Alltech SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Global

Bacon e frango não ficarão mais baratos tão cedo

Produtores em todo o mundo com mais de 40 bilhões de porcos, vacas, búfalos, ovelhas, cabras e aves enfrentam preços quase recordes para ração animal

Redação com informações de MoneyTimes e Reuters
23-Mai-2022 09:13

Produzir a carne do mundo raramente foi tão caro. 

Em East Yorkshire, Inglaterra, a suinocultora Kate Moore diz que a manutenção de seu rebanho de 32 mil animais se tornou extremamente difícil.

“É horrendo”, disse Moore, que agora registra uma perda de cerca de £60 (R$ 363,11) por animal por conta do alto custo de ração e cuidados. “Não há luz no fim do túnel no momento. A indústria suína britânica nunca mais será a mesma.”

Produtores em todo o mundo com mais de 40 bilhões de porcos, vacas, búfalos, ovelhas, cabras e aves enfrentam preços quase recordes para ração animal, à medida que os suprimentos de grãos e soja diminuem.

As contas dispararam para tudo, desde a eletricidade que mantém seus celeiros bem iluminados e aquecidos até os caminhoneiros que transportam seus animais para abatedouros.

Os custos das colheitas e da energia que aumentaram após a invasão russa na Ucrânia agravaram os problemas como secas que restringem pastagens e surtos de gripe aviária da América do Norte à Europa que dizimaram milhões de aves.

O índice de preços da carne da Organização para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas aumentou 10% desde o início do ano, atingindo um recorde em abril. Nos EUA, os preços do bacon, peito de frango e carne moída nunca estiveram tão altos.

A produção global de carne de frango, suína e bovina desacelerará para um avanço de 1,4% em 2022, contra 5,4% no ano passado, prevê o governo dos EUA .

“Muitas das pressões que estamos enfrentando, as pressões individuais em si não são realmente novas ou incomuns”, disse Justin Sherrard, estrategista global de proteína animal do Rabobank. “É a combinação de problema sobre problema.”

A invasão da Rússia desacelerou as exportações de grãos da Ucrânia, reduzindo a oferta de milho dos quais grandes produtores de suínos como Espanha e China dependem. Os futuros do milho em Chicago subiram 31% este ano. Em Paris, saltaram 55%.

A produção de carne suína na União Europeia, maior exportador mundial, cairá 3% este ano, a primeira queda desde 2019, estima o governo.

Na China, lar de metade dos suínos do mundo, as despesas recordes com ração levaram o número de porcas a cair por oito meses consecutivos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade