Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie

Desinfecção

ACCS
24-Set-2008 15:02 - Atualizado em 20/04/2016 14:38

Redação (24/09/2008)- A desinfecção consiste no controle ou eliminação de agentes causadores de doenças, através de processos químicos ou físicos reduzindo assim a possibilidade de surgirem doenças que poderão trazer aos produtores sérios prejuízos de ordem econômica.

Existem dois tipos de desinfecção: a preventiva, onde o produtor realiza de forma rotineira visando sempre reduzir a carga microbiana no meio ambiente e a de emergência, utilizada em casos de surtos de doenças infecto contagiosas.

No caso de uma desinfecção emergencial é muito importante que o produtor entre em contato com o Médico Veterinário responsável, para que o mesmo através de exames clínicos possa colher amostras para um diagnóstico laboratorial e determinar assim o agente causador da doença e o desinfetante a ser utilizado, na sua concentração e demais medidas complementares que vão interromper o ciclo da doença na criação.

A eficiência de uma desinfecção depende de vários fatores: limpeza prévia (muito importante), escolha do desinfetante, concentração, temperatura da solução de desinfetante, tempo de ação e a qualidade da água utilizada.

Limpeza prévia: tem por finalidade obter superfície limpas, porque a maioria dos desinfetantes são inativados pela matéria orgânica (fezes). A presença destas nas superfícies, dificulta ou até mesmo torna impossível a penetração dos desinfetantes em todas as frestas onde possam ficar alojados os microorganismos. Portanto, a limpeza prévia, permite a ação direta do desinfetante sobre os agentes causadores de doenças.

Obs: Um aumento da dose do desinfetante não irá compensar a falta de uma limpeza prévia.

Escolha do desinfetante: é muito importante para que se tenha o efeito desejado. A escolha de um desinfetante que ofereça todas as condições ideais de atuação é extremamente difícil, considerando o grande número de produtos existentes. Portanto, para selecionar um desinfetante apropriado através de seu princípio ativo, o produtor deve procurar a orientação junto ao Médico Veterinário de sua confiança que irá selecionar o produto mais adequado para as condições inerentes a sua granja.  

Concentração: qualquer desinfetante sempre deve ser utilizado na concentração definida pelo Médico Veterinário. É inútil diminuir a dose e é uma ilusão pensar que agindo assim, os custos serão menores com o mesmo efeito. Reduzir a dose pode provocar uma seleção de microorganismos resistentes. O desinfetante deve sempre ser aplicado em superfícies secas, pois o produtor poderá estar diluindo ainda mais quando as instalações estiverem molhadas.

Tempo de ação: depende da temperatura e da superfície a ser desinfetada, pois nenhum desinfetante tem efeito imediato. Quanto mais baixa for a temperatura da superfície mais deve ser o tempo de ação, pois as temperaturas baixas diminuem o efeito dos desinfetantes. Em superfícies lisas, com aplicação de desinfetantes em paredes verticais, a capacidade de aderência da solução é menor em função da menor porosidade e da tensão superficial. Por isso a ação do desinfetante fica prejudicada devido ao baixo tempo de contato.

Qualidade da água: esta é importante tanto para limpeza como para desinfecção. O uso de águas poluídas, principalmente por Coliformes fecais e Streptococcus fecais, diminuem a eficiência do desinfetante, porque parte dele é consumida para desinfetar a água de diluição antes da solução. Por outro lado, a qualidade química, da água pode interferir na eficiência do desinfetante, exemplo: ph da água, dureza, etc. Devido a estes fatos recomenda-se que seja realizada pelo menos uma análise físico-química e bacteriológica da água a cada seis meses. Os desinfetantes não são igualmente eficientes quando usados como bactericidas, viricidas ou fungicidas. Devido a isto, como forma de aumentar a eficácia da desinfecção, recomenda-se a rotação de desinfetantes visando aumentar o espectro de atividade e para evitar o aparecimento de cepas resistentes de microorganismos patogênicos. A periodicidade da troca do desinfetante varia de 3 a 6 meses, mas para isso é importante que o Médico Veterinário responsável pelo programa de limpeza e desinfecção seja informado sobre a eficácia dos trabalhos.      

Muitos criadores ainda não compreendem que através da desinfecção pode-se alterar completamente os riscos de doença numa granja. A desinfecção deve ser vista como uma ferramenta a mais no controle de doenças e não com substituta de outras medidas de Biossegurança, pois o objetivo principal é manter uma concentração baixa de agentes causadores de doenças, diminuindo desta forma a possibilidade de infecção. O criador nunca deve esquecer que os benefícios colhidos pela desinfecção são de médio a longo prazo e que a persistência ou continuidade do processo, apesar do custo ser imediato, deve ser mantido.

 

Referências Bibliográficas: Circular Técnica nº3 – Embrapa
Suinocultura dinâmica: Limpeza e desinfecção em Suinocultura e observações pessoais em granjas GRSC

Assuntos do Momento

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas
21 de Setembro de 2021
Ocorrência Sanitária

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas

A ocorrência foi confirmada ontem (20/09) pela OIE; é o segundo caso da enfermidade na América Latina, o que acende um alerta ainda maior em toda a suinocultura da região

Preço do suíno vivo sobe em vários estados
20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do suíno vivo sobe em vários estados

Após um começo de mês nada animador para o segmento, a última semana registrou novos aumentos em várias praças. Valor poderia ser maior, mas baixo poder aquisitivo da população segue impedindo.

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo
16 de Setembro de 2021
Custos

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo

Quadro afeta especialmente os produtores independentes, que têm menos poder de fogo nas negociações de grãos para ração

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

20 de Setembro de 2021
EUA

Nos EUA, deputados democratas pedem recursos para prevenir peste suína africana

Grupo de deputados pediu US$ 75 milhões em recursos para que autoridades de saúde animal previnam e se preparem para um possível surto de PSA no país

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos
17 de Setembro de 2021
Mercado

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos

Levantamento do Cepea mostra que, na média deste mês (até o dia 15), a diferença entre a carcaça especial suína, também comercializada na Grande São Paulo, e o frango inteiro é de apenas 1,19 Reais/kg

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade