AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
PSA

Brasil está atento para evitar entrada da peste suína africana

Cerca de 78% dos rebanhos suínos do mundo estão em condição endêmica ou de alto risco para a doença, de acordo com pesquisadores da Embrapa 

Redação com informações de Money Times
06-Dez-2021 09:37

O possível retorno da peste suína africana (PSA) ao Brasil pode causar um prejuízo de aproximadamente US$ 5,5 bilhões no primeiro ano, pesquisadora da Embrapa.

O dado foi calculado a partir do impacto econômico da introdução da PSA nos Estados Unidos, que estimou em  US$ 16,5 bilhões no primeiro ano de surto, e no número de matrizes suínas em ambos os países, explica Janice Zanella, virologista da área de suínos.

Em julho deste ano um alerta soou para a sanidade animal no Brasil, especialmente no setor da suinocultura.

A identificação de um foco da doença na República Dominicana fez com que autoridades, pesquisadores e produtores voltassem o foco novamente para essa doença que está erradicada no Brasil desde o fim da década de 1970.

As carnes brasileiras trazem aproximadamente US$ 15 bilhões de divisas para o Brasil, que exporta hoje 23% da carne suína produzida.

“Pela lei da oferta e procura, toda essa carne iria ’sobrar‘ e causar uma grande queda dos preços, levando a prejuízos para os produtores e desemprego tanto direto como indireto da cadeia da carne suína no Brasil”, aponta o pesquisador Luizinho Caron, também da área de virologia da Embrapa Suínos e Aves.

A PSA é uma doença viral que afeta apenas os suínos e é altamente contagiosa, não tem cura nem tratamento, causando elevada mortalidade no rebanho.

De acordo com os pesquisadores, atualmente cerca de 78% dos rebanhos suínos do mundo estão em condição endêmica ou de alto risco para a PSA.

E, ao surgir a doença na República Dominicana, estudos epidemiológicos foram feitos para determinar a extensão do surto e medidas para a contenção foram adotadas para eliminar os focos da doença, evitando a disseminação.

“Assim como o vírus chegou a essa ilha das Américas, também pode ter chegado a outros países. O importante neste momento é auxiliar os países com a infecção a eliminar a doença e melhorar as medidas de biosseguridade para evitar a entrada e eventuais pontos frágeis”, explica Caron.

É importante os países atingidos estarem preparados para reconhecer e diagnosticar a enfermidade com a maior rapidez possível, uma vez que é impossível ter medidas mitigatórias que garantam risco zero para a entrada da enfermidade.

Zanella complementa que, por isso, é necessário que se trabalhe em conjunto com a saúde animal dos países afetados para controlar e erradicar a doença.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade