Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sanidade

Desinfetante oxidante X não oxidante - Qual a diferença?

Autoria: equipe técnica MS Schippers Brasil. Acesse o #msblog para ler mais artigos como este

MS Schippers Brasil
20-Abr-2021 08:21

Cada granja utiliza desinfetantes diferentes conforme o desafio, época de rodízio ou finalidade (instalações, equipamentos, etc.). No entanto, vale lembrar que alguns compostos são mais indicados para desinfetar as instalações, outros são melhores para uso em pedilúvios, e assim por diante. Vamos entender isso de forma rápida?

Podemos dividir os desinfetantes em dois grandes grupos, os oxidantes, e os não oxidantes. O que significa um desinfetante ser “oxidante”? Significa que o seu princípio ativo irá receber uma carga negativa (elétron) ao reagir com outras substâncias, de modo a oxidar (causar a oxidação de) esses outros componentes.

No uso doméstico é comum o uso de agentes oxidantes como alvejantes, com a finalidade de clarear (branquear) e retirar manchas. No entanto, eles também são utilizados na indústria para desinfetar equipamentos, objetos, e superfícies diversas.

Sob o ponto de vista de uso na agropecuária, veja abaixo as principais diferenças:

Desinfetantes oxidantes

  • Grupo de ativos que abriga o hipoclorito de sódio e o peróxido de hidrogênio;
  • Amplo espectro de ação;
  • Inativação rápida de patógenos;
  • Não levam à resistência de micro-organismos.

Desinfetantes não-oxidantes

  • Grupo de ativos que abriga o formaldeído, glutaraldeído, e compostos de amônia quaternária;
  • Amplo espectro de ação;
  • Inativação gradual de patógenos com mais efeito residual.

Assim sendo, um desinfetante oxidante (como por exemplo o MS Kiemkill) é uma opção melhor para uso em pedilúvios, uma vez que provoca a inativação de patógenos de forma muito rápida (que é o que se deseja). Em contrapartida, produtos não-oxidantes são bastante indicados para uso na desinfecção de instalações (baias e galpões), devido ao seu maior efeito residual e estabilidade. É claro que cada desafio irá demandar uma análise mais profunda, e é para isso que estamos aqui. Fale com a nossa equipe e trabalhe com uma desinfecção de alto impacto dentro da granja!

Acesse o blog da MS Schippers para ler mais posts sobre biosseguridade, qualidade da água de bebida, limpeza e desinfecção, e manejo de suínos. Trabalhar com higiene é a melhor forma de trazer mais resultados e lucros.

Assuntos do Momento

11 de Maio de 2021
Mercado

Produção de suínos na China deve crescer 19% em 2021

Segundo Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China (MARA), a expansão agressiva da capacidade de fazendas de grande escala em 2020 gerou um aumento estimado no abate de suínos para a China

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos
10 de Maio de 2021
Economia

Novos recursos na economia beneficiam o consumo de suínos

No momento, restam ainda mais de R$ 9 bilhões em recursos para serem contratados no Plano Safra 2020/2021

China: Importação de carnes aumenta 6,9% em abril e fica perto de recorde
07 de Maio de 2021
Mercado Externo

China: Importação de carnes aumenta 6,9% em abril e fica perto de recorde

A produção de carne suína da China despencou após os surtos de peste suína africana desde 2018, estimulando uma forte demanda por importação de carne suína e outras proteínas

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados
10 de Maio de 2021
Mercado

Análise de Mercado - Frango em alta e preço do suíno cai em três estados

Entre os dias 03 e 07 de maio, o preço do frango vivo eleva sua cotação, com exceção de MG que mantém o valor estável. Suíno vivo teve queda de 1,11% em SC, 2,54% no PR e 2,12% no RS

Disponible en español Disponible en español
Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares
11 de Maio de 2021
América Latina

Na Colômbia carne de porco começa a faltar nos lares

A produção diária na Colômbia é de 1.300 toneladas de carne suína e devido aos efeitos da greve nacional, 720 toneladas / dia deixaram de ser produzidas e comercializadas

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea
13 de Maio de 2021
Mercado

Preços do suíno vivo e da carne se enfraquecem, aponta Cepea

Segundo estudos, a venda de carne no mercado doméstico está enfraquecida

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade