Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Nutrição

Com custo de alimentação dos animais cada vez mais alto, preço da carne pode aumentar

Alimentar animais está a ficar cada vez mais caro e a subida dos custos pode refletir-se no valor final para o consumidor

Redação com informações de Bloomberg e Executive Digest
29-Abr-2021 16:21 - Atualizado em 29/04/2021 16:58

Segundo a agência Bloomberg, o indicador dos preços dos grãos atingiu o valor mais alto dos últimos oito anos, aumentando por consequência o custo da alimentação dos animais e antevendo que os preços da carne possam vir também a subir.

À medida que os preços dos grãos sobem, uma das maiores produtoras de frango dos Estados Unidos, a Perdue Farms Inc., deu um raro passo em frente, de comprar soja ao rival Brasil, à medida que as reservas do país diminuem. Também a maior produtora de aves do Brasil, a BRF SA, foi comprar o milho à vizinha Argentina, enquanto fabricantes de ração da China e dos Estados Unidos estão a optar por comprar trigo para alimentar os animais e, assim, cortar custos.

Estratégias das principais empresas de alimentos do mundo que demonstram o quão apertado o mercado global se tornou.

“As indústrias de carne e frango ainda têm boas margens, então os preços mais altos ainda não lhes cortou a alimentação”, disse à Bloomberg Brian Williams, vice-presidente do Macquarie Group Ltd., confirmando, no entanto, que “os preços do milho subiram o suficiente para que, em algumas partes dos EUA, o trigo esteja já a ser negociado”.

O trigo, apesar de ser usado no fabrico de pão para os humanos, por exemplo, traz alguns riscos para os animais: não deve ser usado com o gado mais jovem, a cor da pele do frango pode mudar e as vacas podem inchar se comerem em excesso. Investigadores da Universidade de Dakota do Norte, nos EUA, recomendam que o trigo represente, no máximo, 15% da dieta de um animal quando é introduzido.

Certo é que, à medida que os produtores lidam com a escassez de grãos para servir de ração para os animais e com o aumento do preço do milho, o trigo tende a ser cada vez introduzido na dieta dos animais, principalmente face a uma eventual seca no verão.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade