Mayekawa SI
08-Out-2019 14:56 - Atualizado em 10/10/2019 18:14
Disponible en español
Sanidade

Entidades argentinas coordenam ações para mitigar o impacto da resistência antimicrobiana

Especialistas discutiram o impacto do fenômeno no meio ambiente, produção animal, saúde pública e economia regional, durante um seminário em Senasa.

No âmbito da iniciativa de cooperação binacional entre Argentina e Reino Unido, foi realizado, no auditório do Laboratório do Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agropecuária da Argentina (Senasa) , o seminário “Antimicrobianos, Saúde e Produção Animal”, em Martínez, província de Buenos Aires na Argentina

“É um orgulho para a Argentina que cinco trabalhos sobre resistência antimicrobiana e o efeito de bactérias no meio ambiente tenham sido selecionados para cooperação com o Reino Unido no sistema científico e tecnológico em que a Senasa participa, juntamente com INTA, CONICET , ANLIS e diferentes universidades nacionais e este seminário faz parte dessa cooperação ”, afirmou o diretor nacional da Senasa, Matías Nardello.

O Seminário, no qual profissionais com reconhecida experiência no assunto, da Argentina e dos EUA, Brasil e Reino Unido, deram continuidade à necessidade de disseminar a questão da Resistência Antimicrobiana (RAM) estabelecida em campo. da Comissão Nacional Contra Resistência Antimicrobiana (CoNaCRA).

“No seminário, os produtores e o sistema científico tecnológico compartilharam o que está sendo feito em termos de resistência antimicrobiana. Todo o sistema de produção argentino está lidando com esse problema ”, disse Ariel Pereda, INTA

A reunião foi organizada pelos membros dos projetos lançados no ano passado entre o Global Innovation Fund na RAM do Departamento de Saúde e Desenvolvimento Social do Reino Unido, por meio do Conselho de Pesquisa em Biotecnologia e Ciências Biológicas (BBSRC), o Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina (CONICET), Senasa e os institutos "Carlos Malbrán" e Nacional de Tecnologia Agrícola (INTA) de Castelar.

"O seminário abordou vários aspectos, como a importância da RAM nas questões econômicas, ambientais e detalhamos o trabalho que realizamos na Argentina há vários anos", disse Lisandro Ruiz, da Diretoria de Produtos Veterinários da Senasa.

As apresentações foram orientadas ao impacto da resistência antimicrobiana no meio ambiente, produção animal, saúde pública e economias regionais, buscando destacar a importância de se ter um programa de monitoramento de RAM e como esse fenômeno Afeta as produções nacionais.

"O Seminário contou com a participação de atores internacionais de vários setores da saúde humana e da saúde animal e serviu para estabelecer laços e transmitir conhecimento entre as partes para acentuar tarefas conjuntas e combater a RAM", disse Mariano Miyakawa, do INTA.

Ao final do evento, foi formada uma mesa de discussão na qual o diretor de Produtos Veterinários da Senasa, Federico Luna; Coordenadora do Programa de Saúde Animal do INTA, Ariel Pereda; o representante do Serviço Antimicrobiano do Instituto Malbrán, Alejandro Petroni e o representante da empresa Jefo SA, Elizabeth Santín, juntamente com membros das câmaras de produção de aves, suínos e bovinos.

Na mesa de discussão, foram apresentadas as perspectivas dos diferentes atores envolvidos na luta para reduzir o impacto da resistência antimicrobiana e avaliar as possíveis formas de direcionar e coordenar os esforços.

“Foi um seminário muito importante para os setores de saúde animal, saúde humana e meio ambiente. Todo ano que passa, temos que aprofundar o estudo da RAM para tomar decisões apropriadas para o bom uso de antibióticos ”, concluiu o brasileiro Santín.

Redação
Deixe seu Recado