Guia Gessulli
13-Fev-2020 08:58 - Atualizado em 13/02/2020 09:19
Disponible en español
Sanidade

Colômbia estabelece medidas sanitárias em portos, aeroportos e etapas de controle de fronteiras

Através da Resolução nº 060469, de 17 de janeiro de 2020, o Instituto Agrícola da Colômbia, ACI, estabeleceu medidas sanitárias para impedir a entrada e a propagação da Peste Suína Africana, PPA, na Colômbia

om o objetivo de evitar o risco de entrada e disseminação da Peste Suína Africana, PPA, para o país, o Instituto Agrícola da Colômbia, ICA, resolveu, através da Resolução nº 060469, de 17 de janeiro de 2020, implementar medidas de prevenção sanitária em portos, aeroportos e etapas de controle de fronteiras.

Essas disposições foram estabelecidas pelo Instituto para impedir as pessoas, na condição de viajantes, passageiros ou tripulação, de não entrar na Colômbia produtos de origem animal para consumo humano de suínos, impedindo o risco de entrada e disseminação do CAE.
Entre as medidas de precaução para manter o estado de saúde como um país livre desta doença estão:

  • Produtos à base de carne e produtos à base de carne de porco para consumo humano entraram na Colômbia como bagagem de viajantes que chegam diretamente ou em escala de países que notificaram o PPA, ou por correio internacional, devem ser retidos e confiscados pela ACI em portos, aeroportos ou passagens de fronteira.
  • Os passageiros internacionais que entrarem na Colômbia em voos diretos ou de escala, bem como em navios da Ásia, África e Europa, estarão sujeitos a verificação e controle rigoroso da bagagem acompanhada.
  • Os operadores aeroportuários internacionais, bem como as empresas portuárias no território nacional, devem garantir que os alimentos e outros itens considerados resíduos ou lixo resultantes de viagens internacionais tenham um gerenciamento final de coleta e descarte que garanta a destruição de o mesmo.


“Manter o estado de saúde do país livre de APP é de responsabilidade de todos. É por isso que é necessário que os viajantes cumpram as disposições da ACI em portos, aeroportos e passagens de fronteira, porque enquanto o status não for restaurado nos países onde ocorreram surtos desta doença, as condições sanitárias definidas pela ACI, contemplado na presente resolução ”, explicou o vice-gerente de proteção de fronteiras, Diego Rojas Morea.

O descumprimento de qualquer das disposições estabelecidas pela ACI será sancionado de acordo com o disposto nos artigos 156 e 157 da Lei 1955 de 2019, ou com a que a substitua, sem prejuízo das ações civis ou criminais que possam ocorrer.

"Com essas ações, a ACI continua a aplicar, desenvolver e controlar a conformidade com os regulamentos emitidos como medidas de prevenção, controle e manejo para doenças oficialmente controladas que afetam a saúde de animais e pessoas", disse Francisco Osorio. , diretor técnico da quarentena.

Redação
Deixe seu Recado