Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Levantamento

Índice de preços de alimentos da FAO cai em maio, porém índice de preço da carne bateu novo recorde histórico

A alta no Índice de Preços da Carne foi impulsionada por um forte aumento nos preços internacionais da carne de aves, refletindo as interrupções contínuas na cadeia de suprimentos na Ucrânia e casos recentes de gripe aviária em meio a um aumento na demanda na Europa e no Oriente Médio.

Redação
03-Jun-2022 08:25

De acordo com os dados divulgados hoje pela hoje a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), os preços mundiais das commodities alimentares caíram modestamente em maio pelo segundo mês consecutivo, embora os preços do trigo e das aves tenham subido.

O  Índice de Preços de Alimentos da FAO  teve média de 157,4 pontos em maio de 2022, queda de 0,6% em relação a abril. O índice, que acompanha as mudanças mensais nos preços internacionais de uma cesta de commodities alimentares comumente negociadas, no entanto, permaneceu 22,8% maior do que em maio de 2021.

O Índice de Preços de Cereais da FAO aumentou 2,2% em relação ao mês anterior, liderado pelos preços do trigo, que subiram 5,6% em relação a abril e 56,2% em relação ao valor correspondente no ano anterior. Os preços internacionais do trigo, em média apenas 11 por cento abaixo do recorde alcançado em março de 2008, subiram em resposta à proibição de exportação anunciada pela Índia e às preocupações com as condições das colheitas em vários países exportadores líderes, bem como perspectivas de produção reduzidas na Ucrânia devido à guerra. Os preços internacionais do arroz também subiram em geral, enquanto os preços dos grãos grossos caíram 2,1%, com os preços do milho caindo ainda mais em sintonia com as condições de safra ligeiramente melhores nos Estados Unidos da América, suprimentos sazonais na Argentina e o início iminente do principal colheita de milho.

O Índice de Preços de Óleos Vegetais da FAO caiu 3,5% em relação a abril, embora ainda muito acima do nível do ano anterior. Os preços caíram para os óleos de palma, girassol, soja e colza, devido em parte à remoção da proibição de exportação de óleo de palma da Indonésia e à fraca demanda global de importação de óleos de soja e colza devido aos custos elevados nos últimos meses.

“As restrições à exportação criam incerteza no mercado e podem resultar em picos de preços e aumento da volatilidade dos preços, a queda nos preços das oleaginosas mostra o quão importante é quando elas são removidas e permitem que as exportações fluam sem problemas”, disse o economista-chefe da FAO Máximo Torero Cullen.

O Índice de Preços de Laticínios da FAO também caiu 3,5% em relação ao mês anterior. Os preços do leite em pó caíram mais, devido às incertezas do mercado devido aos contínuos bloqueios do COVID-19 na China, enquanto as vendas robustas no varejo e a alta demanda de restaurantes no Hemisfério Norte impediram que os preços do queijo caíssem significativamente, apesar da demanda global de importação enfraquecida. Os preços da manteiga também caíram por conta de uma demanda de importação mais fraca em meio à melhoria da oferta exportável.

O Índice de Preços do Açúcar da FAO caiu 1,1% em relação a abril, uma vez que uma safra abundante na Índia impulsionou as perspectivas de disponibilidade global. A desvalorização do real frente ao dólar norte-americano, juntamente com os preços mais baixos do etanol, também pressionaram para baixo os preços mundiais do açúcar.

Enquanto isso, o Índice de Preços da Carne da FAO estabeleceu um novo recorde histórico, aumentando 0,6% em maio, mesmo com os preços mundiais da carne bovina permanecendo estáveis ??e os da carne suína caindo. A alta foi impulsionada por um forte aumento nos preços internacionais da carne de aves, refletindo as interrupções contínuas na cadeia de suprimentos na Ucrânia e casos recentes de gripe aviária em meio a um aumento na demanda na Europa e no Oriente Médio.

Produção e consumo global de cereais a caminho de diminuir

As primeiras perspectivas para a produção global de cereais em 2022 agora apontam para uma provável diminuição, a primeira em quatro anos, para 2.784 milhões de toneladas, uma queda de 16 milhões de toneladas em relação à produção recorde estimada para 2021, de acordo com O mais recente resumo de oferta e demanda de cereais da FAO, também lançado hoje.

O maior declínio está previsto para o milho, seguido pelo trigo e arroz, enquanto a produção de cevada e sorgo provavelmente aumentará. As previsões são baseadas nas condições das lavouras já no solo e nas intenções de plantio das que ainda serão semeadas.

A utilização mundial de cereais também deverá diminuir marginalmente em 2022/23, cerca de 0,1% de 2021/22 para 2.788 milhões de toneladas, marcando a primeira contração em 20 anos. O declínio decorre principalmente das diminuições previstas no uso alimentar de trigo, grãos grossos e arroz, enquanto o consumo global de cereais deverá aumentar, acompanhando as tendências da população mundial.

O comércio mundial de cereais deverá cair 2,6% em relação ao nível de 2021/22 para 463 milhões de toneladas, uma baixa em três anos, mesmo com as perspectivas para o comércio internacional de arroz permanecerem positivas.

As novas previsões apontam para uma queda nos estoques, resultando em uma queda da relação estoque/uso mundial de cereais para 29,6% em 2022/23, de 30,5% em 2021/2022. Esse novo nível seria o mais baixo em nove anos, mas ainda bem acima da mínima de 21,4% registrada em 2007/08. Espera-se que uma redução nos estoques de milho lidere o declínio, enquanto os estoques de trigo devem aumentar.

A FAO também atualizou suas estimativas para a produção global de cereais em 2021, agora com aumento de 0,9% em relação ao ano anterior, e para a utilização de cereais em 2021/2022, com aumento de 1,1%.

Assuntos do Momento

23 de Junho de 2022
Mercado Interno

Mesmo com entrada de 2ª quinzena, preços no mercado de suínos sobem

Segundo pesquisadores do Cepea, no caso do animal vivo, esse movimento de reação é influenciado pela baixa disponibilidade de suíno em peso ideal para abate, pelo clima ameno e por eventos festivos que favorecem o consumo

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão
23 de Junho de 2022
Seguro Rural

CNA pede mais R$ 710 milhões em 2022 para subvenção de apólices da safra verão

Segundo nota da entidade, o crédito extra é necessário para garantir a cobertura do plantio da próxima safra de verão 2022/23 

21 de Junho de 2022
Exportações

Exportações de carne suína diminuem, mas mercado interno dá sinais de ajuste de oferta

Veja o panorama completo do mercado interno e externo de suínos durante o mês de junho

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF
23 de Junho de 2022
Mercado

Aumento da margem de carne suína na China pode beneficiar grandes indústrias, como JBS e BRF

Após a redução no rebanho que vinha ocorrendo em função da diminuição da margem de carne suína na China, maio foi o primeiro mês de aumento do rebanho em 2022

Produção global de carne suína em 2022
22 de Junho de 2022
Comentário Suíno

Produção global de carne suína em 2022

Por Osler Desouzart, CEO da ODConsulting

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina
23 de Junho de 2022
Argentina

Cresce a demanda por carne de frango e suína em Posadas, na Argentina

“No total mais ou menos nós argentinos consumimos 110 kg de carne por ano e agora caiu para 47 kg, segundo os últimos dados que são de 2021”, disse Mariela Bernardi, administradora do Mercado Concentrado Posadas.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade