Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Externo

Aumento dos custos de alimentos e produção afetaria os agricultores de Qro, no México

Os aumentos nos preços de insumos como o milho se refletem nas atividades produtivas do estado que geram proteína animal.

Redação com informações de El Economista
22-Abr-2021 08:51

O aumento do preço do milho desde o final do ano passado até o momento continua elevando os custos de produção agrícola da entidade, entre 30 e 35%, situação que se traduzirá inevitavelmente em aumentos de preços no mercado, alertaram produtores Queretanos.

Os aumentos nos preços de insumos como o milho impactam os custos das diversas atividades produtivas que geram proteína animal e que dependem desse produto, disse Alejandro Ugalde Tinoco, presidente da União Pecuária Regional de Querétaro (UGRQ).

O preço do milho subiu quase 44,4% entre setembro de 2020, quando era vendido a 4.500 a tonelada, em relação aos 6.500 em que é comercializado atualmente, segundo relatórios do sindicato.

“A principal matéria-prima para produzir qualquer tipo de proteína animal, seja leite, carne, ovo, nossa fonte ou matéria-prima é o milho (...) Quando o milho sobe tudo sobe, a soja também sobe, que é outra fonte de produção a proteína animal, mas a gasolina e a energia também aumentaram, todas impactando os custos de produção. Se os preços não aumentarem, a produção de qualquer tipo de proteína vai desaparecer ”, declarou Ugalde Tinoco.

O produtor afirmou que o Ministério da Economia (SE), das administrações anteriores, optou por influenciar em manter baixos os preços da cesta básica, em detrimento dos efeitos que isso gera sobre os produtores.

A diferença com as administrações anteriores, disse, é que antes eram implantados programas de apoio que amorteciam aumentos nos custos de produção, ao contrário do que ocorre com o atual governo, que reconfigurou sua política agrícola, dispensando incentivos como o programa de concorrência e preço de garantias.

“Não é exclusividade deste governo federal, o Ministério da Economia não se preocupa em levar o setor primário, a pecuária, entre os pés, para manter uma cesta básica com preços baixos”, disse o dirigente pecuário.

“Antes que nos mantivessem com preços baixos, mas detonaram programas de apoio, hoje esses programas desaparecem e querem que mantenhamos os preços baixos, porque basicamente é impossível”, disse.

Frango, porco, carne bovina e ovos estão entre os produtos que começaram a registrar reajustes de preços.

Diante desse cenário, destacou Alejandro Ugalde, um dos afetados será o consumidor final, que estaria absorvendo os aumentos nos preços dos produtos.

Alta demanda em território chinês

O presidente da UGRQ disse que a alta demanda por milho na China, depois de enfrentar problemas de saúde animal, pressiona as exigências mundiais e os preços desse insumo.

"Por que estamos vendo uma espiral inflacionária tão forte? Por que os preços dos grãos estão tão altos? E por que o SE não os parou hoje? Por não haver oferta, a China, que tinha problemas de saúde humana, também teve problemas de saúde animal e tem escassez e está carregada de fontes protéicas, por isso os preços aumentaram, mas isso significa que há escassez internacional de produtos da pecuária e é o que tem permitido que os preços subam e a SE não nos tenha impedido ”, disse.

O preço futuro do milho amarelo aumentou 78,6% entre abril de 2020 e o mesmo mês de 2021, devido às condições de estiagem que persistem na América do Sul e à alta demanda de exportação do milho americano; Já o preço do milho branco em nível nacional teve alta de 24,3% no mesmo período, analisa o Grupo de Consultoria em Mercados Agrícolas (GCMA).

Essa situação afeta o preço de vários produtos, incluindo o custo das tortilhas, que na capital do país subiu quase 7,8% no ano passado.

O custo da cesta básica urbana, de acordo com a evolução mensal do valor da linha de extrema pobreza por renda, apresenta aumentos constantes nos primeiros três meses do ano. Somente entre janeiro e março, esse valor aumentou 0,8%, passando de 1.679,69 pesos para 1.939,38; Só em março apresenta variação anual de 3,44%, detalha o Conselho Nacional de Avaliação da Política de Desenvolvimento Social (Coneval).

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade