Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Inside

Embrapa Agricultura Digital tem novo chefe-geral

Na Embrapa desde 1989, Stanley Oliveira é graduado e mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Campina Grande e doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Alberta, no Canadá

Redação
07-Fev-2022 16:23

Stanley Oliveira, pesquisador da área de ciência da computação, assumiu na última terça-feira (1º) a gestão da Embrapa Agricultura Digital (Campinas-SP). Após processo de seleção, ele foi designado pela diretoria-executiva da Empresa para ocupar o cargo de chefe-geral da Unidade para um mandato de dois anos, prorrogável duas vezes pelo mesmo período.

Para os cargos de chefes-adjuntos também foram nomeados Carla Macário, na área de Pesquisa e Desenvolvimento, Vitor Mondo, na Transferência de Tecnologia, e Eduardo Caputi, na área administrativa. O novo gestor substitui a pesquisadora Silvia Massruhá, que esteve à frente do centro de pesquisa desde julho de 2015.

Tecnologias digitais já vêm sendo adotadas em várias escalas e têm papel fundamental para o desenvolvimento da agropecuária brasileira. Para Stanley Oliveira, a agricultura digital tem potencial para ajudar o setor a enfrentar um cenário com grandes desafios, como expandir a produção de alimentos de forma sustentável, atender as demandas também por fibras, água e energia limpa e renovável, e viabilizar sistemas de produção com baixo impacto sobre os recursos naturais, sobre a biodiversidade e com geração de serviços ambientais.

“É preciso aumentar a oferta de serviços digitais de qualidade, com segurança dos dados em todo o território nacional e soluções para gestão e monitoramento da produção animal e vegetal, além da organização de dados em bases estruturadas e confiáveis que possibilitem o desenvolvimento de modelos e aplicações com o uso de inteligência artificial, geotecnologias e internet das coisas”, ressalta.

Segundo o novo chefe-geral, priorizar soluções que amenizem as dores e necessidades reais dos produtores rurais é um fator chave. Ele também destaca a importância da parceria com o setor produtivo para o desenvolvimento de tecnologias que gerem benefícios tangíveis e de impacto para o agricultor e, ainda, o alinhamento com as melhores práticas adotadas pelas corporações, baseadas em critérios sustentáveis como ESG (Ambiental, Social e Governança).

“Vamos identificar demandas junto aos parceiros do ecossistema de inovação em agricultura digital e analisar sua aderência ao VII Plano Diretor da Embrapa. Estas demandas podem ser caracterizadas em soluções disruptivas, integradoras e inteligentes; plataformas digitais com aplicações para a gestão da propriedade, da produção e da comercialização; sistemas de projeções de riscos futuros; e tecnologias para rastreabilidade e certificação”, afirma.

De acordo com chefe-geral, para responder efetivamente a esses desafios será essencial manter a participação ativa da Embrapa Agricultura Digital em arranjos sólidos com a participação do governo, da academia, do setor produtivo e da sociedade civil.

“Essas relações fortalecidas e ampliadas permitirão a inserção e expansão de tecnologias digitais na agropecuária, de maneira transversal, como viabilizadoras de resultados de alto impacto. A inovação aberta está no DNA da Embrapa e essa atuação conjunta permitirá que continue a entregar valor à sociedade”.

Eixos estratégicos

O plano de trabalho da nova chefia da Embrapa Agricultura Digital é baseado em quatro principais eixos. Na gestão estratégica de PD&I, entre outras ações, estão previstos o monitoramento do ciclo de vida de tecnologias digitais, o fortalecimento do Observatório em Agricultura Digital e ainda o fomento a parcerias internacionais.

“Nossa expectativa é intensificar ações de articulação internacional para identificar, no exterior, centros de excelência em áreas de interesse e buscar oportunidades de colaboração e de participação em redes de pesquisa na nossa temática de atuação”, afirma Stanley Oliveira.

Um segundo eixo estratégico é voltado para a transformação digital e a integração com as outras Unidades da Embrapa, incluindo a promoção de programas de mentoria, ligados por exemplo à Plataforma AgroAPI, a criação de oficinas tecnológicas com mentalidade voltada à disrupção, o apoio à governança de dados de pesquisa e o compartilhamento de serviços por meio do data center científico.

O plano também contempla o eixo voltado para a ampliação da visão de inovação aberta e de negócios com o setor produtivo, fortalecendo a participação da Unidade no ecossistema de agricultura digital e a busca por parcerias para o desenvolvimento de soluções tecnológicas; e, por fim, o eixo para a governança, gestão e inovação organizacional, com destaque para o desenvolvimento institucional e de competências.

Perfil

Na Embrapa desde 1989, Stanley Oliveira é graduado e mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Campina Grande e doutor em Ciência da Computação pela Universidade de Alberta, no Canadá. Tem atuação nas linhas de pesquisa em mineração de dados, machine learning, big data e analytics, banco de dados e sistemas de suporte à decisão. 

Possui experiência gerencial, tendo ocupado anteriormente os cargos de chefe-adjunto de Administração (2009-2015) e de chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento (2018-2021). Stanley também é professor pleno do programa de pós-graduação da Faculdade de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pesquisador colaborador do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica, na mesma universidade.

Assuntos do Momento

23 de Junho de 2022
Mercado Interno

Mesmo com entrada de 2ª quinzena, preços no mercado de suínos sobem

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do animal vivo, esse movimento de reação é influenciado pela baixa disponibilidade de suíno em peso ideal para abate, pelo clima ameno e por eventos festivos que favorecem o consumo

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão
23 de Junho de 2022
Seguro Rural

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão

Segundo nota da entidade, o crédito extra é necessário para garantir a cobertura do plantio da próxima safra de verão 2022/23 

21 de Junho de 2022
Exportações

Exportações de carne suína diminuem, mas mercado interno dá sinais de ajuste de oferta

Veja o panorama completo do mercado interno e externo de suínos durante o mês de junho

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF
23 de Junho de 2022
Mercado

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF

Após a redução no rebanho que vinha ocorrendo em função da diminuição da margem de carne suína na China, maio foi o primeiro mês de aumento do rebanho em 2022

Produção global de carne suína em 2022
22 de Junho de 2022
Comentário Suíno

Produção global de carne suína em 2022

Por Osler Desouzart, CEO da ODConsulting

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina
23 de Junho de 2022
Argentina

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina

“No total mais ou menos nós argentinos consumimos 110 kg de carne por ano e agora caiu para 47 kg, segundo os últimos dados que são de 2021”, disse Mariela Bernardi, administradora do Mercado Concentrado Posadas.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade