Guia Gessulli
12-Fev-2020 11:15 - Atualizado em 12/02/2020 12:29
Disponible en español
Biosseguridade

Colômbia apresentou avanços no plano contra a entrada da PSA

O trabalho interinstitucional entre a ICA,  Porkcolombia, Invima e a Polfa na fronteira foi crucial para manter o país livre da peste suína africana

Por meio de trabalho articulado ao setor suíno colombiano, o Instituto Colombiano Agropecuário (ICA) vem realizando ações conjuntas com a Invima e a Polícia Fiscal e Aduaneira para manter a saúde do território nacional e impedir a entrada de animais e/ou produtos contaminados com Peste suína africana (PSA) no país.

 Antes dos representantes da Porkcolombia, o Instituto apresentou o andamento do plano de contingência que foi ativado em 18 de dezembro, no Norte de Santander, para minimizar o risco de contrabando de carne de porco da República da Venezuela.

"Temos fortalecido o trabalho articulado com o setor privado e outras autoridades nacionais e regionais para proteger a Colômbia da PPP, uma doença que em outros países do mundo causou prejuízos econômicos devido à sua divulgação", disse Deyanira Barrero León, gerente geral da ACI. .

Na reunião, a entidade destacou o fortalecimento dos postos de controle que fazem parte da zona de vigilância, bem como o fortalecimento de visitas a propriedades de alto risco, localizadas no departamento Norte-Santander. Além disso, destacou o trabalho que o Instituto vem realizando nessa área do país, por meio do Centro Integrado ICA, INVIMA, POLFA / DIAN (CIIIP), para impedir a entrada ilegal de produtos à base de carne.

“De 18 de dezembro de 2019 a 26 de janeiro deste ano, no Norte de Santander, foram apreendidos 413 kg de produtos correspondentes a carne de porco, costeleta ou porco da Venezuela. Desses, quatro produtos apreendidos foram amostrados e nove estabelecimentos comerciais na região metropolitana de Cúcuta foram monitorados, nos quais o DNA do vírus não foi detectado ”, disse o vice-gerente de proteção de fronteiras, Diego Rojas Morea .

Entre as ações desenvolvidas pela entidade, para impedir a comercialização de produtos à base de carne de origem duvidosa, há também o aumento dos controles na passagem de fronteira com a Venezuela e o aumento dos controles nos estabelecimentos comerciais de produtos e subprodutos da espécie suínos no Norte de Santander, este último avançado pelo Ministério da Saúde, ICA e Invima.

O Instituto também está implementando uma estratégia de comunicação sobre os riscos da PSA, que está sendo disseminada nos portos, aeroportos e postos de fronteira do país, além de oficinas de educomunicação, supervisão e controle sobre o manuseio de resíduos de vôos. internacional, após a presença da doença ser conhecida em outros países do mundo.

A autoridade de saúde continuará a tomar ações conjuntas com líderes sindicais, produtores agrícolas e autoridades nacionais para manter a saúde e a segurança da produção nacional de suínos.

Redação SI
Deixe seu Recado