Alltech SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Processamento de carne

Biodeterioração em carnes e produtos cárneos

Em condições ideais de refrigeração estima-se que apenas 10% dos microrganismos serão capazes de se desenvolver e potencializar algum início de deteriorações

Redação AI/SI
12-Jan-2022 08:53

As carnes in natura, assim como vários outros produtos cárneos, apresentarão perfis microbiológicos distintos em decorrência do tipo de processamento a que serão submetidos. De modo geral, a qualidade do produto final dependerá de uma somatória de etapas, desde a procedência e seleção da matéria-prima utilizada, até as condições de processo, armazenamento, distribuição, comercialização e cuidados tomados pelos consumidores na conservação e preparo.

O prazo de validade ou vida útil destes produtos pode ser compreendido pelo tempo entre a data de produção e o início de sua deterioração ou qualquer sintoma, ou grupo de sintomas, que evidencie principalmente uma atividade microbiana, como as alterações detectadas pelos nossos sentidos da visão, olfato, tato e paladar.

A vida útil está intimamente relacionada com a qualidade da matéria-prima e o seu armazenamento. Em condições ideais, a contagem inicial de mesófilos em carnes e produtos cárneos cozidos se encontra entre 102 a 103 unidade formadora de colônia (UFC) por cm2. Em condições ideais de refrigeração, por exemplo, estima-se que apenas 10% dos microrganismos serão capazes de se desenvolver e potencializar algum início de deteriorações.

Durante a estocagem, os fatores intrínsecos presentes nestes produtos como a composição química, a atividade de água, o pH, o potencial de óxido-redução ou a presença de agentes antimicrobianos, bem como os conhecidos fatores extrínsecos, como temperatura, umidade relativa e composição gasosa, podem atuar na seleção dos microrganismos e influenciar nas taxas de crescimento e atividades deterioradoras.

A composição química da carne, que podemos denominar de substrato, influencia a população de microrganismos e o padrão de deterioração. Após o abate e o estabelecimento do rigor post mortem, várias alterações bioquímicas ocorrem na composição do tecido muscular que afetam o desenvolvimento dos microrganismos. Inicialmente, estes utilizam substâncias de baixo peso molecular, sintetizadas durante a glicólise post mortem. A concentração de glicose residual, por exemplo, será um fator preponderante para determinar o início do processo de deterioração, bem como os tipos de microrganismos que se desenvolverão.

Em uma carne normal, a maior a parte do glicogênio será convertida em ácido lático, provocando uma queda de pH do músculo entre 5,5 e 5,8. Nas carnes denominadas de PSE (Pale, Soft, Exsudative), ocorrerá uma queda rápida e severa do pH quando o músculo ainda está em uma temperatura considerada alta.

Confirma a matéria completa no Anuário 2022 da revista Suinocultura Industrial

Assuntos do Momento

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil

Os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas
18 de Maio de 2022
Insumos

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas

A previsão é de que sejam enviados 11,483 milhões de toneladas de soja em grãos, ante as 10,615 milhões de toneladas projetadas na semana passada. 

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino
17 de Maio de 2022
Exportações

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino

Percentual de crescimento é um comparativo do período de janeiro abril de 2022 ao mesmo quadrimestre do ano passado

Mato Grosso tem perda irreversível de 4 milhões de toneladas de milho 2ª safra
19 de Maio de 2022
Grãos

Mato Grosso tem perda irreversível de 4 milhões de toneladas de milho 2ª safra

A safra do cereal foi estimada em 36 milhões de toneladas, informou a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso 

Exportadores dos EUA relatam vendas de 229,2 mil toneladas de soja para destinos não revelados
19 de Maio de 2022
Insumos

Exportadores dos EUA relatam vendas de 229,2 mil toneladas de soja para destinos não revelados

Do total, 10,2 mil toneladas de soja têm entrega no ano comercial 2021/22 e 219 mil toneladas para entrega no ano comercial 2022/23

ONU negocia retomar exportações de grãos da Ucrânia em meio à crise de alimentos
19 de Maio de 2022
Commodities

ONU negocia retomar exportações de grãos da Ucrânia em meio à crise de alimentos

“Estou esperançoso, mas ainda há um caminho a percorrer”, disse Guterres, que visitou Moscou e Kiev no final do mês passado

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade