Alltech
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Desenvolvimento

Modelo de gestão ambiental para a suinocultura brasileira

Revista Suinocultura Industrial
28-Dez-2016 10:01 - Atualizado em 28/03/2017 16:11

suinocultura, fotos atualizadas ,
Suinocultura
A suinocultura é frequentemente vista como uma atividade altamente poluidora do ambiente. Esta opinião se destaca principalmente no meio urbano, cuja população está cada vez mais afastada do meio rural e onde as informações sobre esta atividade normalmente chegam incompletas e, muitas vezes, infladas de preconceito. A suinocultura, nas décadas de 70/80, se desenvolveu como atividade econômica, sobretudo em pequenas propriedades com mão-de-obra familiar e baixo nível tecnológico. Naquele momento, as preocupações ambientais ficavam em segundo plano em relação à necessidade de aumento da produtividade animal, melhoria das condições sanitárias dos rebanhos e da lucratividade da atividade. À medida que a economia foi se globalizando e as unidades de produção de suínos foram crescendo em escala, a questão ambiental passou a ter papel de destaque nos fóruns de discussão sobre a suinocultura brasileira tendo em vista a crescente demanda por sistemas de produção mais sustentáveis.

As pesquisas lideradas pela Embrapa, universidades e instituições de pesquisa brasileiras desenvolveram tecnologias para reduzir o consumo de água e a produção de dejetos nas granjas; a melhoria na nutrição, ambiência e sanidade dos rebanhos contribuiu com uma melhor conversão alimentar, o que reduziu a excreção de nitrogênio, fósforo, potássio e outros nutrientes nos dejetos; novas tecnologias para o manejo e tratamento dos efluentes da suinocultura foram desenvolvidas para a redução do potencial poluidor dos dejetos e a geração de co-produtos de interesse econômico, notadamente fertilizantes orgânicos e energia; as recomendações de adubação foram atualizadas e novas tecnologias de aplicação dos fertilizantes orgânicos ao solo foram desenvolvidas, melhorando a eficiência agronômica e mitigando os impactos ambientais da reciclagem destes resíduos na agricultura. Varias tecnologias estão atualmente disponíveis e validadas para aplicação e uso no setor produtivo.

No entanto, duas perguntas são recorrentes quando se discute suinocultura e meio ambiente: Qual a solução para o problema ambiental da suinocultura? e; Qual a melhor tecnologia para resolver o problema dos dejetos suínos? A resposta é complexa e não existe uma única solução para estas questões, pois para cada propriedade existe um arranjo tecnológico mais adequado. Portanto, o que existe são tecnologias que apresentam aplicações e limitações específicas que devem ser adotadas de acordo com as características e necessidades específicas de cada granja. A gestão ambiental adequada de uma granja de suínos depende, portanto, de um trabalho conjunto de técnicos e produtores rurais visando à seleção e uso de um arranjo tecnológico mais apropriado de acordo com a demanda e necessidade da granja. No entanto, há que se reconhecer que devido a grande variabilidade observada nos sistemas de produção de suínos e nas condições de solo, clima, relevo e estruturas fundiárias existentes no Brasil, a escolha de uma tecnologia pode ser uma decisão bastante complexa de ser tomada por técnicos e produtores.

Neste sentido, a Embrapa Suínos e Aves e parceiros estão desenvolvendo um modelo de apoio à tomada de decisão, baseado nos resultados gerados pela pesquisa, que estará disponível para técnicos, produtores rurais e órgãos ambientais possibilitando a realização da gestão ambiental da suinocultura atendendo as demandas das propriedades rurais e também dos órgãos ambientais que regulamentam esta atividade no Brasil. O modelo envolve todos os critérios técnicos necessários para determinar a capacidade de alojamento de animais em uma granja de suínos a partir do consumo de água, produção de dejetos e excreção de nutrientes pelos animais, demanda de nutrientes nas áreas agrícolas, eficiência de remoção e/ou segregação de nutrientes nos sistemas de armazenamento e/ou tratamento de efluentes. Além disto, o modelo também estabelece um plano de monitoramento da qualidade do solo nas áreas agrícolas licenciadas para aplicação dos fertilizantes orgânicos. Este modelo foi adotado de forma pioneira como base técnica para a atualização da IN11/2014 (FATMA) que regulamenta o licenciamento ambiental da suinocultura, no Estado de Santa Catarina. Espera-se que esse modelo seja difundido para outros Estados produtores de suínos, padronizando os procedimentos para a gestão ambiental da suinocultura e também os processos de licenciamento da atividade em todo o país. A seguir, discutiremos brevemente os critérios técnicos adotados neste modelo de gestão ambiental da suinocultura.

Assuntos do Momento

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas
21 de Setembro de 2021
Ocorrência Sanitária

Haiti registra mais um caso de Peste Suína Africana nas Américas

A ocorrência foi confirmada ontem (20/09) pela OIE; é o segundo caso da enfermidade na América Latina, o que acende um alerta ainda maior em toda a suinocultura da região

Preço do suíno vivo sobe em vários estados
20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do suíno vivo sobe em vários estados

Após um começo de mês nada animador para o segmento, a última semana registrou novos aumentos em várias praças. Valor poderia ser maior, mas baixo poder aquisitivo da população segue impedindo.

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo
16 de Setembro de 2021
Custos

Situação é preocupante na suinocultura com custos superando preço do animal vivo

Quadro afeta especialmente os produtores independentes, que têm menos poder de fogo nas negociações de grãos para ração

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

20 de Setembro de 2021
EUA

Nos EUA, deputados democratas pedem recursos para prevenir peste suína africana

Grupo de deputados pediu US$ 75 milhões em recursos para que autoridades de saúde animal previnam e se preparem para um possível surto de PSA no país

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos
17 de Setembro de 2021
Mercado

Competitividade da carne de frango frente à suína é a menor em 9 anos

Levantamento do Cepea mostra que, na média deste mês (até o dia 15), a diferença entre a carcaça especial suína, também comercializada na Grande São Paulo, e o frango inteiro é de apenas 1,19 Reais/kg

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade