Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Atlas

Consumo mundial de biocombustíveis aumentará até 8% esse ano após um 2020 fraco

O IICA lançou o “Atlas dos biocombustíveis líquidos 2020-2021”, uma ferramenta informativa precisa, confiável e detalhada sobre as principais variáveis em termos de biocombustíveis.

Redação
16-Set-2021 13:17 - Atualizado em 16/09/2021 13:29

Os biocombustíveis líquidos se tornaram uma importante ferramenta para a descarbonização do transporte terrestre e é o setor agropecuário o que aporta as matérias-primas fundamentais para industrializar e produzir esses combustíveis biológicos mais ecológicos.

A produção e o consumo de biocombustíveis líquidos — estabelecidos como uma opção de transição energética limpa — diminuiu de forma significativa em 2020, devido às restrições de mobilidade e à queda da atividade econômica.

No entanto, os dados sobre o primeiro semestre de 2021 mostram uma recuperação relevante depois que, entre 2000 e 2019, a produção e o consumo de biocombustíveis líquidos se multiplicou por 11.

De acordo com o “Atlas dos biocombustíveis líquidos 2020-2021”, recentemente publicado pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), em 2020 as matérias-primas mais utilizadas na produção de biodiesel foram os óleos vegetais, entre os quais se destacam o de palma (32%), o de soja (26%) e o de canola (15%).

Os 27% restantes correspondem a outras matérias-primas, como os óleos vegetais usados, gorduras animais e outros óleos vegetais virgens, como o de girassol. Igualmente, o milho e a cana-de-açúcar foram as matérias-primas mais utilizadas na produção de bioetanol, com uma participação de 63% e 30%, respectivamente.

Assim, o biodiesel é produzido a partir de matérias-primas biológicas para substituir o diesel fóssil; e o bioetanol para substituir gasolinas originadas a partir de petróleo.

Neste ano, a diminuição das restrições de mobilidade veicular, em comparação com 2020, permitiram que o consumo de biocombustíveis líquidos, no nível agregado, decolasse, com resultados positivos na União Europeia, nos Estados Unidos, na Indonésia, na Índia e na Argentina.

Dessa maneira, diversos cenários projetam um aumento do consumo mundial na ordem de 5% a 8% ao ano em 2021, em comparação com 2020.

O crescente consumo de biocombustíveis foi impulsionado pela formulação de políticas públicas que autorizam e, em muitos casos, promovem o seu uso.

Neste sentido, um dos instrumentos mais utilizados pelos países é a reserva de cotas de mercado, denominada “mandatos de uso de biocombustíveis”.

Em 2020, 65 países estabeleceram mandatos com diversos graus de rigidez e cumprimento. Além disso, Estados subnacionais aplicam essa classe de instrumentos, segundo seu grau de descentralização.
As Américas têm uma participação destacada tanto na produção como no consumo e no estabelecimento de “mandatos de uso de biocombustíveis”, especialmente na região sul e norte do continente.

De acordo com o especialista internacional em biocombustíveis do IICA, Agustín Torroba, o “Atlas dos biocombustíveis líquidos 2020-2021” é uma importante ferramenta que permite que os técnicos governamentais e os decisores de políticas públicas disponham de informações precisas, confiáveis e detalhadas sobre as principais variáveis em termos de biocombustíveis. Isso lhes permite estar atualizados com as últimas tendências globais e ter informações completas para a articulação de estruturas normativas e a formulação de políticas públicas.

Além de seu uso no transporte terrestre, os biocombustíveis começaram a ser usados em outros setores, como a aviação. Neste sentido, em 2007, o biojet (biocombustível que substitui o combustível fóssil jet fuel) mostrou seus primeiros consumos regulares e, a partir de 2020, começou a ser significativamente utilizado, devido a uma nova capacidade instalada. Além disso, diversos países começaram a analisar e implementar mandatos de uso de biocombustíveis nesse segmento.

Os governos da Noruega e da Suécia promulgaram leis em apoio aos biocombustíveis sustentáveis na aviação, enquanto a França está discutindo um mandato a esse respeito para a sua introdução no curto prazo. Também em outros Estados membros da União Europeia (UE), inclusive na Alemanha, nos Países Baixos e na Espanha, o assunto tem sido debatido; nos Estados Unidos, várias iniciativas desse setor estão em andamento; e o Brasil já possui especificações de qualidade aprovadas.

Atualmente os biocombustíveis líquidos continuam a se consolidar como parte de uma transição mais limpa, no âmbito de um paradigma de mobilidade baseado na combustão interna.

Enquanto novos paradigmas de mobilidade (eletromobilidade, propulsão por hidrogênio etc.) começam a se desenvolver com um tempo de massificação considerável, os biocombustíveis constituem uma alternativa ambientalmente mais sustentável do que os combustíveis fósseis, sem grandes mudanças técnicas. Além disso, permitem agregar valor e diversificar a produção agropecuária, gerando emprego e impactos econômicos positivos nos produtores rurais.

Acesse a publicação do IICA “Atlas dos biocombustíveis líquidos 2020-2021”

 

Assuntos do Momento

19 de Outubro de 2021
Diversidade Cultural

Mais de 120 colaboradores da BRF carimbam o passaporte e atuam em diferentes países

Com experiência no exterior e apoio da Companhia, profissionais enriquecem currículo, compartilham conhecimentos e promovem a diversidade cultural

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos
22 de Outubro de 2021
Expansão

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos

Já a unidade de Lucas do Rio Verde (MT) obteve autorização para a venda de suínos e seus miúdos

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde
20 de Outubro de 2021
Investimento

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde

Estrutura foi ampliada e conta com os mais modernos equipamentos para garantir a qualidade da análise de produtos da Companhia 

22 de Outubro de 2021
Evento

BRF marca presença na Expo Dubai 2020

Companhia mantém importante atuação no mercado Halal com indústrias na região e exportação de produtos a partir de diversas unidades pelo Brasil

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo
19 de Outubro de 2021
Suspensão

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo

No início de setembro, o Brasil suspendeu os embarques da proteína ao país asiático depois da confirmação de casos da vaca louca

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne
20 de Outubro de 2021
Negociação

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne

Embaixador brasileiro diz que o governo acredita em progresso no reconhecimento pela China do status do Brasil como livre de febre aftosa e como um país de ‘risco insignificante’ para a doença da vaca louca

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade