Agroceres Multimix
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie

Com marca, Brasil pode multiplicar exportações

Ass. Imprensa ABMR
12-Mar-2002 10:46 - Atualizado em 20/04/2016 14:35
Da Redação 12/03/2002 - Animada com os avanços das exportações brasileiras em setores não tradicionais, a diretora da Agência de Promoção e Exportação (APEX), Dorothéa Werneck, disse durante sua palestra no VII Congresso Brasileiro de Marketing Rural promovido pela Associação Brasileira de Marketing Rural, nesta segunda-feira (11/03) em São Paulo,que o Brasil pode multiplicar o volume exportado se souber diversificar os mercados e desenvolver as marcas dos produtos nacionais, seja através da marca do País, do produto ou do setor, de modo a potencializar os investimentos com benefícios a todos os envolvidos.

Atualmente, a APEX conta com 130 projetos em execução que resultaram, em 2001, no crescimento de 13,8% das exportações. O destaque, segundo a ex-ministra da Indústria e Comércio ficou com o segmento da carne suína que ampliou as vendas externas em 108% para países como China, Índia e países árabes e africanos. "Quanto maior a diversificação, menor o risco", alertou.

Em sua exposição aos 300 participantes do Congresso, Dorothéa Werneck mostrou algumas marcas nacionais e seus respectivos programas estaduais já desenvolvidos tais como o Brazilian Beef e South Brazilian Beef, o Brazilian Chicken, Brazilian Leather, South Brazilian Fruits, Taste of Brazil, Flora Brasilis e Cafés do Brasil. A seu ver, é necessário analisar a questão dentro da cadeia produtiva para que a APEX, que funciona dentro da estrutura do Sebrae, com recursos subsidiados, possa atuar na preparação da empresa/setor para exportar, adequando o produto, sua embalagem e design, promovendo as vendas e prospectando mercados.

Antecedendo a ex-ministra, o vice-presidente do Conselho da Associação de Cafeicultores da Região do Cerrado (Caccer), Aguinaldo José de Lima, falou sobre como diferenciar commodities e criar marcas reconhecidas e valorizadas. O consultor científico da Illy Café, Aldir Teixeira, entende que para deixar de ser commoditie é necessário eliminar o elevado grau de defeitos do café do Brasil que é de 700 defeitos por 300 gramas. Apesar disso, é o maior produtor e o maior exportador mundial. Nesse contexto, o Illy Café, com a introdução de padrões de qualidade, conseguiu reduzir para apenas 12 o número de defeitos por 300 gramas, o que garantiu a presença da marca em 75 países.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade