AveSui2021
27-Jul-2020 10:45
Cooperativa

Castrolanda investe em bem-estar animal para gerar mais produtividade e desempenho

Nova estrutura da Unidade de Produção de Leitões (UPL II), em Piraí do Sul/PR, foi construída para atender todas as demandas que o mercado exige.

A suinocultura brasileira teve saldo positivo no ano de 2019. Para 2020, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) prevê alta de 2,4% do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do setor agropecuário. No caso da pecuária, principalmente na produção de suínos, com projeção de alta de 3,9%. Estas mudanças já foram sentidas em comparação ao mesmo período do ano anterior, com registro de alta nos preços da tonelada e no volume.

Estes aumentos também são relacionados à boa sanidade, foco com o bem-estar animal e a industrialização dentro das granjas no Brasil. Para a Castrolanda, estes procedimentos são uma realidade. A nova estrutura da Unidade de Produção de Leitões (UPL II), em Piraí do Sul/PR, foi construída para atender todas as demandas que o mercado exige.

Em pleno funcionamento desde setembro de 2019, a UPL II completou seu primeiro ciclo no final do mês de junho, período em que todos os leitões foram entregues aos produtores da Cooperativa. Segundo o Supervisor de Produção da Unidade, Jackson Pereira, a nova estrutura traz modernidade para todos os elos da cadeia. “Na UPL II são 6500 criadeiras e toda a unidade foi pensada a partir das normativas de bem-estar animal”, afirma.

No novo projeto o objetivo é atender todos os requisitos sem pecar na qualidade e produtividade. “Prezamos sempre pela qualidade do leitão entregue, que leva em conta a saúde, idade e peso. Precisamos de um controle bem grande em questões de higiene da instalação, vazio sanitário, vacinações dos leitões e criadeiras. É um elo entre manejo, sanidade e nutrição, os três devem estar equilibrados”, destaca o Supervisor de Produção da Unidade, Jackson Pereira.  

A tecnologia é uma aliada ao bem-estar animal. O Coordenador de Produção, Euler Kiefer, explica sobre os investimentos na UPL II. “A Cooperativa prioriza o bem-estar animal em primeiro lugar, com isso alcançamos maior qualidade da carcaça. Os animais que não passam pelo processo de estresse conseguem demonstrar um maior potencial zootécnico e como consequência um destaque em desempenho e qualidade”. Euler enfatiza que as principais melhorias foram com relação aos alojamentos de fêmeas prenhas em baias coletivas, climatização da barracões com telhas isotérmicas e cortinas automatizadas, utilização de pisos 100% vazados nas creches, além de alta disponibilidade de comedouros e bebedouros por animal.

“Estamos sempre atentos ao mercado e inovações, todos os equipamentos se destacam por tecnologias inovadoras, que atendam todas as necessidades de manejo e possuam retorno sobre o investimento. Tudo foi construído e pensado em benefício aos animais e ao retorno que a produção tem”, afirma o Coordenador.

A UPL I, em Castro/PR, é uma das granjas de suínos mais otimizadas do país, sendo reconhecida diversas vezes pelo seu trabalho. Em 2017 recebeu o 3º lugar na categoria granjas com mais de 3000 matrizes no prêmio ‘Melhores da Suinocultura – 9ª edição Agriness’.

“Buscamos sempre estar atentos as evoluções da cadeia, pois hoje a suinocultura é trabalhada com muito custo, então o que você conseguir economizar é sempre lucro. Procuramos manter as nossas marcas sem pecar na qualidade da produção. O maior impacto no custo, com certeza é a ração, chega a quase 70%, depois medicamento, com relação a sanidade e por último a mão de obra”, comenta Jackson.

 Para Euler, a tecnologia é uma questão diretamente relacionada a produtividade, desde os cochos, bebedouros e pisos, até a automação de cortinas. “Podemos exemplificar onde animais terminados oriundos de uma mesma origem possuem resultados divergentes na fase de terminação. Pode se observar uma variação de até 300 gramas na conversão alimentar, esses resultados estão atrelados a um bom manejo, assim como estrutura e equipamentos”, explica.

De dentro das granjas, os produtores também investem nestas mudanças para entregar produtos com mais qualidade. O suinocultor Armando Rabbers traz a perspectiva de investimentos e mudanças de processo.

“Prezamos sempre para o vazio sanitário o que nos ajuda no controle e evita muitos problemas com relação a sanidade. Procuramos sempre respeitar a lotação adequada para evitar o estresse desses animais, temos muito cuidado no carregamento e ao descarregar. Todos estes detalhes influenciam no produto, na qualidade da carne e na parte financeira da granja”, confirma o produtor. 

Redação SI
Deixe seu Recado