Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sanidade

Denúncias de alimentação com gomas doces em Caldas (Colômbia) por falta de comida para suínos

Os setores econômicos continuam convocando os organizadores da greve nacional para permitir corredores humanitários e suprimentos

Redação com informações de Semana.com
13-Mai-2021 17:33 - Atualizado em 27/05/2021 10:01

O efeito dos bloqueios de estradas nacionais também foi sentido na disponibilidade de insumos agrícolas em vários departamentos do país. Os sindicatos do setor indicaram que a produção de alguns alimentos básicos foi afetada, bem como sua distribuição.

Nesta segunda-feira, o representante da Câmara Juan Espinal divulgou um vídeo no qual se denuncia que uma suinocultura de Caldas estaria alimentando seus animais de engorda com gomas doces na falta de comida que vem, entre outras regiões, do Vale do Cauca.

“ Porcos em Caldas se alimentando de gomas Trululú pela falta de concentrado que vem do Vale. Não está tudo bem, senhores do desemprego, não é assim ”, disse Espinal por meio de sua conta no Twitter.

No vídeo dá para ver a forma como um dos operadores da fábrica de suínos está servindo comida para os porcos e, depois de focar no vídeo, dá para ver as gomas doces, conhecidas por suas cores azul e rosa e verde. Este evento estaria relacionado com a falta de insumos agrícolas, para além do facto de em Caldas existir uma das empresas que fabrica este tipo de doce.

Ainda nesta segunda-feira, uma das representantes do setor da suinocultura de Caldas, María Carolina Giraldo, denunciou perante a Assembleia Departamental a situação crítica que vivenciam desde o início da greve em 28 de abril, apontando que há um problema de bem-estar animal no região e segurança alimentar.

“Não podemos levar comida para nossos porcos, estamos bloqueados. As fazendas de Caldas são abastecidas com plantas de Cartago (Valle) e Risaralda. As fábricas de Cartago foram fechadas na sexta-feira devido a ameaças. Eles têm matéria-prima, não muita, mas tiveram que parar a produção e distribuição por causa dos bloqueios. Os suinocultores de Caldas não têm onde estocar alimentos ”, explica Giraldo.

A isto, o dirigente do setor acrescentou que os animais estão recebendo sobras que a mesma indústria fornece, como "capim, casca de banana, pereira, matador de camundongo" e outros tipos de alimentos que são fornecidos aos animais como medida de "Sobrevivência ", enquanto o fornecimento de insumos e alimentos é garantido. Além disso, acrescentou que em uma fazenda de Quindío alguns leitões nasceram mortos por falta de alimento para suas mães.

“À situação que temos apresentado com grande dificuldade, acrescenta-se esta em particular. Isso vai trazer um problema público, não só pela geração de empregos, mas também pelos problemas de consumo de carne. As aves são a proteína mais eficiente que existe e adicionalmente os porcos ”, especificou.

Dados da Associação Colombiana de Produtores de Suínos PorkColombia destacam que 55% da produção de suínos do país foi afetada pelas manifestações e bloqueios de estradas, “vandalização, ameaças à segurança e à vida de trabalhadores e empresários, saques em fazendas, impedimentos a mobilização de alimentos balanceados para suínos, animais para fábricas de processamento e carnes para os diferentes canais de comercialização do país ”.

A produção na Colômbia é de 1.300 toneladas de carne suína por dia e devido aos efeitos da greve nacional, 720 toneladas por dia deixaram de ser comercializadas, situação que coloca a indústria em apuros. Isso significa que as perdas do setor desde o início da greve já chegam a US $ 100 bilhões.

“Essas perdas são responsáveis ??por estouros de custo devido ao estoque maior da fazenda, quedas na comercialização, bem como um peso menor de suínos que foram comercializados”, disse PorkColombia.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade