Guia Gessulli
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
América Latina

México se destaca mundialmente como produtor de proteína animal

Uma boa nutrição contribui para a segurança alimentar e as exportações dos produtores nacionais

Redação com informações de Diario Marca
27-Abr-2021 08:18 - Atualizado em 03/05/2021 12:43

A boa nutrição do setor pecuário é fundamental para garantir a segurança alimentar, o fornecimento de proteína animal para consumo interno e para que os pecuaristas tenham acesso em condições de elevada concorrência nos mercados internacionais, destacou o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural.

Nesse sentido, o diretor-chefe do Serviço Nacional de Saúde, Segurança e Qualidade Agroalimentar (Senasica), Francisco Javier Trujillo Arriaga, destacou a importância do Conselho Nacional de Fabricantes de Alimentos Balanceados e Nutrição Animal (Conafab) para o produção de alimentos saudáveis no México.

Em uma reunião com os membros deste órgão, ele reconheceu o trabalho do Conselho para desenvolver alimentos saudáveis, seguros e de alta qualidade, e os convidou a trabalhar, como fazem há mais de 10 anos, de acordo com os Padrões Oficiais do México .

Ele comentou que a Conafab, que reúne empresas do setor de ração animal, ajuda a posicionar o México em sétimo lugar mundial na produção de proteína animal, ao lado do setor agrícola mexicano, que lhe fornece a maior parte de seus insumos.

Indicou que a agência conta com a confiança da Agricultura e a experiência para continuar a liderar o seu setor, e ofereceu o apoio dos técnicos do Senasica para modernizar o trabalho regulatório e fortalecer ainda mais a indústria agroalimentar.

O presidente da Conafab, Jorge Martínez Carrillo, se comprometeu a dar continuidade à linha que tem permitido ao México ser o sexto produtor mundial de rações balanceadas para animais, com mais de 34,8 toneladas anuais, o que o torna uma peça fundamental no desenvolvimento econômico e social da o país.

Temos demonstrado compromisso com a inovação, qualidade e conversão e apoiamos o setor agrícola nacional com a compra anual - à vista - de mais de 22 milhões de toneladas de grãos forrageiros, o que traz liquidez ao setor agroalimentar nacional, destacou. .

O ex-presidente da Conafab, Luis Lauro González Alanís, disse que a agência construiu pontes de entendimento com o governo para dar certeza às compras das safras nacionais de milho amarelo e sorgo, principalmente.

Ele destacou que a Conafab compartilha da necessidade e urgência de apoiar os pequenos produtores e também de fortalecer os médios e grandes produtores para contribuir com a meta de alcançar a autossuficiência alimentar no México.

Ele indicou que o Senasica é preponderante para o Conselho, já que é uma das instituições que mais o apoia em seu dia a dia, entre eles, a gestão de importação e exportação dos insumos exigidos pela indústria.

O presidente da União Nacional dos Avicultores (UNA), Juan Manuel Gutiérrez, indicou que a pecuária mexicana desempenha um importante papel econômico e social, já que contribui com 11,6% do emprego de todo o setor agrícola e pesqueiro do país.

Ele destacou que a produção anual da pecuária é de 12 milhões de litros de leite bovino e caprino, 1,6 de porco, 2,1 de carne bovina, caprina e ovina e 6,3 milhões de proteína avícola, o que contribui com mais de 461 bilhões de pesos anuais para a economia mexicana.

Ele frisou que a pecuária está presente em áreas marginalizadas, onde poucas indústrias o fazem, o que gera raízes e empregos para a população local.

547 fábricas que produzem ração balanceada para animais operam no México. Do total da produção, 48,9% vão para a avicultura; 15,9 por cento, suinocultura; 11,1 por cento, gado e 15,7 por cento, o setor de laticínios. Nos últimos cinco anos, a produção comercial de rações para animais de estimação cresceu de 860 mil toneladas para 1,1 milhão.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade