Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Hora de ser visionário

Como na vida o joio sempre desvaloriza o trigo, o Brasil precisa fazer as lições de casa que não deveria ter abandonado. Lições que o país bem conhece, mas nem sempre conduz com a vontade e a responsabilidade desejáveis

Coriolano Xavier

Membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

25-Nov-2021 08:26

A COP 26 deixará marcas fortes no futuro da economia, pelo mundo afora. Foram 15 dias de amplas discussões, negociações e compromissos em torno de metas, que agora devem impactar nossas vidas e a das próximas gerações, em algum grau, sejam ou não cumpridos. Difícil falar de tudo no espaço de um pequeno comentário. Então, aqui o foco vai para um dos fatos geopolíticos mais relevantes dessa Cúpula do Clima - o reengajamento dos EUA na questão climática (o governo Trump havia abandonado o Acordo de Paris) e a retomada de seu protagonismo no encaminhamento mundial da questão. 

O presidente Joe Biden fez da agenda verde um pilar de suas políticas internas e externas. Aí se encaixam coisas como a renovação da infraestrutura do país sob uma perspectiva sustentável e impulsionada por inovações da economia verde. Também estímulos econômicos de peso a pesquisas e empreendimentos que proporcionem saltos no uso de tecnologias limpas. No seu conjunto, estamos falando de um programa da ordem de 1 trilhão de dólares, para incentivar o setor privado na direção de soluções menos agressivas ao ambiente e descarbonizadas.

Esse retorno dos EUA ao protagonismo climático (debate e ação) cria um contraponto geopolítico à visibilidade que a China estava adquirindo na agenda verde, apesar de ser o maior emissor de GEE do planeta. E a Europa, que há muito é um celeiro de bandeiras pela sustentabilidade. Ou seja: os motores da economia mundial – EUA, China e União Europeia – parecem estar mais engajados na agenda verde (apesar de controvérsias em seus próprios territórios). Mas, quando se olha de uma perspectiva histórica, o progresso vem prevalecendo.

Enfim, parece que a questão climática, outras agendas de ambientais e a bioeconomia pautarão em boa medida o crescimento econômico nos próximos anos. Disso, ao que tudo indica, ninguém vai escapar. Pelo menos não as 20 maiores economias do mundo (o chamado G 20), todas com um relevante grau de integração internacional, entre elas o Brasil. E nós, aqui nos trópicos, o que temos para navegar nessa rota, sob pressões de todos os lados pela descarbonização da economia e sustentabilidade do planeta? 

Na COP 26, a percepção do Brasil acho que saiu como as duas faces de uma moeda. De um lado, o passivo político do desmatamento na Amazônia e da baixa efetividade do governo em contê-lo. De outro lado, o dinamismo da sociedade civil em criar inovações e engajar-se na pauta climática, com nossos avanços em energia renovável, produção sustentável de alimentos (iLPF e Plano ABC+), carne carbono neutro e florestas plantadas repercutindo positivamente. O país também formalizou compromissos de zerar o desmate ilegal até 2028, cortar a emissão de GEE pela metade até 2030, reduzir gás metano e atingir a neutralidade de carbono em 2050. Promessas, no entanto, que ainda estão sob o signo de um certo descrédito.

Como na vida o joio sempre desvaloriza o trigo, o Brasil precisa fazer as lições de casa que não deveria ter abandonado. Lições que o país bem conhece, mas nem sempre conduz com a vontade e a responsabilidade desejáveis. O país bem poderia ser um visionário na agenda verde, como já foi um dia na agricultura tropical sustentável, o que lhe valeu o protagonismo na segurança alimentar mundial. Afinal, o que foi a revolução agrícola tropical que fizemos senão uma atitude visionária na época, atrás da autossuficiência em alimentos? 

É hora de também sermos visionários em estratégias de sustentabilidade. Será que é razoável resistir a coisas que seriam boas para o país, em nome de paradigmas do século passado? No mínimo, seria inteligente pensar e avaliar custo-benefício a médio e longo prazos. Pelo que se observa no quadrante histórico da economia mundial que se inicia com a COP 26, a ponte com o amanhã está em ser mais assertivo com as visões ascendentes das sociedades e do consumidor global. As gerações mais novas são nativas da descarbonização, da energia limpa e da bioeconomia. E será com elas que vamos escrever as nossas páginas de futuro.

Assuntos do Momento

Ano de 2022 inicia com preço do suíno em queda e custos em alta
20 de Janeiro de 2022
Análise de Mercado

Ano de 2022 inicia com preço do suíno em queda e custos em alta

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, explica que o final do ano de 2021 foi frustrante em relação aos preços pagos ao produtor, e reforçou que o crescimento acelerado da produção de suínos dos últimos anos está apresentando a conta para o setor

Suinocultores pedem socorro
19 de Janeiro de 2022
Comentário Suinícola

Suinocultores pedem socorro

Nesta semana tivemos mais uma baixa no preço pago ao produtor, movimentação que traz uma preocupação muito forte, pois ninguém mais sustenta uma atividade pagando caro para trabalhar

Disponible en español Disponible en español
Hong Kong relata surto de peste suína africana
19 de Janeiro de 2022
China

Hong Kong relata surto de peste suína africana

Notícia foi informada pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) nesta segunda-feira

20 de Janeiro de 2022
Mercado Interno

O preço do suíno vivo registra queda intensa neste mês

Motivo da queda foi a combinação de vendas lentas e oferta elevada de animais para abate

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Ministra Tereza Cristina defende medidas para contenção de PSA
18 de Janeiro de 2022
PSA

Ministra Tereza Cristina defende medidas para contenção de PSA

Foco da doença foi identificado na República Dominicana em novembro, mas Brasil não registra casos desde o fim da década de 1970

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade