Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Expansão

Com novos cálculos, Frimesa faz ajuste em plano de expansão

O plano de expansão considera um cenário de consumo até 2030.

Redação com informações de Valor
09-Jun-2021 09:30 - Atualizado em 09/06/2021 10:31

A paranaense Frimesa já trabalhava nas obras de sua nova unidade de abate de suínos, em Assis Chateaubriand, joia da coroa de um plano de expansão desengavetado em 2020, quando a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) passou a considerar o Paraná área livre de febre aftosa sem vacinação. A mudança do status sanitário do Estado, anunciada em maio, cria novos horizontes para a empresa no exterior - e a fábrica, planejada para atender principalmente o mercado interno, abre a possibilidade de a Frimesa buscar também acessar mercados que correspondem por cerca de 65% das compras de carnes no mundo.

“Essa notícia dá ainda mais segurança ao nosso projeto”, afirma Elias José Zydek, diretor executivo da companhia, que no ano passado faturou R$ 4,3 bilhões. O plano de expansão, que inclui a construção da nova unidade, nasceu em 2015, ficou pronto em 2018, mas só foi posto em ação em meados de 2020, quando a empresa identificou que a demanda firme por proteína animal nos mercados interno e externo justificaria o movimento, conta o executivo.

O plano de expansão considera um cenário de consumo até 2030. Desde que o projeto foi revelado, no ano passado, a empresa refez as contas sobre os desembolsos, antes orçados em R$ 750 milhões. Com os novos cálculos, que consideram aumento dos custos com itens de construção civil e equipamentos, o aporte passou a ser de R$ 840 milhões. Segundo Zydek, a empresa já fez metade dos investimentos.

Crescimento no abate

A mudança da previsão de despesas não exigiu alteração no cronograma do projeto, com o início das operações previsto para janeiro de 2023 e abate inicial diário de 3,8 mil cabeças de suínos. Em dois anos, a ideia é alcançar 7,5 mil cabeças, até que, em 2030, se os ventos seguirem favoráveis, esse número chegue a 15 mil cabeças diárias.

Considerado o potencial atual, de 8,5 mil cabeças, abatidas nas unidades de Marechal Cândido Rondon e Medianeira, a Frimesa quer chegar ao fim da década abatendo 23 mil animais por dia. Com essa meta, a companhia planeja dobrar sua participação no mercado interno, que é hoje de 6,5%. BRF, Seara e Aurora são as líderes no país.

Com o novo status sanitário - a aftosa é gerada e transmitida por bovinos, mas os suínos também são afetados -, os paranaenses poderão buscar espaço em mercados como Japão, Coreia do Sul, Filipinas, Chile e México, que hoje exigem que os fornecedores sejam de área sem vacinação. Atualmente, a Frimesa, que exporta 20% da produção, tem clientes em Hong Kong, Uruguai, Argentina, África, para citar alguns países.

O reconhecimento da OIE não significa abertura imediata de novos mercados e ainda há exigências burocráticas a serem cumpridas, inicialmente por parte do governo brasileiro, lembra Zydek, mas a Frimesa já contratou um representante no Japão para identificar oportunidades. Para a Coreia do Sul, a companhia já exporta outros itens, como queijos. “O Brasil produz para atender os critérios do mercado global”, diz o executivo. “Temos genética e nutrição. Agora, será preciso ajustar acabamentos de produtos”.

Em Santa Catarina, Estado reconhecido como área livre de aftosa sem vacinação em 2007, representantes locais afirmam que conquistar alguns mercados chegou a levar cinco anos. No caso dos mais exigentes, como o Japão, o esforço compensa. Os japoneses pagam até 50% a mais pelo quilo da carne suína, segundo a Associação de Criadores de Suínos de Santa Catarina.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade