Guia Gessulli
29-Jul-2020 11:15
Disponible en español
Investimento

Argentina promove memorando com a China em busca de investimentos para a produção de suínos

Pequim pediu às empresas suinícolas do país que invistam no exterior para fornecimento doméstico

A Argentina procura assinar um memorando de entendimento com a China nas próximas semanas para aumentar os investimentos potenciais da gigante asiática na produção local de suínos, disse uma autoridade do país do sul.

Diferentemente do reconhecido posicionamento global de carne bovina e grãos, como soja e milho, a Argentina não é um ator de destaque no mercado internacional de produtos suínos.

Mas em março, Pequim pediu às empresas suinícolas do país que invistam no exterior para fornecimento doméstico devido a perda de rebanhos na China devido à peste suína africana e, segundo a Associação Argentina de Produtores de Porcos (AAPP), há interesse na Argentina.

"Já concordamos com o conteúdo do memorando", disse à Reuters o subsecretário de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério das Relações Exteriores da Argentina, Pablo Sívori.

O funcionário disse que a Argentina propôs ao governo chinês a assinatura virtual do documento e que ele espera que seja finalizado nas próximas semanas.

Segundo Sívori, o memorando - resultado de um processo iniciado pelo setor privado - contempla a cooperação em aspectos de saúde, bem como marcos para investimentos em atividades e pesquisas científicas na Argentina.

Os Ministérios da Agricultura, Assuntos Rurais e Comércio da China não responderam aos faxes enviados pela Reuters em busca de comentários.

A China é um grande comprador de matéria-prima da Argentina. Segundo dados oficiais do país do sul, o país asiático comprou 75% das 845.000 toneladas de carne bovina e 87% dos 10,2 milhões de toneladas de soja exportadas da Argentina no ano passado.

O chefe da AAPP, Lisandro Culasso, disse que a câmara entrou em contato com a Associação Chinesa de Promoção e Desenvolvimento Industrial da China e que "o interesse chinês é", mas que a assinatura do memorando é uma condição para começar para falar sobre investimentos.

POTENCIAL
O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá, disse no início deste mês que, através de investimentos chineses, a Argentina poderia produzir 9 milhões de toneladas de carne suína. No ano passado, a Argentina produziu 630.000 toneladas de cortes de suínos, dos quais apenas 34.000 foram exportadas.

No entanto, Sívori explicou que, no âmbito de um projeto fitossanitário viável, o país só poderia gradualmente dobrar sua produtividade em quatro anos e com base na genética local.

Por sua parte, um executivo de uma empresa chinesa que investiu na produção animal no exterior disse que a Argentina é um lugar "bastante arriscado", dada a volatilidade do mercado local e as dificuldades logísticas.

Para produzir carne de porco destinada à China, “você precisa ter uma cadeia de produção mais extensa lá (na Argentina) e gerenciar frigoríficos que exigem muito trabalho no país. A ideia em si é capaz de deixar você louco ”, explicou a fonte, que não queria que sua identidade fosse revelada.

O anúncio do ministro das Relações Exteriores Solá gerou fortes críticas dos setores ambientais, que foram amplamente divulgados nas redes sociais nas últimas semanas.

"Aqui não há investimento, nem projeto que possa ser realizado se as medidas de produção ambiental e sanitária estabelecidas pelas autoridades argentinas não forem cumpridas", disse Sívori na conversa que teve por telefone com a Reuters.

Reuters
Deixe seu Recado