Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Externo

China corta importação de carne suína e deixa o setor na corda bamba

48% das exportações da Espanha, 1,4 milhão de toneladas dos 2,9 milhões de toneladas totais, vão para o país asiático

Redação com informações de El Pais
05-Jul-2021 16:20 - Atualizado em 06/07/2021 09:52

O setor de suínos está enfrentando uma situação grave devido à decisão das autoridades chinesas de desacelerar ou, em alguns casos, interromper as importações de suínos. Este movimento já provocou uma descida dos preços em Espanha, que atingiram o seu máximo histórico de 1,60 euros por quilo vivo. Também leva os produtores a um novo cenário de temores e incertezas pela possibilidade de uma forte queda nas vendas para o país asiático.

A China se consolidou como o primeiro destino das exportações espanholas de carne suína . As vendas, já expressivas em anos anteriores, dispararam desde 2019 em função da peste suína que dizimou fazendas no país asiático com o sacrifício de milhões de animais e fechamento massivo de fazendas. Com isso, a China passou a importar 1,4 milhão de toneladas de carnes e subprodutos da Espanha, com um aumento no último ano de 109%, o que representa um faturamento de mais de 3.000 milhões de euros, 117% a mais.

Com esses números, a China representa cerca de 48% das exportações espanholas de carne suína. A Espanha, no total, em 2020 exportou 2,13 milhões de toneladas de carne com um aumento de 23,9%. Soma-se a isso mais de 700.000 toneladas de miudezas e outros produtos de até 2,9 milhões de toneladas.

O grande salto da Espanha nesse mercado foi passar da exportação basicamente de miudezas e subprodutos para carnes de maior valor agregado. Em valor, as vendas totais de carne suína ao exterior ascenderam a 5.621 milhões de euros, mais 851 milhões pela venda de diferentes miudezas ou subprodutos, em comparação com as exportações totais de carne de 8.680 milhões.

Dúvidas sobre os motivos do bloqueio

A organização setorial dominante, Anprogapor, não vê uma origem clara para esta nova situação dada a baixa transparência das autoridades chinesas. Nesse contexto, três possibilidades são consideradas: uma, que a recuperação do rebanho suíno seja verdadeira até que esteja novamente em torno de 400 milhões de animais, número semelhante ao existente antes da crise de 2018, portanto, não é mais necessário a maior parte do importações. A grande demanda chinesa por matéria-prima nos mercados para seu rebanho bovino sustentaria essa possibilidade .

A segunda possibilidade é que haja novos surtos de peste suína, já que muitos produtores optaram pelo abate antes de sua entrada em suas propriedades, o que significaria um aumento da oferta. Ou, terceira possibilidade, que seja um simples movimento especulativo das operadoras que dominam o mercado para baixar os preços.

A Interporc interprofissional espera que esta seja uma situação temporária e confia que a China continuará a ser um importante comprador, embora reconheça que existe uma maior concorrência com outros grandes países produtores. Além disso, o previsível crescimento populacional após as medidas adotadas em termos de natalidade pelo gigante asiático pode ser positivo para o futuro. Para o interprofissional, o novo desafio é aumentar a venda de produtos industrializados, principalmente presunto.

Motor do meio rural

O suíno de jaleco branco é um sistema de produção baseado na integração vertical. Este modelo pressupõe a existência de grupos industriais que fornecem animais, rações, produtos e cuidados zoossanitários a alguns agricultores que colocam as suas instalações e trabalhos para a criação de porcos em troca de uma compensação financeira. Hoje constitui um dos eixos da atividade pecuária em Espanha com pouco mais de 80.000 explorações agrícolas e um valor de produção na origem de cerca de 8.500 milhões de euros, o que representa mais de 43% da produção pecuária final. Seu peso no território rural é fundamental pelo emprego que gera (cerca de 500.000 pessoas diretamente mais o que transporta em trabalhadores indiretos) na fabricação de rações e na atividade de cerca de 2.000 indústrias de carne ligadas à suinocultura.

Depois de sofrer a grave situação de crise dos anos oitenta, a evolução do setor tem acompanhado um crescimento constante. Isso ocorreu em paralelo com a redução da agricultura familiar, que passou de mais de 300.000 para os atuais 80.000 com grandes propriedades contra as quais se desenvolveram alguns movimentos de rejeição nas áreas rurais por questões ambientais. A produção passou de 1,8 milhões de toneladas em 1990 para 2,9 milhões em 2000, passando daí para 3,4 milhões de toneladas em 2010, atingindo assim mais de cinco milhões de toneladas em 2020. Isto coloca a Espanha como o segundo maior país produtor da UE, aos níveis de Alemanha, e inclui-a no grupo dos principais países produtores do mundo onde também estão presentes os Estados Unidos ou a China.

A exportação tem sido uma das chaves para o crescimento do setor, primeiro para outros países da UE como França, Itália e Portugal, mas também para outros grandes produtores como a Alemanha ou a Dinamarca, a que se juntaram terceiros países, especialmente a China. Atualmente, o setor tenta abrir outros mercados na América do Sul. Também no México, onde se choca com as posições dominantes dos Estados Unidos e Canadá.

Assuntos do Momento

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas
21 de Setembro de 2021
Ocorrência Sanitária

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas

A ocorrência foi confirmada ontem (20/09) pela OIE; é o segundo caso da enfermidade na América Latina, o que acende um alerta ainda maior em toda a suinocultura da região

Preço do suíno vivo sobe em vários estados
20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do suíno vivo sobe em vários estados

Após um começo de mês nada animador para o segmento, a última semana registrou novos aumentos em várias praças. Valor poderia ser maior, mas baixo poder aquisitivo da população segue impedindo.

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo
16 de Setembro de 2021
Custos

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo

Quadro afeta especialmente os produtores independentes, que têm menos poder de fogo nas negociações de grãos para ração

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

20 de Setembro de 2021
EUA

Nos EUA, deputados democratas pedem recursos para prevenir peste suína africana

Grupo de deputados pediu US$ 75 milhões em recursos para que autoridades de saúde animal previnam e se preparem para um possível surto de PSA no país

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos
17 de Setembro de 2021
Mercado

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos

Levantamento do Cepea mostra que, na média deste mês (até o dia 15), a diferença entre a carcaça especial suína, também comercializada na Grande São Paulo, e o frango inteiro é de apenas 1,19 Reais/kg

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade