Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado

JBS pagou resgate de US$ 11 milhões a hackers

Empresa usou bitcoins para pagamento; “foi muito doloroso pagar os criminosos, mas fizemos a coisa certa pelos nossos clientes”, diz CEO nos EUA

Redação com informações de France24 e Valor Econômico
11-Jun-2021 07:43 - Atualizado em 11/06/2021 08:07

"Foi uma decisão muito difícil para nossa empresa e para mim pessoalmente", disse André Nogueira em um comunicado. “No entanto, achamos que essa decisão deve ser tomada para evitar qualquer risco possível para nossos clientes”, disse ele.

“No momento do pagamento, a grande maioria das instalações da empresa estava operacional”, disse a JBS, uma das maiores empresas de alimentos do mundo. Isso foi feito para "garantir que nenhum dado vazasse" e "para evitar problemas imprevistos relacionados ao ataque", segundo o grupo. Nogueira disse ao Wall Street Journal que o pagamento do resgate foi feito em bitcoin.

A JBS, especializada em produtos suínos, bovinos e de frango, havia indicado às autoridades americanas que estava sendo alvo de um ciberataque com ransomware de uma "organização criminosa provavelmente com sede na Rússia", segundo a Casa Branca, em que as empresas atacadas são coagidas a fazer pagamentos multimilionários para retomar o controle de seus sistemas operacionais. A operadora de um gasoduto que leva gasolina a partes da Costa Leste em maio pagou cerca de US$ 4,4 milhões para recuperar o controle de suas operações e restaurar o serviço. Os ataques mostram como os hackers deixaram de ter como alvo empresas ricas em dados, como varejistas, bancos e seguradoras, para provedores de serviços essenciais, como hospitais, operadoras de transporte e empresas de alimentos.

A JBS alertou imediatamente o Departamento Federal de Investigação (FBA), disse Nogueira, e a equipe de tecnologia da empresa começou a desligar os sistemas do fornecedor de carne para retardar o avanço do ataque. A JBS chamou fornecedores de tecnologia que já haviam trabalhado com a empresa, bem como especialistas em segurança cibernética e consultores que começaram a negociar com os invasores.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, declarou que não descarta a retaliação contra Moscou após o ciberataque. Os servidores em que se baseiam seus sistemas de informática na América do Norte e na Austrália foram atacados, paralisando as atividades do grupo na Austrália e suspendendo algumas linhas de produção nos Estados Unidos.

Além do Brasil e do restante da América Latina, a JBS está presente nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Reino Unido. Recentemente, várias empresas foram vítimas de ataques cibernéticos em grande escala.

Na segunda-feira, as autoridades norte-americanas anunciaram que recuperaram parte dessa quantia. O ataque do Oleoduto Colonial criou problemas significativos de abastecimento de gasolina no sudeste dos Estados Unidos por vários dias.

Ransomware explora brechas de segurança para bloquear sistemas de computador. Em seguida, seus autores exigem um resgate para desbloqueá-los. De acordo com a empresa de segurança Emsisoft, os hackers coletaram resgates de pelo menos US $ 18 bilhões no ano passado. 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade