Alltech
Peste Suína Africana AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Suíno Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Eleito presidente da ABPA

Mudanças serão apenas de posições, resume Ricardo Santin

Assim que assumir a associação, Santin afirma que manterá a mesma linha de trabalho feito pela ABPA nos últimos anos

Redação AI/SI
08-Jan-2020 12:34 - Atualizado em 09/01/2020 11:25

No começo de dezembro do ano passado o atual diretor-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, foi escolhido como novo presidente da entidade a partir de abril de 2020. Ele disputou a vaga com outros 24 nomes ligados à avicultura e suinocultura. Assim que assumir a associação, Santin afirma que manterá a mesma linha de trabalho feito pela ABPA nos últimos anos.

 

LEIA AINDA: Informação é a base da prevenção contra PSA no Brasil

Santin deverá assumir o lugar do ex-ministro Francisco Turra. Para o eleito, será uma mudança apenas nas posições, uma vez que o atual presidente deverá assumir o comando do conselho consultivo da ABPA. “Seguimos na mesma linha, no mesmo rumo que o setor definiu lá atrás”, diz.

A mesma linha, segundo Ricardo Santin, quer dizer crescimento consistente com sustentabilidade. Outro ponto é buscar melhorar a competitividade do produto brasileiro, de modo que as exportações continuem avançando. Ainda assim, ele aponta qual continua sendo o foco do setor: “Nosso principal cliente é o brasileiro”.

personalidades, fotos atualizadas , Édi Pereira
Ricardo Santin assume a ABPA em abril de 2020Édi Pereira

DEVEMOS CRESCER COM BASE NA DEMANDA

Ricardo Santin comemora que o Brasil tenha exportado mais de R$ 33 bilhões em proteínas de frango e suína. Questionado se a recuperação da produção de carnes da China, em um eventual pós-crise sanitária, poderia impactar nas exportações do país, ele avalia que não. “Estamos trabalhando com competitividade. Não devemos crescer a produção com base em expectativa, e sim de demanda, que é um ponto interessante que o setor tem cumprido”, afirma.

Além disso, o futuro presidente da ABPA acredita que será possível abrir novos mercados no período de recuperação da China. “A China não vai parar de comprar do nada, é um processo paulatino”, considera. Outro argumento é de que a população chinesa permanece em crescimento contínuo e ainda não é possível avaliar se o país conseguirá voltar ao mesmo patamar produtivo de 54 milhões de toneladas de proteína suína ao ano, que era o volume antes da crise.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade