19-Jun-2017 08:57
Empresa

De olho no aumento da demanda por Genética Líquida, Agroceres PIC inaugura nova UDG no Brasil

Instalada em Laranjeiras do Sul, um dos principais polos suinícola do Paraná, a nova unidade terá capacidade para produzir e processar 1,2 milhão de doses por ano. Para clientes e parceiros da empresa a nova unidade representa uma conquista tecnológica estratégica para a suinocultura brasileira

2017, releases empresas, fotos atualizadas ,
2017
A Agroceres PIC, líder do mercado de genética de suínos no Brasil e Argentina, inaugurou em 01 de Junho, em Laranjeiras do Sul/PR, sua nova Unidade de Disseminação de Genes (UDG). Cerca de 250 pessoas, entre clientes, parceiros, dirigentes de cooperativas e agroindústrias, profissionais do setor, e uma comitiva de produtores argentinos, participaram da solenidade. Várias autoridades locais também prestigiaram o evento. Entre elas, o prefeito de Laranjeiras do Sul, Berto Silva, o vice-prefeito e secretário municipal de Saúde, Valdemir Domingos e o secretário municipal da Fazenda, Neimar Hulse.

Resultado de um investimento de R$ 18 milhões, a UDG Laranjeiras do Sul é a maior e mais moderna unidade deste tipo em toda a América Latina. Com capacidade para alojamento de 800 machos de alto valor genético, a nova UDG da Agroceres PIC está apta a processar 100 mil doses inseminantes por mês, ou 1,2 milhão de doses por ano. “A UDG Laranjeiras do Sul é mais uma demonstração do compromisso do Grupo Agroceres com os quatro pilares de nossa proposta de valor: tecnologia e inovação, qualidade, atendimento e resultados”, afirma Marcelo Ribeiral, presidente do Grupo Agroceres.

A UDG Laranjeiras do Sul foi implantada para atender a demanda da rede de multiplicadores de material genético Agroceres PIC, de parceiros Multiplicadores de Rebanho Fechado (MRF) e ainda sistemas de produção comerciais instalados nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.  As primeiras doses de Genética Líquida da unidade paranaense devem chegar ao mercado no mês de setembro, como produto originado de reprodutores selecionados do topo da pirâmide de melhoramento genético, fazendo com que os melhores genes passem a ser disseminados com a máxima rapidez aos planteis de seus clientes.

“Quando desenvolveu e introduziu o conceito de Genética Líquida na suinocultura brasileira, há quatro anos, a Agroceres PIC foi mais uma vez revolucionária. Fixou novos paradigmas de disseminação genética de alto valor e também um novo padrão de eficiência reprodutiva para as granjas, iniciando uma nova era em tecnologia reprodutiva e em competitividade para o suinocultor brasileiro”, afirma Alexandre Furtado da Rosa, Diretor Superintendente da Agroceres PIC. “Com a inauguração da UDG Laranjeiras do Sul, que está alinhada ao que existe de mais evoluído no setor em nível global, a Agroceres PIC consolida a maior e mais avançada estrutura de Genética Líquida da América Latina. Um sistema total com capacidade para produzir acima de 3 milhões de doses suínas por ano e potencial para disseminar genes superiores para atender um plantel aproximado de meio milhão de matrizes tecnificadas em todo o Brasil, oferecendo a nossos clientes máxima atualização genética de seus planteis e máxima eficiência operacional na reprodução, auxiliando-os, inclusive, a promover uma importante racionalização de custos nessa área”, completa o executivo.

UDG Laranjeiras do Sul: uma conquista tecnológica para a suinocultura brasileira

Durante a solenidade de inauguração os participantes puderam conhecer in loco as instalações da nova UDG da Agroceres PIC. A experiência impressionou os visitantes. Para Rafael Acadrolli, proprietário da Suinocultura Acadrolli (Rodeio Bonito/RS), a inauguração da UDG de Fraiburgo representa uma conquista tecnológica estratégica para a suinocultura brasileira. “A inauguração dessa UDG da Agroceres PIC aqui no Paraná representa um ganho não só para a suinocultura do Sul do País, como brasileira. A produção de suínos vem crescendo muito no Brasil e é cada vez maior a necessidade de especialização”, comenta Acadrolli.

Segundo ele, há uma tendência crescente e irreversível de o produtor passar a comprar sêmen suíno de unidades altamente especializadas, as chamadas UDGs, em vez de produzi-las em centrais instaladas em sua própria propriedade. “Isso não acontece somente pelos ganhos genéticos, que são infinitamente maiores e mais rápidos, mas também por questões de segurança sanitária, qualidade do produto e redução de custos”, avalia. “Há quatro anos trabalhamos com Genética Líquida da Agroceres PIC. Temos uma Multiplicadora de 1150 avós e nessa granja só entra doses inseminantes. Com o uso dessa tecnologia temos observado uma evolução contínua de nossos índices zootécnicos no campo. Sou eu mesmo que faço esses fechamentos e o que vejo, mês a mês, é a evolução genética no ganho de peso, na conversão alimentar, que é o que realmente influencia na rentabilidade do negócio hoje, principalmente para o produtor independente”, afirma Acadrolli.

Já Ilmo Welter, Presidente da Primato (Toledo/PR), ressalta o caráter inovador do conceito de Genética Líquida e o papel da UDG Laranjeiras do Sul no fornecimento dessa tecnologia para os produtores brasileiros. “Esse novo empreendimento da Agroceres PIC é de extrema importância para a Primato. Contar com uma UDG altamente moderna como esta aqui no estado do Paraná nos permite incorporar ao plantel de suínos de nossa cooperativa o que há de mais avançado em melhoramento genético de reprodutores, o que no campo, confere maior eficiência e produtividade aos produtores de nossa integração”.

Revolucionando os padrões de eficiência produtiva

Seguindo a mesma linha, Mauro Sergio Souza, Gerente Pecuário da Cooperativa Frísia (Carambeí/PR), enfatiza a estrutura e o perfil tecnológico da nova UDG da Agroceres PIC. “É sempre muito importante contar com parceiros como a Agroceres PIC, focados em desenvolver novas tecnologias e investir em empreendimentos como esta UDG, que assegura aos nossos produtores acesso ao melhor material genético disponível. Desde que expandiu sua área de suínos, a Frísia resolveu aderir à Genética Líquida e a partir de então nossos parâmetros produtivos têm evoluído bastante”, comenta. “Estamos muito impressionados com o que encontramos aqui [UDG Laranjeiras do Sul], com o nível tecnológico empregado na unidade, com os padrões que a Agroceres PIC sempre adotou. Toda essa estrutura e tecnologia nos passa muita segurança”, completa. 

Já Emerson de Bastiani, Gerente de Suinocultura da Copacol (Cafelândia do Oeste/PR), destaca o empreendedorismo da Agroceres PIC em investir na ampliação de sua estrutura de produção e comercialização de Genética Líquida no Brasil. “A inauguração dessa nova UDG nos dá maior segurança no fornecimento do melhor material genético para que nossos suinocultores associados possam produzir com melhor desempenho e rentabilidade. Trata-se de uma unidade robusta, moderna e que vai permitir à Agroceres PIC continuar nos entregando o melhor produto genético disponível, melhorando ainda mais o serviço que já nos é prestado”, afirma.

Segundo Bastiani, o uso da Genética Líquida tem sido fundamental para potencializar os resultados produtivos da integração de suínos da Copacol. “A adoção dessa tecnologia representou um divisor de águas para nossa atividade suinícola. Com a Genética Líquida temos registrado um desempenho expressivo em vários índices zootécnicos e econômicos importantes, como conversão alimentar e ganho de peso. E acredito que ainda não chegamos ao teto. A Genética Líquida vai nos permitir ir muito além em termos de produtividade”, conclui.

 

Ascom
Deixe seu Recado
;