Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comércio

Baixo nível do rio Paraguai causa atrasos no transporte marítimo de grãos

Segundo a Reuters, o presidente dos Exportadores de Cereais e Oleaginosas do Paraguai, César Jure, garantiu que a situação é crítica e delicada

Redação com informações de Portal Portuario
02-Set-2021 12:16 - Atualizado em 02/09/2021 12:36

Os baixos níveis de água que estão sendo registrados no rio Paraguai fazem com que os graneleiros que trafegam pela hidrovia tenham que navegar carregados até a metade de sua capacidade, situação que resultou em atrasos no transporte de grãos e outros produtos.

Segundo a Reuters , o presidente dos Exportadores de Cereais e Oleaginosas do Paraguai, César Jure , garantiu que “a situação é crítica e delicada. Grande parte dos porões de carga permanecem sem uso, o que se traduz em um custo direto para o transporte dos produtos até o Río de la Plata (estuário da Argentina) ”.

Segundo especialistas, o fenômeno, iniciado há três anos, deve durar pelo menos até 2022, prejudicando o comércio. Diante desse cenário, Jure destacou que a situação obrigava os exportadores a buscar alternativas, como rotas terrestres para os portos do Brasil, para cumprir os contratos.

“No final do ano ainda teremos estoque de mercadorias para exportar, tanto para a indústria quanto para a soja. A nova safra terá que esperar em silos até que possamos liberar a antiga ”, disse Jure.

Por sua vez, o diretor do Centro de Armadores Fluviais e Marítimos do Paraguai, Juan Carlos Muñoz , comentou que a estiagem, provocada pela baixa pluviosidade, estava fazendo com que o tempo de viagem triplicasse.

“Todo o comércio está atrasado, tudo está atrasado. É um ano muito complicado, pois 96% do comércio exterior do Paraguai é feito pelo rio e isso tem um impacto muito importante na economia nacional ”, disse Muñoz.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade