Guia Gessulli
06-Ago-2020 10:07
Agroindústria

Empresa paranaense assume operações no frigorífico de Frederico Westphalen

Planta estava fechada há vários meses após a transação entre Adelle Foods e JBS/Seara

A planta frigorífica localizada em Frederico Westphalen/RS, que estava fechada há vários meses após a transação entre Adelle Foods e JBS/Seara – em que a multinacional assumiu uma planta em Seberi/RS –, deve retomar as atividades na estrutura ainda este ano, com o abate e a desossa de suínos. É isso que prevê um contrato que foi oficializado na manhã desta terça-feira, dia 5. De acordo com o presidente da Câmara de Vereadores de Frederico Westphalen, João Vendrusculo, a planta será assumida pelo grupo Agro Dalla Costa, que opera com a marca Palmali, com sede no Paraná.

O início das operações está previsto para ocorrer entre 90 dias, com 50% da operação e projeção de disponibilizar, nesta primeira etapa, em torno de 350 empregos diretos. A expectativa é que o funcionamento completo da estrutura ocorra em 2021. Segundo Vendrusculo, a partir de agora inicia os investimentos em reformas. 

"A ideia é de que neste primeiro momento eles consigam identificar as demandas do mercado, especialmente neste período de pandemia gerada pelo Covid-19, para seguir com os demais investimentos"adiantou Vendrusculo.

Para o prefeito de Frederico Westphalen, José Alberto Panosso, a reabertura do frigorífico representa mais geração de emprego e renda para o município e região.

"Há vários meses estávamos trabalhando no sentido de apoiar a reabertura do frigorífico. Foram diversas reuniões e encontros junto aos empresários para encontrarmos uma alternativa que viabilizasse a reabertura da indústria. E com muito esforço, centenas de empregos serão gerados, garantindo mais opções para a população" destacou.

Em maio deste ano, o legislativo frederiquense aprovou o Projeto de Lei (PL) 026/2020, que autorizou o Poder Executivo Municipal a conceder incentivo financeiro no valor de R$ 500 mil para reformas na estrutura. Na época, o prefeito, José Alberto Panosso, classificou o recurso como irrisório diante da importância de reaver vagas de emprego no município e que isso não impactaria em demais iniciativas da gestão. Ainda segundo o gestor municipal, em 2019, a estrutura representou mais de R$ 1 milhão nos impostos recolhidos para o município em função da transação com a JSB/Seara.

Além disso, a empresa paranaense poderá ter acesso aos incentivos previstos através do programa “Mais Frederico”, instituído pela Lei Municipal nº 4.723, de 19 de dezembro de 2019.

Redação AI/SI com informações Novo Rural
Deixe seu Recado