Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado

China aumenta importação de soja em 2021 com recuperação de rebanho suíno

O gasto com soja do país aisático que tem o Brasil como maior fornecedor do grão foi 44,2% maior nos cinco primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado

Redação com informações de Exame
16-Jun-2021 09:16 - Atualizado em 16/06/2021 10:09

A China, país que mais importa soja no mundo e tem o Brasil como maior fornecedor, aumentou significativamente a compra da commodity nos primeiros cinco meses do ano. O gasto do país aisático com soja durante os cinco meses foi 44,2% maior em relação ao mesmo período do ano passado, e resultou em um aporte total de 19,35 bilhões de dólares, mostraram dados da Administração Geral das Alfândegas divulgados na semana passada.

A alta, que resultou numa compra total de 38,23 milhões de toneladas de soja de janeiro a maio, ocorreu com a recuperação do rebanho suíno chinês, que havia sido devastado pela peste suína africana.

No cinco primeiros meses do ano, o país asiático importou 12,8% a mais do que no mesmo período do ano passado

Em maio, a China registrou aumento das importações de soja em relação a abril deste ano por conta dos atrasos, no mês anterior, de embarques vindos do Brasil. O crescimento foi de 29% em relação aos 7,45 milhões de toneladas importadas em abril. Também houve aumento em relação a maio de 2020, quando o país havia importado 9,38 milhões de toneladas.

“Os números ficaram dentro das expectativas do mercado. As importações de maio a julho são normalmente altas. Houve também alguns atrasos nas cargas ”, afirmou o analista da Sinolink Futures Wang Xiaoyang.

Processadores chineses de soja aumentaram as compras de grãos do Brasil antecipando a forte demanda do setor de suínos, com a rápida recuperação, mas o regime de chuvas no Brasil atrasaram a colheita e exportações da oleaginosa. Os carregamentos atrasados começaram a chegar à China em grande volume a partir de abril, mas o impacto das chuvas ainda podia ser sentido.

Segundo analistas, nos próximos dois meses a importação de soja pode passar de 10 milhões de toneladas, somando-se a um suprimento já sólido de grãos.

No entanto, o apetite por ração do setor de suínos pode ser moderado no curto prazo, já que um grande volume de suínos pesados é enviado ao mercado, disse o China Construction Bank Futures em uma nota na semana passada.

A queda nos preços dos suínos e o aumento dos custos da ração também devem impedir alguns agricultores de reabastecer seu rebanho, embora a demanda por farinha de soja deva ser saudável a longo prazo, já que o rebanho da China se recupera de um devastador surto de peste suína africana.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade