AveSui
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Milho Transgênico

México rejeita nova variedade de milho transgênico, diz associação agrícola

O México, berço do milho moderno, nunca permitiu o cultivo em escala comercial de cereal transgênico, mas por décadas permitiu que tais variedades fossem importadas

Redação com informações de Money Times
08-Out-2021 13:46 - Atualizado em 08/10/2021 14:10

O regulador de biossegurança do México rejeitou pela primeira vez uma nova variedade de milho transgênico, disse o chefe da principal associação agrícola do país à Reuters, em um sinal de que o governo está endurecendo sua posição contra as safras geneticamente modificadas.

O México, berço do milho moderno, nunca permitiu o cultivo em escala comercial de cereal transgênico, mas por décadas permitiu que tais variedades fossem importadas, principalmente de produtores dos EUA, para a produção de ração animal.

Os reguladores devem aprovar cada nova variedade desenvolvida pelas empresas de sementes antes que as safras cultivadas a partir delas possam ser importadas.

No final de agosto, o regulador de saúde Cofepris rejeitou uma licença para uma nova variedade de milho transgênica solicitada pela empresa alemã Bayer, de acordo com dados do conselho nacional agrícola (CNA).

O regulador apontou que a nova variedade de sementes foi projetada para tolerar o herbicida glifosato, acrescentando que considera o produto usado amplamente como perigoso, e disse que sua rejeição foi baseada em um “princípio de precaução”, mostraram os dados.

A decisão do Cofepris nunca foi divulgada publicamente e sua assessoria de imprensa não respondeu aos pedidos de comentários. Um porta-voz da Bayer não quis comentar sobre a rejeição.

O presidente da CNA, Juan Cortina, disse em uma entrevista que os importadores mexicanos de milho começarão a sentir o impacto da rejeição já no próximo ano.

“Este é o primeiro obstáculo, que não é imediato, mas está chegando”, disse ele, apontando para sete outras licenças de sementes de milho transgênicas pendentes, que aguardam entre 14 e 34 meses por uma resolução.

Ele disse acreditar que a decisão viola o acordo comercial norte-americano da USMCA.

Nem o Ministério da Economia do México, responsável pelo comércio internacional, nem o Escritório do Representante de Comércio dos EUA em Washington responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Embora os reguladores em todo o mundo tenham determinado que o glifosato é seguro, a Bayer concordou no ano passado em encerrar quase 100 mil processos nos EUA por 9,6 bilhões de dólares, enquanto negava as alegações de que o herbicida causava câncer.

Em fevereiro, fechou um acordo de 2 bilhões de dólares para resolver futuras questões na Justiça de que o glifosato causa câncer.

No passado, o governo mexicano aprovou cerca de 90 variedades de milho transgênico para importação, entre quase 170 aprovações totais para sementes transgênicas, incluindo algodão e soja.

Mas sob o presidente Andrés Manuel López Obrador, que assumiu o cargo no final de 2018, nenhuma semente transgênica foi aprovada pelo Cofepris.

No ano passado, o México importou mais de 16 milhões de toneladas de milho de fornecedores norte-americanos, quase todo cultivado a partir de variedades transgênicas.

Cortina disse que este ano o país está prestes a importar “mais de 19 milhões de toneladas”, o que marcaria um recorde histórico, mesmo com o governo prometendo aumentar a produção doméstica.

O México é basicamente autossuficiente em sua produção de milho branco, que é usado para fazer as tortilhas no país, mas depende muito das importações de milho amarelo tanto para ração animal quanto para diversos usos industriais, como fabricação de cereais e molhos.

López Obrador emitiu um decreto no final do ano passado que visa proibir até 2024 tanto o glifosato quanto o milho transgênico para consumo humano, mas as autoridades ainda não esclareceram se a proibição se aplicaria à alimentação animal ou à demanda industrial.

O vice-ministro da Agricultura mexicano, Victor Suárez, um defensor influente do decreto, disse no mês passado que o governo agora pretende cortar as importações de milho pela metade até 2024.

“No momento, não acho que esteja diminuindo”, disse Cortina, referindo-se à demanda do país por milho importado.

Ele apontou para dados oficiais do Ministério da Agricultura que mostram que a produção doméstica de milho caiu mais de 5% durante os primeiros seis meses deste ano.

 

Assuntos do Momento

19 de Outubro de 2021
Diversidade Cultural

Mais de 120 colaboradores da BRF carimbam o passaporte e atuam em diferentes países

Com experiência no exterior e apoio da Companhia, profissionais enriquecem currículo, compartilham conhecimentos e promovem a diversidade cultural

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos
22 de Outubro de 2021
Expansão

BRF anuncia mais habilitações de Cingapura para exportação de produtos suínos

Já a unidade de Lucas do Rio Verde (MT) obteve autorização para a venda de suínos e seus miúdos

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde
20 de Outubro de 2021
Investimento

BRF investe R$ 5,5 milhões em modernização do laboratório industrial em Lucas do Rio Verde

Estrutura foi ampliada e conta com os mais modernos equipamentos para garantir a qualidade da análise de produtos da Companhia 

22 de Outubro de 2021
Evento

BRF marca presença na Expo Dubai 2020

Companhia mantém importante atuação no mercado Halal com indústrias na região e exportação de produtos a partir de diversas unidades pelo Brasil

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo
19 de Outubro de 2021
Suspensão

Veto da China à carne bovina brasileira já dura mais de um mês e assusta governo

No início de setembro, o Brasil suspendeu os embarques da proteína ao país asiático depois da confirmação de casos da vaca louca

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne
20 de Outubro de 2021
Negociação

Brasil conclama China a avançar no comércio de carne

Embaixador brasileiro diz que o governo acredita em progresso no reconhecimento pela China do status do Brasil como livre de febre aftosa e como um país de ‘risco insignificante’ para a doença da vaca louca

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade