AveSui2021
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Assine a Revista Revista Digital Anuncie
Mercado

Brasil deve produzir até 8% mais carne suína em 2020; em 2021, será 3,5%

Até novembro, os embarques registram o recorde de 940,9 mil toneladas

Redação
09-Dez-2020 10:26 - Atualizado em 09/12/2020 12:19

As exportações brasileiras de carne suína devem chegar a 1,030 milhão de toneladas em 2020, de acordo com projeção da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), divulgada nesta quarta-feira (9). O montante é 37% maior que em 2019, quando o país embarcou 750 mil toneladas. A produção brasileira será de 4,3 milhões em 2020, avanço de 8% sobre 2019. Para o ano que vem, a ABPA projeta 4,4 milhões de toneladas.

Até novembro, os embarques registram o recorde de 940,9 mil toneladas, o que é 39,5% a mais do que no mesmo período de 2019 – com 674,2 mil toneladas. Em receitas, os 11 primeiros meses somaram US$ 2,079 bilhões – incremento de 47,1% sobre 2019. 

O forte ritmo das exportações deve se manter em 2021, aponta a ABPA. A projeção é de um aumento que varia entre 4,9% e 10% -- ou seja, entre 1,08 milhão e 1,1 milhão de toneladas embarcadas. 

No caso da disponibilidade para o mercado interno, a ABPA avalia que em 2020 tanto pode se manter no mesmo patamar – 3,220 milhões de toneladas – quanto crescer 2% -- chegando a 3,3 milhões de toneladas.

 

ABPA REFUTA DEPENDÊNCIA DA CHINA

A China comprou 50% de toda a carne suína brasileira exportada. Foram 468,57 mil toneladas em 2020 -- até novembro -- contra 217,8 mil toneladas no mesmo período de 2019. Um incremento de 115%. Apesar de concentrar esse volume, o presidente da ABPA, Ricardo Santin, aponta que a concentração das exportações para a China não são exclusivas do Brasil.

O Canadá, segundo dados levantados pela ABPA, levou à China 44% do seu volume embarcado. A União Europeia, por sua vez, concentrou 63% dos embarques da proteína ao gigante asiático. Já os Estados Unidos, enviou para a China 36% dos seus embarques de carne suína.

AveSui2021_dentro