Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Agricultura

IDR-Paraná celebra 50 anos de pesquisa com lançamento de novas cultivares

A instituição oferece ao setor produtivo quatro opções para cultivo no inverno para a produção de grãos e renda neste período

Redação, com informações AEN
09-Jun-2022 07:43

O Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - Iapar-Emater (IDR-Paraná) lançará no dia 30 de junho, em Londrina (Norte), quatro cultivares como parte da celebração de 50 anos de atuação em pesquisa pública voltada ao desenvolvimento da agropecuária do Estado.

A instituição oferece ao setor produtivo quatro opções para cultivo no inverno: aveia branca IPR Andrômeda, cártamo IPR 211, canola IPR 212 para a produção de grãos e renda no período de inverno, e o nabo forrageiro IPR 210, prioritariamente destinado ao uso como planta de cobertura em estratégias de manejo conservacionista do solo.

O diretor-presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza, destaca que o investimento em melhoramento genético é importante pelo alto impacto que causa nos sistemas produtivos. “Cada nova cultivar incorpora atributos tecnológicos para enfrentar pragas e doenças ou eventos adversos como a falta de chuvas, por exemplo. Sem contar, é claro, o aumento do potencial produtivo em relação às antecessoras”, diz.

Segundo a diretora de Pesquisa e Inovação da instituição, Vania Moda Cirino, o Iapar foi um dos órgãos que mais registraram cultivares no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento nas últimas décadas. “A pesquisa científica tem continuidade agora no IDR-Paraná, e os lançamentos nesta data reafirmam o compromisso com a inovação do agro paranaense”, aponta.

GRÃOS – A cultivar de aveia branca IPR Andrômeda se destaca pela produtividade, que pode passar de 4,6 toneladas por hectare, de acordo com o pesquisador Carlos Roberto Riede. Ele acrescenta que ela tem bom desempenho frente a manchas foliares, ferrugem e nematoides do gênero Meloidogyne, além de resistência ao acamamento. Outra característica destacada pelo pesquisador, essa de interesse da indústria de processamento, é a excelente eficiência no descascamento.

Alimento funcional, os grãos de aveia branca são ricos em proteínas e fibras. “O IDR-Paraná aposta na espécie como opção de renda para os produtores no plantio de inverno. IPR Andrômeda é indicada para cultivo no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul”, afirma.

A canola IPR 212 também vai oferecer aos produtores uma possibilidade de fazer rotação de culturas conjugada com a obtenção de renda. Da mesma família da couve, canola é uma seleção da colza — desenvolvida por pesquisadores canadenses na década de 1970 — com o objetivo de reduzir o teor de ácido erúcico e de glucosinolatos, que tornam os grãos inapropriados para alimentação humana. O nome vem de Canadian Oil Low Acid, que, por sua vez, deriva de low-erucic acid rapeseed oil, que pode ser traduzido como “óleo de colza com baixo teor de ácido erúcico”.

Com boas características agronômicas, a produtividade de IPR 212 se aproxima de duas toneladas por hectare. “Além de opção de renda no inverno, o cultivo da espécie contribui para a melhoria geral do solo e a diminuição de pragas e doenças em lavouras subsequentes”, afirma o pesquisador Pedro Mário de Araújo.

O óleo de canola tem alto valor nutricional e baixo teor de gordura saturada — que atua no controle do colesterol de baixa densidade, excelente composição de ácidos graxos e elevada quantidade de Vitamina E e Ômega 3.

Araújo destaca ainda que o farelo de canola, um subproduto do processamento do óleo, tem aplicação como suplemento proteico na formulação de rações para bovinos, suínos, ovinos e aves.

O cártamo é uma planta da mesma família do girassol. A cultivar IPR 211 pode produzir perto de duas toneladas por hectare e tem bom desempenho frente a doenças. Os grãos possuem aproximadamente 25% de óleo, que é rico em Ômega 6 e tem aplicação na indústria de alimentos e farmacêutica, segundo Araújo.

Grãos de cártamo também são utilizados em misturas para a alimentação de pássaros. A torta, subproduto da extração do óleo, tem em torno de 35% de proteína e pode ser usada na alimentação de ruminantes e monogástricos.

PROTEÇÃO DO SOLO – O nabo IPR 210 foi desenvolvido para compor misturas com outras espécies para cobertura do solo e produção de palhada no inverno. Planta rústica, tem alta capacidade de reciclar nitrogênio e fósforo, e chega a produzir seis toneladas de massa seca (palha) por hectare. O desenvolvimento após a semeadura é rápido e inibe o crescimento de invasoras. “Utilizado como planta de cobertura, o nabo forrageiro contribui para diminuir a presença de alumínio tóxico e aumentar o teor de cálcio, magnésio e potássio trocáveis no solo”, explica Araújo.

Como os grãos de nabo forrageiro contêm cerca de 30% de óleo, o pesquisador sugere ainda aos produtores paranaenses considerar o mercado de biocombustíveis. Para esse fim, a produtividade pode chegar a 2,4 toneladas por hectare.

“É um óleo de fácil extração, com baixa viscosidade, grande fluidez, alto poder calorífico, pequena taxa de oxidação e que deixa pouca quantidade de resíduos sólidos”, explica o pesquisador. “E a torta que sobra da prensagem, com algo em torno de 28% de proteína e 13,5% de gordura, ainda pode ser usada na alimentação animal”.

Assuntos do Momento

23 de Junho de 2022
Mercado Interno

Mesmo com entrada de 2ª quinzena, preços no mercado de suínos sobem

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do animal vivo, esse movimento de reação é influenciado pela baixa disponibilidade de suíno em peso ideal para abate, pelo clima ameno e por eventos festivos que favorecem o consumo

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão
23 de Junho de 2022
Seguro Rural

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão

Segundo nota da entidade, o crédito extra é necessário para garantir a cobertura do plantio da próxima safra de verão 2022/23 

21 de Junho de 2022
Exportações

Exportações de carne suína diminuem, mas mercado interno dá sinais de ajuste de oferta

Veja o panorama completo do mercado interno e externo de suínos durante o mês de junho

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF
23 de Junho de 2022
Mercado

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF

Após a redução no rebanho que vinha ocorrendo em função da diminuição da margem de carne suína na China, maio foi o primeiro mês de aumento do rebanho em 2022

Produção global de carne suína em 2022
22 de Junho de 2022
Comentário Suíno

Produção global de carne suína em 2022

Por Osler Desouzart, CEO da ODConsulting

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina
23 de Junho de 2022
Argentina

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina

“No total mais ou menos nós argentinos consumimos 110 kg de carne por ano e agora caiu para 47 kg, segundo os últimos dados que são de 2021”, disse Mariela Bernardi, administradora do Mercado Concentrado Posadas.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade