Rainha da Paz
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Dólar opera em queda de olho em dados de inflação dos EUA

Na quarta-feira, a moeda norte-americana fechou em alta de 0,67%, cotada a R$ 5,0687

Redação com informações de G1
10-Jun-2021 09:27

O dólar opera em queda nesta quinta-feira (10), antes da divulgação de dados de inflação dos EUA.

Às 9h02, a moeda norte-americana caí 0,33%, a R$ 5,0518.

Na quarta-feira, o dólar fechou em alta de 0,67%, a R$ 5,0687. Com o resultado, as moedas norte-americanas acumulam recuo de 2,98% no mês e de 2,28% no ano.

O Banco Central fará neste pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 15 mil contratos com vencimento em dezembro de 2021 e março de 2022.

Cenário
 
Nesta quinta-feira, os investidores aguardam a divulgação de dados sobre inflação e pedidos iniciais de seguro-desemprego nos Estados Unidos, atrás de pistas sobre o rumo da política monetária do Federal Reserve (BC dos EUA). O Comitê Federal de Mercado Aberto do Fed encerrará sua próxima reunião em 16 de junho.

O Banco Central Europeu afirmou nesta quinta-feira que continuará a realizar suas compras de títulos emergenciais a um ritmo mais alto do que no início do ano. O BCE decidiu manter a sua taxa referencial em -0,5% e a orientação de que vai manter ou cortar os juros até que a inflação mostre convergência "robusta" para a meta.

Também permanece no radar dos mercados as expectativas em torno da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que se reunirá também na próxima quarta-feira.

Entre os fatores que têm ajudado a moeda brasileira nas últimas semanas, vários especialistas apontam para a expectativa de juros domésticos mais altos, que foi reforçada pelos sinais de aceleração da inflação, que atingiu 8,06% em 12 meses até maio.

Um cenário doméstico de juros mais altos tende a favorecer o real, segundo especialistas, uma vez que torna investimentos locais atrelados à Selic mais atraentes para o investidor estrangeiro. A taxa de juros esta atualmente em 3,5% ao ano e a expectativa do mercado é que ela chegue a 5,75% no fim de 2021.
 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade