Basf SI
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Paraná

Investimentos em ações visam ampliar crescimento na suinocultura do Paraná

Dados do Deral, da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), mostram que o preço médio nominal do milho recebido pelo produtor no Paraná aumentou 207,26% desde maio de 2019

Redação com informações de Jornal do Oeste
24-Jun-2022 08:56

O setor da suinocultura vive um momento delicado. Um cenário de crise em Toledo, como em outros municípios do Paraná e em até outros estados.

Neste momento, o principal motivo é o custo elevado da produção da carne suína. Dados do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), mostram que o preço médio nominal do milho recebido pelo produtor no Paraná, em 2019, era de R$ 29,74; em maio de 2021 saltou para R$ 91,38. Isso representa um aumento de 207,26%.

Já o preço médio recebido pelo produtor de suíno, em 2019, estava em R$ 3,99 e em maio do ano passado chegou a R$ 6,44, um aumento de 61,40%. Com isso, a diferença fica em 144,86% e a tendência é de que este cenário não mude no curto prazo.

,
PR
Para auxiliar aos produtores que enfrentam essa crise, os membros do Conselho do Desenvolvimento do Agronegócio, em Toledo, promovem reuniões e dialogam sobre o assunto. Um novo encontro aconteceu, nesta semana, no Sindicato Rural de Toledo.

O evento reuniu representantes do governo municipal, da Câmara de Vereadores, da Associação Regional de Suinocultores do Oeste (Assuinoeste), da Associação Paranaense de Suinocultura (APS), de indústrias e do setor produtivo. Produtores independentes também participaram da reunião, pois eles são os mais afetados, já que as empresas romperam os contratos de entrega de suínos de forma unilateral.

Avaliação

Durante o encontro, o presidente do Conselho, João Luís Nogueira, observou que as empresas buscam adequar os seus planteis para a atual demanda. Por isso, houve a diminuição de aproximadamente 10%.

Outras empresas também adotam a estratégia de reduzir o tempo de alojamento do suíno até o abate. A expectativa é melhorar a eficiência da conversão alimentar. “Reduzir o custo com a alimentação é uma solução, porque essa conta é a que mais pesa ao produtor”.

Nogueira explica que os grãos (milho e soja) apresentaram um crescimento em seus valores. Ao comparar com o preço recebido pelo produtor e o valor do atacado, houve uma elevação maior do custo do alimento. “Na medida que a empresa consegue diminuir parte do rebanho e o tempo de alojamento, reduz o consumo de alimento e, por consequência, a possibilidade de contornar uma situação”, destaca o presidente do Conselho.

Nogueira enfatiza que existe a expectativa que o mercado possa se adequar a demanda e com o tempo provocar o ajustamento com a oferta e melhorar a liquidez do produto, principalmente, no mercado interno. “As exportações apresentam sinais ruins. Elas diminuíram em maio, se for comparar com o mês de abril”.

Encaminhamentos

De acordo com o presidente do Conselho, em consenso, os participantes da reunião defenderam a necessidade de promover um trabalho de marketing – a médio prazo – envolvendo setor público e produção. “O objetivo é fazer com que a carne suína consiga melhorar a eficiência no mercado interno”.

Nogueira esclarece que houve uma melhora no consumo – per capita – da carne suína. Atualmente está em 16 quilos e ele pondera que qualquer evolução no mercado interno é possível ter uma performance melhor no setor. “Vivemos um momento econômico difícil, com inflação e juros altos, os quais inibem investimentos. Por sua vez, a renda está em queda. Enfim, são fatores que dificultam a evolução do mercado interno”.

Diante deste cenário, os participantes acreditam na necessidade de realizar um trabalho de marketing em torno da carne suína. “Trata-se de uma excelente carne. Ela é a mais consumida no mundo e existe espaço para o consumo crescer internamente”, destaca Nogueira. Ele salienta que o trabalho será realizado por todas as instituições.

O presidente do Conselho ainda menciona a medida adotada pelo Governo do Estado em reduzir o ICMS para colocar a carne suína do Paraná em outros estados. “A carne suína terá mais competitividade e, por meio de uma logística mais adequada, poderá melhorar a liquidez do produtor e fazer com que a suinocultura dê um salto”, finaliza Nogueira.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade