Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Dólar abre em leve alta com perspectiva de novas elevações na Selic

Na segunda-feira, moeda norte-americana avançou 0,03%, cotada a R$ 5,2284

Redação com informações de G1
11-Mai-2021 09:07

O dólar abriu em leve alta nesta terça-feira (11), diante da perspectiva de novas altas na taxa de juros brasileira, após a divulgação mais cedo, da ata da reunião do Copom que levou a Selic a 3,5% na semana passada, e com os dados de inflação mostrando uma nova aceleração em abril.

Às 9h05, a moeda norte-americana subia 0,01%, cotada a R$ 5,2287.

Na segunda-feira, o dólar fechou em alta de 0,03%, a R$ 5,2284. Na parcial do mês, acumula queda de 3,73%. No ano, o avanço ainda é de 0,79%.

Cenário

Na agenda do dia, o IBGE divulgou mais cedo a inflação oficial de abril, que mostrou alta de 0,31% – levando o acumulado em 12 meses a 6,76% – estourando pelo segundo mês seguido o teto da meta estabelecida pelo BC para este ano, de 5,25%.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou nesta terça-feira (11) que a despeito da intensidade da segunda onda da pandemia ter sido maior que a esperada, o segundo semestre do ano deve mostrar uma "retomada robusta da atividade, na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos de forma mais abrangente".
A informação consta na ata de sua última reunião, realizada na semana passada, quando a taxa básica de juros da economia avançou de 2,75% para 3,5% ao ano por conta das pressões inflacionárias.

A expectativa do mercado é de que uma nova alta de 0,75 ponto percentual na Selic deva ocorrer em junho.

Os analistas das instituições financeiras elevaram a estimativa média para a inflação em 2021, de 5,04% para 5,06%, segundo pesquisa Focus divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central. A projeção para a taxa de câmbio no fim de 2021 recuou de R$ 5,40 para R$ 5,35.

Já a projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passou de 3,14% para 3,21%. Os analistas também mantiveram em 5,50% ao ano a previsão para a taxa básica de juros (Selic) no fim de 2021.

A Selic em alta aumenta a diferença entre os retornos oferecidos no Brasil ante os dos Estados Unidos e de outros mercados emergentes, o que eleva a atratividade do real, potencialmente valorizando a moeda.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade