Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Pesquisa

Ipea analisa alta nos preços agropecuários no Brasil e no mercado internacional

Problemas climáticos e taxa de câmbio contribuem para aumentos registrados

Redação
19-Ago-2021 10:40

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou, nesta quinta-feira (19/8), a análise trimestral sobre preços e mercados agropecuários, com acompanhamento dos preços domésticos e internacionais até julho de 2021 e balanço de oferta e demanda dos principais produtos do setor referente à safra 2020-2021. As commodities mais representativas na pauta de exportação brasileira - grãos, carnes e café - continuaram com a demanda internacional aquecida no primeiro semestre de 2021, e com preços mais elevados frente ao mesmo período de 2020. A edição segue com a participação do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) para as análises dos preços domésticos, e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para as análises de produção e dos balanços de oferta e demanda domésticos.

O documento apontou alta no preço doméstico (em reais) de todos os produtos acompanhados, com exceção da batata, na comparação entre o primeiro semestre deste ano e de 2020: soja (78%), milho (77%), trigo (40%), algodão (75%) e arroz (55%).

Em relação aos preços internacionais (em dólares), ao analisar o primeiro semestre de 2021 e de 2020, somente o arroz apresentou queda, de 11%. Os demais produtos apresentaram alta: soja (65,9%), milho (72,3%), trigo (24,4%), algodão (38,1%), boi gordo (18,3%), porco magro (65,3%), carne de frango (24,2%). "A alta observada nos grãos deve impactar os custos de produção da pecuária, o que pode influenciar negativamente a oferta dessas commodities e das proteínas animais no país", considerou a pesquisadora associada do Ipea, Ana Cecília Kreter.

"As altas de preços agropecuários no Brasil resultaram de uma combinação de fatores como a crise hidrológica, as significativas altas de preços internacionais e desvalorização cambial", avaliou o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo Castro de Souza Júnior, um dos autores da nota.

Os preços do principal produto do agronegócio brasileiro, a soja, seguiram em alta no país impulsionados pela valorização dos prêmios de exportação e pela manutenção da alta demanda externa pelo produto. A confirmação da quebra de safra de soja na Argentina e os baixos estoques brasileiro e norte-americano elevaram o preço em 1,9% no segundo trimestre deste ano em comparação com o trimestre anterior. Há expectativa de manutenção das exportações do grão e derivados, principalmente do farelo, diante da restrição da oferta na Argentina.

O preço do milho fechou o segundo trimestre de 2021 com alta de 11,9% frente ao primeiro trimestre deste ano, impulsionado pelos baixos estoques e pelo comprometimento de parte das lavouras, que tiveram a produtividade prejudicada pelas questões climáticas. O consumo doméstico na safra 2020-2021 deve ser impactado pela baixa esperada na oferta em decorrência da queda na produção e na produtividade do milho. O consumo foi revisto para baixo pela Conab, mas deve ficar 3,3% acima na comparação com a safra anterior, cenário que limita não só as exportações do cereal, como também é um dos responsáveis pelo aumento dos preços do milho no Brasil. O Cepea sinaliza que há maior remuneração das vendas internas frente às exportações do produto.

O café arábica, espécie mais produzida no país, encerrou o segundo trimestre de 2021 com alta de 17,5% nos preços na comparação com o trimestre anterior, impulsionado pela estimativa da quebra na safra brasileira 2021-2022. Segundo o Cepea, há expectativa de oscilação em patamares elevados dos preços domésticos do produto no restante do ano. No mercado internacional, a demanda por café dentro do domicílio mais do que compensou a redução no consumo fora de casa provocada pela pandemia. Para o segundo semestre, os preços devem se manter em patamares superiores aos de 2020, reflexo do aumento da demanda e da abertura de bares e cafés.

Com relação às carnes, há um movimento de substituição entre as proteínas animais, em parte, por questões sanitárias e, em parte, pela busca de proteínas mais baratas. Entre o primeiro e o segundo trimestre de 2021, houve alta no preço das proteínas: boi gordo (4,9%), carne suína (2,9%) e carne de frango (10,9%). Os preços do boi gordo devem se manter em patamares elevados até o final do ano, dependendo do comportamento da demanda doméstica. No caso dos suínos, a baixa disponibilidade do milho - importante insumo da suinocultura e que afeta diretamente o custo da ração animal-, deve contribuir para a alta dos preços tanto do suíno vivo quanto da carne, no terceiro trimestre de 2021. No caso da carne de frango, o retorno das aulas presenciais em boa parte do país deve contribuir para o aumento da demanda, por conta da composição da merenda escolar. Há perspectiva de elevação no preço do frango abatido no atacado no terceiro trimestre deste ano.

 

Assuntos do Momento

19 de Outubro de 2021
Diversidade Cultural

Mais de 120 colaboradores da BRF carimbam o passaporte e atuam em diferentes países

Com experiência no exterior e apoio da Companhia, profissionais enriquecem currículo, compartilham conhecimentos e promovem a diversidade cultural

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos
22 de Outubro de 2021
Expansão

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos

Já a unidade de Lucas do Rio Verde (MT) obteve autorização para a venda de suínos e seus miúdos

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde
20 de Outubro de 2021
Investimento

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde

Estrutura foi ampliada e conta com os mais modernos equipamentos para garantir a qualidade da análise de produtos da Companhia 

22 de Outubro de 2021
Evento

BRF marca presença na Expo Dubai 2020

Companhia mantém importante atuação no mercado Halal com indústrias na região e exportação de produtos a partir de diversas unidades pelo Brasil

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo
19 de Outubro de 2021
Suspensão

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo

No início de setembro, o Brasil suspendeu os embarques da proteína ao país asiático depois da confirmação de casos da vaca louca

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne
20 de Outubro de 2021
Negociação

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne

Embaixador brasileiro diz que o governo acredita em progresso no reconhecimento pela China do status do Brasil como livre de febre aftosa e como um país de ‘risco insignificante’ para a doença da vaca louca

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade