AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comércio Exterior

Balança comercial registra novos recordes

As exportações no ano, por exemplo, chegaram a US$ 256,1 bilhões

Redação com informações de Sistema Ocepar
02-Dez-2021 09:29

A balança comercial brasileira registrou novos recordes e resultados históricos no mês de novembro e no acumulado do ano, segundo dados divulgados nessa quarta-feira (01/12) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. As exportações no ano, por exemplo, chegaram a US$ 256,1 bilhões – um recorde tanto para períodos de 11 meses quanto para anos fechados. O mesmo aconteceu com o saldo comercial, que chegou a US$ 57,2 bilhões, no maior superávit em 11 meses e em anos fechados. Já a corrente de comércio – soma das exportações e importações – foi a maior para o período de janeiro a novembro, com US$ 455 bilhões.

Último recorde

Segundo a Secex, o último recorde da exportação brasileira anual foi em 2011, com US$ 254 bilhões. “Já ultrapassamos esse valor com os resultados de janeiro a novembro”, destacou o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Herlon Brandão, em coletiva de imprensa. As importações, mesmo crescendo 39,7% no acumulado do ano, ficaram em US$ 198,91 bilhões e ainda estão abaixo dos valores máximos históricos – em 2013, chegaram a US$ 223 bilhões em 11 meses.

Novembro

Considerando apenas o mês de novembro, porém, as importações atingiram o recorde histórico de US$ 21,6 bilhões. Esse aquecimento foi puxado pelo aumento de 34,7% nos preços, já que o volume importado subiu apenas 4,5%. “Temos observado uma aceleração dos preços dos bens importados e um crescimento do valor importado concentrado em alguns segmentos, como combustíveis em geral, energia elétrica, adubos, fertilizantes e medicamentos”, comentou Brandão.

Demanda

Ele lembrou que, junto com a compra de vacinas contra a Covid-19, o Brasil precisa atender à demanda interna por energia, adubos e fertilizantes. “Temos uma perspectiva de uma safra crescente e adubos e fertilizantes são derivados de petróleo também. Então, com o aquecimento dos preços internacionais de petróleo, esses produtos também se encontram com os preços em alta”, explicou.

Segundo maior valor para o mês

Além do recorde das importações, novembro registrou o segundo maior valor das exportações para o mês, com US$ 20,30 bilhões, e da corrente de comércio, que somou US$ 41,90 bilhões. “Foi a segunda maior corrente de comércio da série histórica para o mês, atrás apenas da registrada em novembro de 2011, de US$ 43 bilhões”, informou o subsecretário da Secex.

Déficit 

Como o total das importações no mês ficou acima dos valores exportados, a balança fechou novembro com déficit de US$ 1,31 bilhão, no segundo saldo negativo do ano – o primeiro foi em janeiro, com US$ 206 milhões de déficit.

Exportações em alta

Nas exportações em novembro, o destaque foi o crescimento das vendas da Indústria de Transformação, que subiram 28,3% em dólares, resultado tanto do aumento nos volumes quanto dos preços. Os principais produtos exportados pelo setor no mês foram carnes de aves, veículos para transporte de mercadorias e celuloses. Também houve crescimento nas vendas de produtos siderúrgicos, incluindo ferro gusa, grânulos e pó de ferro ou aço e ferro-ligas, além de lingotes e outras formas primárias de ferro ou aço.

Volume menor mas receitas crescentes

Herlon Brandão salientou que, na Indústria Extrativa e na Agropecuária, o volume exportado diminuiu, mas as receitas continuaram crescentes graças ao aumento dos preços dos produtos. Assim, as exportações cresceram nos três setores. O aumento foi de 16,5% na Agropecuária, que somou US$ 3,01 bilhões; de 14,8% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 4,81 bilhões; e de 28,3% na Indústria de Transformação, com US$ 12,34 bilhões.

América do Norte

A América do Norte apresentou crescimento de 50,4% como destino das exportações brasileiras – não só para os Estados Unidos, mas também para Canadá e México. Para o Mercosul, as vendas subiram 24,7%, principalmente para a Argentina, com alta de 17%. Já para a União Europeia, houve crescimento de 19,8%, enquanto para a China as vendas subiram 8,8%.

Aumento de preços nas importações

Do lado da importação, o crescimento mais significativo no mês foi da Indústria Extrativa (+248,3%), com destaque para a compra de petróleo bruto e gás natural, que são combustíveis usados em usinas termelétricas. Também aumentaram as compras de produtos para Agropecuária (+61,8%), com destaque para o trigo, e para a Indústria de Transformação (+43,5%), puxada por medicamentos, adubos e fertilizantes.

Reflexo

A alta na Indústria Extrativa reflete o aumento de 92,3% dos preços na importação do setor, já que os volumes caíram 1,5%. “É mais combustível. O Brasil importa pouco produto mineral bruto”, observou o subsecretário, acrescentando que “as cotações internacionais de petróleo têm subido e o custo da aquisição desses bens tem crescido”. Também houve aumentos nos preços de itens comprados pela Indústria de Transformação (+30,2%) e pela Agropecuária (+34,7%).

Trajetória

“Isso ajuda a contextualizar a trajetória da média diária da importação”, pontuou Brandão, referindo-se ao aumento da média diária das importações, puxado pela alta dos preços dos bens importados, no segundo semestre. Desde julho, o índice de preços apresentou altas mensais acima de 15%, chegando a 34,7% em novembro – o maior crescimento mensal no ano.

Novo momento

São aumentos que refletem um novo momento da recuperação econômica no cenário nacional e global, segundo apontou o subsecretário. Ele frisou que já houve aumento da demanda por bens agrícolas e minerais, no primeiro momento da recuperação econômica mundial, e agora chegou a vez dos bens industrializados.

Acumulado do ano

Brandão notou ainda que, ao contrário do mês de novembro – em que preponderou o aumento dos preços para a alta das importações –, no acumulado do ano há um maior crescimento dos quantuns (volumes), que subiram 23,4%, sempre levando em conta a queda na demanda no ano passado devido à pandemia.

Bens intermediários

A maior parte das importações no ano é de bens intermediários, que representam 66,2% do total, com crescimento de 46,9% em relação a 2020. O maior crescimento, no entanto, foi de combustíveis e lubrificantes (+82,4%), que representam 11,6% das compras externas brasileiras. (Ministério da Economia)

Assuntos do Momento

Ano de 2022 inicia com preço do suíno em queda e custos em alta
20 de Janeiro de 2022
Análise de Mercado

Ano de 2022 inicia com preço do suíno em queda e custos em alta

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, explica que o final do ano de 2021 foi frustrante em relação aos preços pagos ao produtor, e reforçou que o crescimento acelerado da produção de suínos dos últimos anos está apresentando a conta para o setor

Suinocultores pedem socorro
19 de Janeiro de 2022
Comentário Suinícola

Suinocultores pedem socorro

Nesta semana tivemos mais uma baixa no preço pago ao produtor, movimentação que traz uma preocupação muito forte, pois ninguém mais sustenta uma atividade pagando caro para trabalhar

Disponible en español Disponible en español
Hong Kong relata surto de peste suína africana
19 de Janeiro de 2022
China

Hong Kong relata surto de peste suína africana

Notícia foi informada pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) nesta segunda-feira

20 de Janeiro de 2022
Mercado Interno

O preço do suíno vivo registra queda intensa neste mês

Motivo da queda foi a combinação de vendas lentas e oferta elevada de animais para abate

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Ministra Tereza Cristina defende medidas para contenção de PSA
18 de Janeiro de 2022
PSA

Ministra Tereza Cristina defende medidas para contenção de PSA

Foco da doença foi identificado na República Dominicana em novembro, mas Brasil não registra casos desde o fim da década de 1970

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade