Basf SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Insumo Agrícola

Importação de fertilizantes segue em alta nos portos do Paraná

O volume é 14% maior que as 9,17 milhões de toneladas registradas nos mesmos 11 meses em 2020

Redação, com informações Ocepar
13-Dez-2021 08:27

De janeiro a novembro de 2021, das 53 milhões de toneladas movimentadas pelos portos de Paranaguá e Antonina, 10,5 milhões foram só de fertilizantes descarregados. A importação dos adubos pelos Portos do Paraná segue em alta. O volume é 14% maior que as 9,17 milhões de toneladas registradas nos mesmos 11 meses em 2020.

Novembro - Considerando apenas o mês de novembro, cerca de 1 milhão de toneladas de fertilizantes chegaram ao Brasil pelos portos paranaenses neste ano. No ano passado, no mesmo período, foram 877.159 toneladas dos produtos recebidos. O aumento, nessa comparação, chega a 16%.

Volume - “Os portos do Paraná, os primeiros do Brasil em importação de fertilizantes, receberam quase 27% de todo o volume de adubo importado de janeiro a novembro de 2021, que foi pouco mais de 38 milhões de toneladas”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Principais produtos - Entre os principais fertilizantes importados pelos portos de Paranaguá e Antonina, estão o cloreto de potássio, a ureia, MAP, produtos do complexo NPK, além de outros. Os adubos chegam, principalmente, da China, Rússia, Canadá, Bielorússia, Marrocos e Estados Unidos.

Comportamento - De modo geral, como explica Décio Luiz Gomes, gerente executivo do Sindicato da Indústria de Adubos e Corretivos Agrícolas no Estado do Paraná (Sindiadubos), a conjuntura internacional explica a alta no volume de importação dos produtos. “O dólar em alta torna nossas commodities agrícolas bastante atrativas para quem produz e vende. Capitalizado, o produtor compra mais fertilizantes, a exemplo de outros insumos”, afirma.

Receio - Apesar do receio diante das questões mundiais – questões políticas, energéticas, meteorológicas e de saúde pública, por conta da Covid-19 – a compra dos fertilizantes no período faz parte, segundo Gomes, do ciclo agrícola brasileiro.

Aplicação - “Os fertilizantes comprados até março/abril ainda atendiam a aplicação na lavoura deste ano, no plantio da soja. Já as compras de adubos nos meses mais recentes, de abril em diante, são para preparação dos produtores para as próximas safras, de 2022 em diante”, completa o gerente do Sindiadubos.

Segmento - De janeiro a novembro, neste ano, o volume total acumulado de granéis sólidos – importados e exportados – pelos dois portos paranaenses foi de aproximadamente 33,2 milhões de toneladas, sendo 21,57 milhões de toneladas no sentido exportação. Nesse total estão os volumes de soja, milho, farelo, trigo e açúcar embarcados.

Carga geral - No segmento de carga geral – no qual estão inseridos os volumes de carga em contêineres, celulose, carga ensacada, entre outras – foram quase 12,6 milhões de toneladas movimentadas nos dois sentidos.

TEUs - Em TEUs (unidades equivalentes a um contêiner de 20 pés), a movimentação do período foi recorde: 1.009.646. A alta em relação às 902.694 TEUs foi de 12%.

Veículos - Uma evolução também foi registrada na movimentação de veículos. Nos onze meses foram 81.323 unidades – 5% a mais que as 77.636 unidades embarcadas e desembarcadas em 2020, de janeiro a novembro.

Líquidos - De granéis líquidos importados e exportados nos onze meses do ano foram cerca de 7,25 milhões de toneladas. O volume, neste ano, foi 4% maior que o registrado no ano passado (6,98 milhões de toneladas). (Agência de Notícias do Paraná)

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade