (OX-Tran) para avaliar o desempenho de embalagens de forma a, respectivamente, evitar ganho ou perda de umidade conforme as características dos produtos acondicionados e definir a estabilidade e vida útil de alimentos e bebidas susceptíveis à oxidação. 

Mais três equipamentos multiusuários devem estar disponíveis para uso em breve. O temperímetro está em fase de instalação na Planta-Piloto de Chocolates e Produtos Derivados do Cereal Chocotec para medir o índice de temperagem de chocolates e similares. No CCQA, os pesquisadores logo contarão com um destilador molecular para fracionar misturas sensíveis com controle de temperatura e vácuo como vitaminas, pigmentos, terpenos e ésteres etc., etapa importante em estudos de aproveitamento de subprodutos e agregação de valor para a indústria de alimentos. Por fim, o Cetea disponibilizará um terceiro sistema, de controle de vibração para ensaios de simulação de transporte, com o objetivo de aprimorar a avaliação do desempenho de produtos e embalagens na etapa de distribuição.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade