Guia Gessulli
07-Jan-2020 08:54
Comentário

Menor produção de suínos significa menos exportação

Por Jim Long, President-CEO, Genesus Inc.

Por Jim Long, President-CEO, Genesus Inc.

Sexta-feira passada, o preço futuro do suíno magro caiu depois de alguns meses ao limite. Isso deveu-se principalmente às exportações de carne suína dos EUA na semana do Natal, diminuindo cerca de 10.000 toneladas em relação às semanas anteriores. Deus ajude a estupidez de tantos traders de futuros, em 2017 e 2018, as exportações caíram 10.000 toneladas durante a semana de Natal. Não é uma correção de mercado, é uma realidade de logística.

Historicamente, a semana do ano novo também é menor que a primeira semana completa do ano para os números de exportação. Outro fator, tanto na semana de Natal quanto no Ano Novo, menos suínos são abatidos.

  • Semana de Natal foi de 2.029.000;
  • Semana do Ano Novo 2.293.000
  • As semanas anteriores estavam na faixa de 2,8 milhões.
  • Quase 1,3 a menos nas duas últimas semana

Houve menos exportações; havia menos para exportar

É como dizer que há menos PSA na China agora. Claro que sim, metade dos suínos está morta, há menos para morrer.

Janeiro já chegou, os feriados terminaram. Agora a diversão começará. A Tyson e a JBS estão à beira de serem livres de Ractopamina e capazes de exportar para a China. Combinou 180.000 suínos de abate por dia com novo potencial de mercado. Essas são empresas inteligentes, a única razão pela qual elas teriam para ser livres de ractopamina é o acesso ao mercado da China. Nenhum outro país do mundo que importa carne suína dos EUA se importa com a Ractopamina.

O que deve-se observar nas próximas semanas é o número de abates de suínos em relação aos pesos da carcaça. Esperamos um rápido declínio nos pesos de abate se as processadoras dos EUA continuarem a um ritmo de 2,8 milhões de cabeças por semana. Se o mercado de suínos diminuir, os pesos não diminuirão tão rapidamente, mas a tonelagem semanal total de suínos diminuirá, elevando os preços dos suínos.

Acreditamos que, nas próximas semanas, as margens brutas das processadoras diminuam. Segundo a DTN Agdayta, eles atingiram quase US$ 70 por cabeça em novembro e, desde então, caíram para menos de US$ 50. À medida que o número de suínos diminui, o mesmo ocorre com as margens brutas dos frigoríficos. Só precisamos voltar ao verão passado, quando eles estavam abaixo de US$ 20 por cabeça.

Nos negócios de commodities, parece que todos têm a chance de andar no carrinho de mão.

 

Redação SI
Deixe seu Recado