Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário Suíno

Importância da biosseguridade na suinocultura atual

"A fim de contornar esta vulnerabilidade e garantir cada vez mais o crescimento do pais e a qualidade dos produtos para o avanço em novos mercados, se faz necessário a adoção de um bom programa de biosseguridade "

Alexandre Alves Martins

Médico Veterinário da Vaccinar Industria e Comércio Ltda

17-Abr-2020 09:57

A produção de suínos no Brasil, proporcionalmente ao agronegócio brasileiro, teve evolução de destaque com significativo aumento de escala produtiva, tanto em unidades individuais como crescimentos regionalizados.

De acordo com o Cepea, O PIB do agronegócio brasileiro cresceu 3,81% em 2019, uma alta importante após dois anos sucessivos de resultados pouco favoráveis ao setor, que vinha sofrendo com preços relativos cada vez menores. Com esse desempenho, em 2019, o PIB do agronegócio representou 21,4% do PIB brasileiro total, neste cenário, a contribuição da suinocultura foi de recorde de exportação com o volume de 750,3 mil toneladas entre in natura (649,38 mil ton.) e processados e um faturamento de US$ 1,597 bilhão (ABPA). Esse crescimento no agronegócio, colaborou para posicionar o país como uma das dez maiores economias mundiais.

Diversos são os fatores que colaboram para este crescimento, tais como as melhorias genéticas e estruturais, e expansão de fronteira agrícola. Todavia, este aumento de produção trouxe consequências, tais como a concentração de animais. Fato este que resultou em uma maior pressão sobre a sanidade animal, acarretando no surgimento de doenças transmissíveis, associados ao alto grau de vulnerabilidade das granjas.(MAROTO MARTÍN et al. 2010), pois problemas sanitários geralmente impactam sobre os indicadores produtivos e reduzem a disponibilidade do produto final.

Neste contexto, em meio as adequações estruturais, podemos citar a exemplo, a aprovação da lei de biosseguridade no estado do Paraná (Decreto Estadual n ° 12.029, de 1º de setembro de 2014 e PORTARIA Nº 265, DE 17 DE SETEMBRO DE 2018) que favoreceu ao estado em sua participação nas exportações no comercio mundial de alimentos.

Entender a biosseguridade e sua importância neste processo, é primordial para manutenção do desenvolvimento da atividade de forma sustentável e lucrativa. É uma ferramenta em crescente importância no agronegócio, e se mostra essencial para a sobrevivência das explorações tecnificadas (BARCELLOS et al., 2008). Podem ser denominadas como medidas de biosseguridade ações com o objetivo de impedir a entrada e disseminação de doenças, assim como ações que visam a otimização da produção, adequação ambiental e melhoria da qualidade do produto final (AMARAL et al., 2006).

Um ponto importante para refletir é o que nós pensamos ou acreditamos sobre biosseguridade e o que efetivamente realizamos. É fundamental saber como a sua granja está conectada aos diferentes elos da cadeia produtiva, para identificar e agir frente os fatores principais de biosseguridade. Protocolos de biosseguridade são fáceis de serem elaborados: a questão é sua execução no trabalho rotineiro da granja, tanto para prevenir a entrada de patógenos nas granjas, como para reduzir a multiplicação e transmissão dos agentes no interior do rebanho. Um erro frequente de produtores é se preocupar com a biosseguridade apenas em resposta a ocorrência de surtos de doença e não como medida preventiva (MORES, NELSON et al. 2018).

A suinocultura como uma atividade exercida intensivamente e em larga escala prioriza medidas que visem diminuir a dispersão de agentes infecciosos, melhorando sanidade do rebanho, reduzindo gastos e perdas por enfermidades. Portanto há acrescente necessidade de instituir programas de biosseguridade, desejando o controle ou erradicação de patógenos em uma granja.

Atualmente o desafio frente a agentes infecciosos, sejam emergentes ou reemergentes, bacterianos ou virais tem sido crescente, em proporção a maior produtividade das unidades principalmente quando não respeitado as limitações dos animais, sejam em espaço físico (densidade), disponibilidade de comedouros, bebedouros, qualidade de ar (ambiência), etc. Em consequência disso o uso de antibióticos e quimioterápicos tem acompanhado esse crescimento. Embora com essas valiosas ferramentas farmacológicas consigamos corrigir os desvios na rota produtiva, invariavelmente deixamos de aproveitar o pleno potencial zootécnico existente quando temos uma doença presente. Outro ponto crítico, e que vem sendo debatido sistematicamente, é que há uma tendência mundial para que o setor produtivo reduza significativamente o uso de antimicrobianos no controle de doenças, e isto já está se tornando uma barreira não tarifária a exportação.

Nesse sentido o segmento produtivo tem cada vez mais que se preocupar em garantir a saúde dos rebanhos, e nenhuma ferramenta será tão eficiente quanto a adoção de medidas de biosseguridade.

A exemplo da Peste Suína Africana (PSA) na China, as doenças estão trazendo novos desafios à toda cadeia produtiva suinícola não só ao Brasil, mas em todo o mundo. Esses desafios têm se revelado primordialmente de ordem sanitária, ou seja, prevenção, tratamento e controle de enfermidades que geram impacto econômico na produção e produtividade. As experiências práticas têm demonstrado que um sistema moderno de produção deve, obrigatoriamente, estar consorciado com um plano abrangente de biosseguridade. Esse plano de biosseguridade deve ser concebido adaptando-se à realidade de cada granja, de forma a obter o difícil consenso entre os interesses do proprietário, do médico-veterinário, da agroindústria, do mercado e do consumidor final.

Prevenção à entrada de doenças, parada na mudança dos padrões das enfermidades, melhoria de desempenho, redução do uso de medicamentos, redução das zoonoses, produção de carne suína de forma lucrativa são alguns dos benefícios da prática consistente da biosseguridade. Essas são razões mais que suficientes para discutir, arquitetar e implementar um plano prático de biosseguridade, contudo, ao elaborar um bom plano, devemos conhecer os desafios individuais de cada unidade, que respondam aos seguintes questionamentos:

• Quais os agentes presentes no plantel, sejam eles bacterianos e/ou virais?

• Qual a prevalência, mortalidade, custos com prevenção, tratamento, medidas de controle, efeitos no desempenho para cada agente?

• Quais os agentes que não desejamos a disseminação no plantel?

• Quais as fases na granja que estão colonizadas por um determinado agente e estão com forte desafio?

• Quais os animais na granja que estão clinicamente doentes por esses agentes?

• Qual a fonte de infecção dentro do plantel para cada agente de interesse?

Basicamente, as medidas de biosseguridade, dependem do conhecimento da sobrevivência dos agentes infecciosos fora do hospedeiro, da existência de portadores dos mecanismos de disseminação dos agentes, da movimentação de suínos entre diferentes rebanhos e de como cada granja está conectada com os diferentes elos da cadeia produtiva. Qualquer vetor (humano, roedores, insetos e outros animais, equipamentos, alimento, água, granjas vizinhas, sistema de dejetos, veículos, roupas, calçados entre outros) que porta matéria orgânica de suínos é potencial transmissor de patógenos.

O risco zero em biosseguridade não existe. Num país, região, empresa integradora de suínos ou mesmo sistema produtivo, os investimentos devem ser direcionados para controlar os maiores riscos como: fornecedores de animais/sêmen, a origem e mistura de leitões, isolamento da granja com barreira física (cerca telada) que impeça a entrada de pessoas, veículos e outros animais, distância de outra granja de suínos/laboratório/abatedouro, disponibilidade de roupa e calçado de uso exclusivo da unidade produtora e respeito ao vazio sanitário dos colaboradores e visitante. Contudo, pequenos riscos, porém frequentes em alguns rebanhos, também devem ser controlados. Então, os protocolos de biosseguridade devem se adequar ao modelo produtivo, à escala de produção e a organização produtiva (integrações) sempre, porém respeitando medidas básicas, como: controle de acessos / isolamento (acesso de veículo / cercas / barreira vegetal), banhos, transporte de animais, introdução de animais na granja bem como sua origem, espaço de alojamento (densidades), disponibilidade de qualidade de alimentos (ração e água), ambiência (instalação / temperatura / gases) controle de vetores, entre outros.

No brasil, apenas granjas multiplicadoras de genética, possuem normativa oficial, na qual constam critérios específicos de biosseguridade. A fim de colaborar e orientar produtores e demais interessados, a desenvolver padrões de biosseguridade para suas unidades a Embrapa Suínos e Aves elaborou um trabalho abordando aspectos relevantes de biosseguridade externa para as granjas que produzem suínos para abate.

Cabe aos profissionais envolvidos em toda a cadeia produtiva a aplicação correta das medidas de biosseguridade para que a suinocultura brasileira atinja o máximo das exigências dos padrões mundial, possibilitando assim ampliação ainda maior de sua participação no mercado.

Frente a todos os desafios, sejam sanitários, e exigências de mercado (restrições ao uso de antimicrobianos / normas de exportação), aliado a pressão por melhores custos de produção, as técnicas de biosseguridade são ferramentas indispensáveis para que se tenha um rebanho saudável, produtivo e também assegurar que os animais expressem seu potencial genético garantindo uma maior rentabilidade do setor suinícola.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

SALDANHA.TS. et al.; Rotas tecnológicas para a biosseguridade da compostagem de suínos – IV Colóquio Estadual de Pesquisa Multidisciplinar e II Congresso Nacional de Pesquisa Multidisciplinar – 20 e 21 de maio de 2019

SESTI LAC.; Biosseguridade em um programa de melhoramento genético de aves – II Simpósio de Sanidade Avícola – Santa Maria, RS – 14 e 15 de setembro de 2000

KICH JA, et al.; Controle de salmonella na suinocultura – XVII Congresso Abraves 2015 – Suinocultura em transformação – Campinas, SP – 20 a 23 de outubro de 2015

HECK A.; Biosseguridade na suinocultura: Aspectos práticos – V Seminário Internacional de Aves e Suínos AveSui – Florianópolis, SC – 25 a 27 de abril de 2005

AGUILAR et al.; – Implementação e Avaliação das práticas de biosseguridade na produção de suínos. Uma Revisão. – Revista Brasileira de Higiene e Saúde Animal (v.9, n.2) - 2015

SONCINI R.A.; SCHEID I.R.; Auditoria em biosseguridade em granjas de suínos. -  Acta Scientiae Veterinariae. 36 (Supl 1): s47-s51, 2008

BARCELLOS et al.; Avanços em programas de biosseguridade para suinocultura. -  Acta Scientiae Veterinariae. 36 (Supl 1): s33-s46, 2008

BORGES SRT. et al.; Avaliação dos níveis de biosseguridade das granjas de reprodutores suínos certificadas do Estado de São Paulo, Brasil. Vet. e Zootec. 2011 set.; 18(3): 417-431

MASSOTTI R. et al.; Biosseguridade na produção de suínos – Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v.16, n.2, p. 128-135, 2017

NETO MRG; JUNIOR GN.; Biosseguridade em granja suinícola e sua importância no agronegócio – Faculdade Técnica de Botucatu – São Paulo, Brasil 2016

MORES N.; Biosseguridade mínima para granjas de suínos que produzem animais destinados ao abate – Suinocultura Industrial – número 04`2018 – Ano 40 – Edição 283 - 2018

Assuntos do Momento

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%
13 de Maio de 2022
América Latina

Colheita de soja na Argentina alcança 64,9% da área apta; de milho atinge 25,8%

O rendimento médio nacional está em 3.010 quilos por hectare, e a estimativa de produção foi mantida em 42 milhões de toneladas. 

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Com a chegada da frente fria, valor do milho sobe e deixa produtores em alerta no Brasil

Os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas
18 de Maio de 2022
Insumos

Estimativa da Anec para exportação de soja em maio aumenta para 11,4 mi de toneladas e de milho para 1,2 mi de toneladas

A previsão é de que sejam enviados 11,483 milhões de toneladas de soja em grãos, ante as 10,615 milhões de toneladas projetadas na semana passada. 

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino
17 de Maio de 2022
Exportações

Exportação da soja paraense cresce 124%; alimentação de suínos na China é principal destino

Percentual de crescimento é um comparativo do período de janeiro abril de 2022 ao mesmo quadrimestre do ano passado

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil
16 de Maio de 2022
Insumos

Valorização do dólar aumenta preço da soja no Brasil

Segundo pesquisadores do Cepea, a valorização do dólar frente ao Real atraiu importadores para o Brasil, resultando em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos
12 de Maio de 2022
ESG

BRF lança projeto piloto para reaproveitamento de resíduos em filiais de grãos

Iniciativa está em sintonia com a agenda ESG da Companhia e com seu compromisso de gestão sustentável da cadeia

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade