Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Abate

Arrancada de leitões na creche: a conta fecha?

Por: equipe técnica MS Schippers Brasil. Acesse o #msblog para ler mais artigos como este.

MS Schippers
06-Abr-2021 08:36 - Atualizado em 06/04/2021 08:48

Neste momento de alta da suinocultura os investimentos em infra-estrutura, construção de novos galpões, suplementação, entre outros, acabam sendo apressados para acompanhar o momento do mercado. Com um olhar que vai além das exportações e projeta ganhos no mercado interno, muitos produtores optam por iniciar ou retomar a suplementação de seus leitões nas fases de maternidade e creche. A dúvida que permanece, no entanto, é sobre o retorno de investimento dessa estratégia, especialmente em recuperação de leitões desmamados abaixo do peso. O que podemos afirmar em relação a isso é que a conta fecha sim, e muito, mas é preciso trabalhar da forma correta. Comentamos abaixo alguns pontos importantes sobre isso:  

GANHO DE PESO NAS PRIMEIRAS SEMANAS DE CRECHE E TEMPO PARA ATINGIR O PESO DE ABATE

Já é sabido que o ganho de peso nas primeiras semanas de creche faz toda a diferença no desempenho animal nas fases seguintes, portanto a suplementação com lácteos nesse período para atingir o máximo GPD (ganho de peso diário) possível, irá favorecer que na recria e terminação esse animal demore menos tempo para atingir o peso final de abate.  Isso significa que ele consumirá menos ração de terminação, igualando-se ao porte de seus companheiros de lote muito mais rápido do que leitões não suplementados. Um estudo de Tokach et al, em 1992 fez (já naquela época) uma análise entre diferentes GPDs na primeira semana após o desmame, e a performance subsequente desses animais. O resultado? Os leitões que obtiveram GPD acima de 227g nos primeiros 7 dias após o desmame atingiram seu peso de abate cerca de 10 dias mais cedo do que aqueles cujo GPD foi igual ou inferior a zero nessa primeira semana (ainda que o GPD tenha subido nas semanas seguintes). A famosa “arrancada” que se dá nos leitões na primeira semana de creche vai ver o seu retorno mesmo é na fase final, quando esse animal estiver convertendo melhor e poupando até 10 dias de investimentos em ração de terminação.  

QUALIDADE DO SUPLEMENTO LÁCTEO

Um outro fator de influência é a qualidade do produto utilizado na suplementação. A idéia de preparar o trato gastrointestinal dos leitões para a dieta sólida se mantém nesse período delicado de pré e pós desmame, e para que isso funcione bem os lácteos utilizados devem manter uma proporção balanceada de proteína vegetal, amido, e lactose. A biodisponibilidade desses nutrientes também terá papel fundamental na absorção pelo animal, e isso irá variar conforme a qualidade das matérias primas e do processo utilizado na produção do suplemento.

Acesse o blog da MS Schippers para ler mais posts sobre biosseguridade, qualidade da água de bebida, limpeza e desinfecção, e manejo de suínos. Trabalhar com higiene é a melhor forma de trazer mais resultados e lucros. 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade