Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Questionamento

Brasil pressiona UE na OMC sobre programa francês de incentivo à produção de soja

Ironicamente, questionamentos incluem a sustentabilidade da produção

 

Redação com informações valor
31-Mar-2021 11:00

O Brasil começou a pressionar a União Europeia na Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre como a França está ampliando a sua produção de soja. As questões são se o crescimento acontece de maneira ambientalmente sustentável e se os subsídios usados no programa são legais.

Essas questões, apresentadas pelo Brasil no Comitê de Agricultura da OMC, vão bem além da parte técnica e têm um componente político, diante das tensões nas relações entre Brasília e Paris envolvendo a proteção da Amazonia.

Recentemente, o presidente francês Emmanuel Macron voltou a vincular a produção brasileira de soja ao desmatamento no bioma. E confirmou estímulos à produção da commodity na França para não depender mais do Brasil nesse mercado.

Macron chegou a divulgar um vídeo nas redes sociais no qual afirma que “continuar a depender da soja brasileira seria endossar o desmatamento da Amazonia”. E que “não somos coerentes quando importamos” a soja produzida em ritmo acelerado a partir da floresta destruída.

O plano francês de “produzir a soja europeia ou [grãos] equivalentes” prosperou no governo de Macron, que tem uma tensa relação com o presidente Jair Bolsonaro.

Agora, o Brasil aproveitou a reunião periódica do Comitê de Agricultura para questionar a UE sobre a nova “estratégia nacional para proteínas vegetais” da França. O plano é aumentar em 40% a área total cultivada com proteínas vegetais no país até o fim de 2022, com custo inicial de 100 milhões de euros.

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade