Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
USDA

Entre os grandes exportadores de carne suína apenas o Brasil viu os embarques crescerem em 2021

De acordo com o USDA o Brasil é o único que conseguiu realocar seus embarques de carne suína à medida que as importações da China diminuíram em 2021

Redação
14-Abr-2022 10:30

A demanda de importação de carne suína da China aumentou após os déficits de oferta causados pela peste suína africana. Como a produção de carne suína diminuiu em quase um terço em 2020, as importações quase quadruplicaram e a China  respondeu por mais de 40% do comércio global para saciar o maior consumidor mundial de carne suína. Os setores de suínos em todo o mundo – estimulados pelos preços altíssimos na China – expandiram a produção, retiraram o produto de seus mercados domésticos e redirecionaram a carne suína de outros destinos. Entre os quatro maiores exportadores em 2020, a participação das exportações destinadas à China variou entre 29 e 55% em volume.

 

Maiores importadores de carne suínas

assine as revistas avicultura industrial, suinocul,
Fonte: USDA

De acordo com o levantamento do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), O comércio de carne suína com a China permaneceu firme no início de 2021 e cresceu 20% ano a ano no primeiro trimestre. No entanto, em maio, as importações caíram abaixo dos níveis do ano anterior e em dezembro, as importações estavam mais de 60% ou 300.000 toneladas abaixo do mesmo mês de 2020. À medida que as importações da China diminuíram em 2021, os principais exportadores buscaram mercados alternativos – embora a maioria, com a notável exceção do Brasil, não tenha conseguido realocar suprimentos tão grandes e o comércio tenha diminuído.

O relatório aponta que em 2022, as importações de carne suína da China devem cair quase 20% e diminuir o comércio global, mais do que compensando a recuperação da demanda entre outros grandes países importadores à medida que se recuperam das interrupções relacionadas ao COVID. Como o crescimento em outros mercados novamente não compensará o declínio na China, a maioria dos principais exportadores de carne suína experimentará um segundo ano consecutivo de contração de embarques. A União Européia (UE), principal fornecedora de carne suína para a China e maior exportadora do mundo, deverá ver as exportações caírem 5%, para pouco menos de 4,8 milhões de toneladas este ano. Espera-se que os exportadores da UE encontrem algum alívio com a menor demanda da China na forma de uma demanda mais forte no Reino Unido, onde as importações estão projetadas 7% mais altas em 2022. A UE também aumentará os embarques para o Japão, Coreia do Sul e Austrália, países para os quais as exportações da UE diminuíram nos últimos anos, à medida que as vendas se deslocaram para a China. Os preços competitivos das carcaças da UE em comparação com os EUA e a demanda firme impulsionarão as remessas mais altas para esses mercados em 2022.

Dos quatro maiores exportadores, apenas o Brasil viu os embarques gerais crescerem em 2021 com fortes ganhos de produção, preços competitivos e um real fraco. Até as exportações para a China aumentaram ano após ano, já que o Brasil aumentou sua participação nesse mercado para 16%. Em 2022, o Brasil deverá sustentar as exportações agregadas, com um crescimento modesto de menos de 1%. Na China, o Brasil provavelmente capturará uma porção maior de um bolo que está encolhendo devido a preços mais competitivos do que outros grandes exportadores. Enquanto isso, o Brasil continua com bom desempenho no Vietnã e nas Filipinas e a demanda está crescendo nos vizinhos Argentina e Uruguai.

Assuntos do Momento

23 de Junho de 2022
Mercado Interno

Mesmo com entrada de 2ª quinzena, preços no mercado de suínos sobem

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do animal vivo, esse movimento de reação é influenciado pela baixa disponibilidade de suíno em peso ideal para abate, pelo clima ameno e por eventos festivos que favorecem o consumo

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão
23 de Junho de 2022
Seguro Rural

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão

Segundo nota da entidade, o crédito extra é necessário para garantir a cobertura do plantio da próxima safra de verão 2022/23 

21 de Junho de 2022
Exportações

Exportações de carne suína diminuem, mas mercado interno dá sinais de ajuste de oferta

Veja o panorama completo do mercado interno e externo de suínos durante o mês de junho

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF
23 de Junho de 2022
Mercado

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF

Após a redução no rebanho que vinha ocorrendo em função da diminuição da margem de carne suína na China, maio foi o primeiro mês de aumento do rebanho em 2022

Produção global de carne suína em 2022
22 de Junho de 2022
Comentário Suíno

Produção global de carne suína em 2022

Por Osler Desouzart, CEO da ODConsulting

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina
23 de Junho de 2022
Argentina

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina

“No total mais ou menos nós argentinos consumimos 110 kg de carne por ano e agora caiu para 47 kg, segundo os últimos dados que são de 2021”, disse Mariela Bernardi, administradora do Mercado Concentrado Posadas.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade