Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Brasil deve fechar contas externas no azul após 14 anos, por conta do crescimento de commodities

Brasil se destaca na exportação de soja, milho, minério e petróleo

Redação com informações de Revista Oeste
19-Abr-2021 08:24

As contas externas do Brasil em 2021 devem voltar a fechar no azul após 14 anos. O motivo está no “boom” das commodities no mercado internacional. O peso destes produtos nas exportações brasileiras é crescente, passando de 53% do total embarcado em 2019 para 57% no ano passado.

Segundo o Banco Central, depois de um rombo de US$ 12,5 bilhões no ano passado – já considerado baixo para os padrões brasileiros – a estimativa é de saldo positivo de US$ 2 bilhões em 2021, o primeiro superávit desde 2007. O último resultado positivo foi em 2003 em outro boom global das commodities, quando o Brasil registrou superávits por cinco anos consecutivos.

Até o fim do ano passado, o banco previa um novo déficit de US$ 19 bilhões nas contas externas para 2021. Mas, com o aumento nos preços das commodities que o Brasil produz, a instituição refez os cálculos. O Brasil se destaca, por exemplo, na exportação de soja, milho, minério e petróleo.

A conta externas englobam todos os negócios do Brasil com o exterior. Com a estimativa de que as outras variáveis permaneçam praticamente estáveis, a grande diferença veio na projeção para a balança comercial em 2021, que passou de superávit de US$ 53 bilhões para US$ 70 bilhões.

Se o valor da balança comercial se confirmar, será o maior da história para o saldo comercial medido pelo BC. Pelas contas da instituição, somente as exportações devem alcançar US$ 256 bilhões este ano, superando o recorde de US$ 253,185 bilhões de 2011.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade